19.10.20

A Última Jornada

A última jornada || Disponível nas plataformas digitais

Crítica por Helen Nice 

 

 

Imagem cedida pela A2 Filmes


Esta produção do Reino Unido, escrita e dirigida por Perry Bhandal chegou às Plataformas Digitais recentemente como mais uma opção para os amantes de distopias. No elenco temos: Luke Goss (Jay), Flynn Allen (Sira), Peter Guiness (Sarcedote), Matilda Freeman (Lilly), Jennifer Scott (Jesse) e Aneta Piotrowska (Mãe de Sira). O enredo fala sobre uma mãe moribunda que envia seu filho, munido de um misterioso artefato e um mapa, em uma jornada para encontrar um lugar especial que concede desejos. O filme já começa nos apresentando uma citação de The Great Wagon do poeta sufi Rumi. Este início nos dará a linha que a trama seguirá, tendo uma visão mais espiritual que propriamente apocalíptica. 

 

Não espere por grandes eventos, tragédias, sangue, mas sim, se prenda a ideia de um roteiro que deve ser interpretado nas suas sutilezas e nuances. Vá além do óbvio! Esta será uma jornada de auto conhecimento e superação interior. Aqui o inimigo, que é o vento, pode ser visto como um ser imprevisível, de caráter não domável ou previsível, que não pode ser explicado, algo como a morte ou o medo do desconhecido. A salvação encontra-se em um lugar mágico, um campo, espécie de Xangri-lá, onde os sonhos e desejos se realizam. A imagem do local lembra um círculo de pedras. Deduza por si próprio onde poderia ser! O vento, suposto inimigo a ser evitado, realmente mata as pessoas? Elas se transformam em estátuas que se dissolvem, mas haveria a possibilidade de encontrá-las no lugar que realiza desejos? Cada um tem um motivo pessoal para fazer a jornada. O garoto quer reencontrar a mãe, a garotinha deseja rever o pai, a cientista quer seu mundo e amigos de volta, o atirador quer sua esposa. A linha religiosa é tênue e cabe ao público decifrá-la. 

 

O filme lembra Birdbox, Um lugar silencioso, The Rain...Mas este filme é original ao provocar as dúvidas e deixar a cargo do espectador encontrar suas respostas. A esperança está no mapa e no lugar mágico. O poema de Rumi diz; "Além do Bem do Mal, há um campo em que encontrarei você lá." Um filme peculiar, daqueles - ame-o ou deixe-o! O fato é que o roteiro não é óbvio. Confira e tire suas próprias conclusões. Disponível nas versões dublada e legendada em NOW, Looke, Microsoft, Vivo Play, Google Play e Apple TV.

 

Postar um comentário

últimas resenhas e críticas

Acompanhe no Instagram

© Seja Cult. Design by FCD.