Slider

Infiltrado na Klan

28.4.19

Infiltrado na Klan || Disponível nas plataformas digitais
Crítica: Bárbara Ellen


O filme Blackkklansman que aqui foi traduzido para Infiltrado na Klan já chama atenção no título pelo fato de se tratar da Ku Kux Klan, mas esse definitivamente não é o assunto principal do filme. A história diz que em 1978, Ron Stallwortk (Interpretado por John David Washington), um policial negro do Colorado, consegue se infiltrar na Ku Kux Klan local através de telefonemas para outros membros do grupo fingindo ser um homem racista branco que queria fazer parte da “organização” (que é como eles chamam no filme). Quando tinha que comparecer aos encontros pessoalmente para provar que concordava com os ideais do grupo, e participar das reuniões, ele enviava o policial judeu Flip Zimmerman (Interpretado por Adam Driver, de Star Wars).

No começo quase ninguém dava muita credibilidade para a investigação, porque esse tipo de investigação não era muito importante se comparada a outras menores. Até que Ron e Flip conseguem chegar aos níveis mais altos da seita e conseguem conversar com David Duke (Topher Grace) e fazê-lo acreditar que são o homem mais honrado para ser o novo líder do Klan. Ainda temos o privilégio de ver a personagem Patrice (Laura Harrier) participando ativamente e se mostrando superimportante para o movimento dos direitos civis dos negros nos EUA, que aconteceu na década de 70. Dando uma visão diferente para Ron sobre o que estava acontecendo e o fazendo enxergar quem ele era de verdade.


O filme tem tantas partes importantes para serem citadas. Flip pensando pela primeira vez em sua origem judia, Ron se descobrindo mais do que apenas um policial negro, a segregação que acontece até os dias de hoje. Também nos mostra como uma seita racista disfarçada de discurso nacionalista consegue mudar a cabeça das pessoas e fazerem acreditar que tudo bem ter um pensamento como esse e que é até “patriota” de certa forma. Eu particularmente fiquei muito impactada ao assistir, tem muitos ganchos para outros filmes e a fotografia desse filme é incrível. Ter sido baseado em fatos reais só dá mais crédito ainda ao diretor. Acredito que Spike Lee conseguiu fazer um dos trabalhos mais importantes desse tempo para o cinema e de sua carreira.

Alerta Spoiler, se não quiser estragar a sua experiência não leia o trecho a seguir. Por fim, Spike Lee decide mostrar cenas reais de Charlottesville em 2017 onde neo- nazistas tomaram as ruas para protestar contra negros e quaisquer pessoas que consideravam inferiores. Ainda mostra como o atual presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, deu espaço para que novamente o preconceito e o racismo tomassem conta das ruas e alegou que “nem todas as pessoas que estavam presentes no protesto eram pessoas ruins” ao mesmo tempo em que em outro lugar pessoas eram atropeladas, feridas e David Duke voltava para as ruas. Fim do Spoiler.

O filme tem um humor bem característico ao mesmo tempo que nos faz refletir sobre discursos ainda presentes na nossa atualidade disfarçados de moralismo e patriotismo. No fim, ainda temos muito o que fazer para acabar de vez com esse tipo de postura.

Nota pro filme: 10/10
Recomendação: Já era pra você ter assistido.

Um comentário:

  1. eu ADOREI esse filme, da leva que assisti de filmes do oscar esse com certeza foi um dos melhores, super bacana a indicação por aqui pq mesmo hj em dia ainda precisamos lutar contra o absurdo do preconceito

    www.tofucolorido.com.br
    www.facebook.com/blogtofucolorido

    ResponderExcluir

Theme Designed By Hello Manhattan

Your copyright

Seja Cult - Todos os direitos reservados.