3.11.20

As veias do mundo

As veias do mundo || Estreia em breve 
Crítica por Helen Nice

Imagem: Divulgação

Amra Erdene (Bat-Irredui Batmunkh) vive com seus pais e irmãzinha em uma tenda típica das tribos nômades nas planícies da Mongólia. Sobrevivem da criação de carneiros e cabras e da produção de queijos artesanais, que são vendidos no mercado local. Ele tem uma vida típica de um garoto de 11 anos. Frequenta a escola do vilarejo, e por ser distante, seu pai Erdene (Yalalt Namsrai) o leva de carro todos os dias. As imagens abertas do carro nas estradas mostram um imenso espaço imponente e árido e as montanhas. Além dos estudos, Amra e seus amigos assistem clips de música no celular de um deles e o garoto sonha em poder cantar e ser famoso. Mas de volta à sua casa a realidade é outra e ele precisa ajudar as mulheres no pastoreio e afazeres diários. 

Quando a escola recebe a notícia que iriam participar de uma seletiva do Mongolian's Got Talent, Amra vê sua chance de realizar seu grande sonho. Ele só precisa convencer seu pai a assinar a autorização. Ele até já escolheu a música com a qual tomará parte - Golden Veins, uma canção típica que aprendeu com seu pai. O garoto aguarda ansiosamente por essa assinatura, mas seu pai sempre posterga, pois está preocupado em convencer a comunidade a se unir contra as companhias estrangeiras de mineração que estão tomando conta de toda região. Se dependesse da mãe Zaya (Enerel Tumen), eles já teriam aceitado a indenização pelas terras, antes que não sobrasse mais nada, e iriam viver em outro local, como muitas famílias já estavam fazendo. 

Imagem: Divulgação

Quando finalmente Amra consegue a autorização para cantar e faz sua primeira audição uma tragédia acontece e muda radicalmente os planos dele e da família, destruindo seu sonho infantil. Amra precisa crescer precocemente e se tornar o homem da família, com a incumbência de vender os queijos e prover o sustento da casa. A tarefa não é fácil e Amra, revoltado e se sentindo culpado, se une aos garimpeiros ilegais para conseguir dinheiro, sem se preocupar com as consequências. Toda essa história é contada pela ótica infantil, de alguém que sofre um trauma e perde sua inocência. Amra assume as lutas do pai fazendo o que for preciso para não abandonar as terras de seus ancestrais. 

O filme apresenta uma questão muito séria nas comunidades da Mongólia. A exploração do ouro e as pressões que as tribos sofrem por parte das grandes mineradoras que os expulsam das terras de seus povos, modificam os cursos dos rios, quando não os secam totalmente, destruindo a natureza e causando grande devastação. A cultura não é respeitada, nem as tradições, como a árvore de orações com os tecidos pendurados, que para eles é um local sagrado. O filme mostra as belas paisagens da Mongólia e a destruição causada pela exploração desmedida, o tradicional em contraste com o avanço do chamado progresso. Ao final, a letra da canção de Amra é um lamento triste e real. As veias sangrando e esvaindo a natureza e a cultura de um povo. Uma denúncia em forma de canção.

Postar um comentário

últimas resenhas e críticas

Acompanhe no Instagram

© Seja Cult. Design by FCD.