27.10.20

Mosquito

Mosquito || Estreia em breve 
Crítica por Helen Nice

Imagem cedida pela Sinny Assessoria 

Mosquito, uma produção luso-brasileira-franco-moçambicana, foi o filme escolhido para abrir o Festival Internacional de Cinema de Roterdã. Dirigido por João Nuno Pinto, a película nos traz um soldado português perdido em terras africanas em 1917. Livremente inspirado em uma história verdadeira de seu avô paterno, que se alistou para defender a Pátria. João Nunes Monteiro é Zacarias, um rapaz de apenas 17 anos que, insatisfeito com a vida em família, prefere arriscar-se e se alistar para ser enviado para a guerra. A vida com os pais tornou-se uma tortura, típico da idade e das tradições rígidas próprias da cultura, e o rapaz quis provar que já era um homem feito e podia voltar com o herói que eles idealizavam. Levava "a guerra no peito e a Pátria no coração", demonstrando o exacerbado sentimento lusitano. Seu sonho era ser enviado para a França, mas para seu desespero, foi mandado com a 31a Companhia da Coluna do Lago para enfrentar os alemães nas inóspitas terras africanas e defender a colônia portuguesa. 

A cena inicial é chocante. O navio de soldados atraca em um lugar sem estrutura alguma e o comandante sem escrúpulos manda os soldados "subirem nas costas dos pretos" para não se molhar. A Pátria amada e seus crimes em tempos de conquistas. Já no desembarque das tropas, Zacarias se distancia de seus compatriotas. Apenas 2 escravos negros lhe fazem companhia por algum tempo e, após um incidente, só resta Duarte (Antônio Nipita) para ajudá-lo a encontrar o caminho. Mas Duarte está em suas terras, se rebela e em pouco tempo o abandona à própria sorte. Aí inicia-se uma jornada de perigos, sobrevivência, enfrentamento e, principalmente uma jornada interior, com sonhos, pesadelos, alucinações. Tendo que vagar solitário em um ambiente hostil, com os nervos à flor da pele, sofrendo de fome, sede, calor intenso, insetos, animais da savana e os selvagens locais. 

Zacarias é jovem e inexperiente, enfrentando uma situação implacável. Ele quer sobreviver e repete incessantemente... "Eu caminho vivo no meu sonho estrelado." É uma experiência angustiante. O colonizador sendo colonizado. Tudo bem ambientado e bem situado temporalmente. As paisagens africanas, os costumes, o colonialismo, a inutilidade da guerra com a perda de tantas vidas, intensificadas pelos sons e trilha sonora. As doenças típicas do local, como a malária, poderiam justificar a febre e os delírios. Sempre fica a dúvida, tudo aquilo aconteceu realmente? Prepare-se para um estado de transe. Mosquito fala principalmente de inocência da juventude e suas ilusões, do amor à Pátria e da dura realidade da guerra.

Postar um comentário

últimas resenhas e críticas

Acompanhe no Instagram

© Seja Cult. Design by FCD.