21.10.20

Mamãe Mamãe Mamãe

Mamãe Mamãe Mamãe || Estreia em breve 

 Crítica por Helen Nice 

 

Imagem: Sol Berruezo Pichon-Riviere

 

A jovem cineasta Sol Berruezo Pichon-Riviere dirige e assina o roteiro deste drama que enfoca o universo feminino e foi apresentado no Festival de Berlin, recebendo a menção especial do Juri Generation Kplus. O filme chega agora à Mostra Internacional de Cinema de São Paulo que começa dia 22/10. O enfoque central da história se baseia na morte da pequena Erin que após chamar várias vezes por sua mãe, que está trancada no quarto, vai brincar sozinha na piscina de casa e o pior acontece. A tragédia marca profundamente a vida da irmã de 12 anos, Cleo que é deixada em casa sob os cuidados da tia e suas três primas de 15, 12 e 07 anos, Leoncia, Manuela e Nerina. A mãe entra em profunda depressão ao pensar que a filha morreu por negligência sua. Todo este universo de mulheres, de idades distintas, enfrentará o luto de maneira particular e a narrativa que se seguirá irá nos envolver na tragédia, mas sem exageros ou apelos dramáticos em excesso. 

 

O foco central será Cleo que além do luto e da falta da irmã vai entrar em um período de grandes dúvidas e questionamentos com a chegada da primeira menstruação. O roteiro consegue juntar diversas questões femininas em uma única obra. Angustias, ausências, períodos de vida, cobranças pessoais. Difícil para Cleo encarar que a vida continua e pulsa em seu corpo, apesar da ausência da irmã e do distanciamento da mãe. Uma das primas também faz aniversário, com bolo e bexigas, um contraste de felicidade em um momento de pesar. 

 

Imagem: Sol Berruezo Pichon-Riviere

 

São tantas questões femininas que permeiam a existência destas mulheres, cobrando maturidade a qualquer preço. Cleo terá que abandonar a infância e a inocência de forma brusca. As fantasias das primas ao fazer o enterro do bebê não nascido com a menstruação mostra como a infância e o lúdico ainda está presente. O beijo treinado no tomate denota inocência. As jovens precisam se unir para fortalecer suas identidades. Apesar dos traumas e feridas, as meninas se mostram mais fortes e responsáveis que as mães. O medo de perder a outra filha traz a mãe de volta à realidade. A chegada da avó simboliza, em última instância, o porto seguro. 

 

Mamãe Mamãe Mamãe - como sempre chamamos nos momentos de aflição - é uma obra profunda, que provoca grandes reflexões. Sexualidade e suas descobertas, as mudanças no corpo, o medo do desconhecido, as fantasias, o enfrentamento das perdas que certamente virão com o tempo. O feminino visto por seus próprios olhos, apresentando as múltiplas questões que perpassam o universo da mulher desde a mais tenra idade. A transição faz parte da vida da Mulher desde sempre! No elenco temos: Augustina Milstein, Chloè Cherchyk, Camila Zolezzi, Matilde Creimer Chiabrando e Siumara Castillo.

Postar um comentário

últimas resenhas e críticas

Acompanhe no Instagram

© Seja Cult. Design by FCD.