26.11.20

Lar Doce Lar... ou não!

Lar Doce Lar... ou não! || Disponível nas plataformas digitais
Crítica por Helen Nice

Imagem cedida pela A2 Filmes

Victória Tremont (Natasha Bure) é uma bela jovem que trabalha na cafeteria de uma loja. Nas horas livres, cuida das plantas que herdou da mãe e faz caminhadas com a turma da vizinhança. Despreocupada com a vida, ela coleciona relacionamentos superficiais, porque no fundo tem medo de se envolver emocionalmente. Seu charme e beleza garantem que ela conquiste os homens que desejar. Mas, um belo dia, um rapaz desconhecido entra na cafeteria e não percebe sua existência, apesar das suas insinuações. Motivo suficiente para ela decidir conquistá-lo. Seu plano é se inscrever como voluntária na ong que ele está coordenando... mas ela nem sabe ao certo o que eles fazem. 

O rapaz é Jason Holman (Ben Elliott) que veio fazer parte do Ministério e tem um projeto de construção de moradias populares para pessoas carentes. E aquela garota que não tem fé e não segue religião alguma, vai ter que "fingir" ser da igreja para conquistar o rapaz. Ela também não sabe que Jason se mudou exatamente para esquecer uma desilusão amorosa e se dedicar a uma causa nobre. Situações engraçadas surgirão quando a loirinha estilosa aparece para ajudar a construir uma casa. Victória faz amizade com a tímida Megan (Sarah Kin) e em troca de alguma ajuda com as ferramentas, dará a ela dicas desastrosas para conquistar Wyatt (John Reddy). 

Imagem cedida pela A2 Filmes

O roteiro de Lesley Ann McDaniel é bem simples e despretensioso. Uma comédia romântica leve e repleta de clichês, não negando que é um filme com fundo religioso. Trechos bíblicos são citados e a transformação de Victória no decorrer da trama segue o previsível. A patricinha que só pensava em futilidades descobre o amor e uma causa religiosa que a transforma miraculosamente. Paralelamente, temos a história de sua irmã que também não está numa fase muito boa no casamento. Home Sweet Home é o tipo de filme "autoajuda" que passa mensagens positivas de fé e caridade. 

Fica a mensagem que mesmo se você não tiver as melhores intenções, ainda assim você pode fazer a diferença na vida de alguém e esse fato irá impactar sua vida também. Beleza e vários pretendentes não preenchem o vazio interior, que apenas sua fé poderá preencher. Uma produção mediana, que não surpreende, porém também não deixa a desejar. Típico filme cristão, de produção simples, com diálogos característicos e uma trilha sonora bem animada. Esse filme irá agradar um público alvo específico.

Postar um comentário

últimas resenhas e críticas

Acompanhe no Instagram: @dnisin

© Seja Cult. Design by FCD.