Destaques

Receba as atualizações do site por email!

13/09/2018

O Predador

O Predador || Classificação: ★★★ (Bom) || Estreia em 13 de setembro de 2018
Texto: Alan David


Em uma missão corriqueira, Quinn McKenna (Boyd Holbrook) se depara com um Predador que acabou de chegar do espaço. O exército liderado por um agente perigoso, interpretado por Sterling K. Brown, não quer que essa história vaze e manda Quinn junto com outros ex-militares com problemas psicológicos para tirá-lo de circulação. Mas a chegada de outro Predador, somado ao equipamento de um deles que vai parar nas mãos do filho de Quinn (interpretador por Jacob Tremblay), vai dar origem a uma caçada envolvendo não só os monstros do espaço como também os homens do governo atrás da tecnologia alien. Com direção de Shane Black (Homem de Ferro 3), O Predador é a volta de uma grande franquia que fez sucesso nos anos 80 com Arnold Schwarzenegger, agora repaginada para os dias atuais e com bem mais sangue.

Primeiramente, os efeitos estão grandiosos. As cenas de sangue são bem fortes, quando começa a ação é pra valer. Já o roteiro fica meio indeciso no que seguir. A história começa bem aleatória já incluindo o protagonista contra o Predador, entregando o plot de como vai ser a caçada. Só que alguns elementos a mais acabam dando uma confundida. Primeiro a inclusão do filho de Quinn como sendo um gênio (impressionante como todo filme Jacob Tremblay só faz criança diferente) e forçando uma importância na conexão com os assassinos do espaço, e segundo como a trama parece dar mais importância a caçada do exercito aos mocinhos do que aos Predadores, que são meio que deixados de lado para depois, bruscamente, inclui-los como a ameaça real e imediata.


A ideia de mesclar humor e ação não surte efeito no começo. Só após a inclusão do grupo de desajustados que realmente o filme fica mais humorado e agradável. Você acaba se apegando a todos do grupo, pois o roteiro dá espaço para eles aparecerem, mesmo que pouco, e isso é o suficiente para você se importa com eles. Ainda temos a Olívia Munn, que sinceramente está ali por estar e em muitos momentos me lembrou a Megan Fox em Transformers fazendo caras e bocas e precisando ser salva toda hora. No caso de filmes de ação como esse, a parte de ser salva é apenas uma camada para os personagens caírem na porrada. Nisso funciona. E fechando a parte do elenco, o Sterling K. Brown foi um desperdício de talento, dava para ter uma jornada melhor.

Mesmo com esses problemas, o filme não é cansativo pois tudo prima para um ritmo frenético. Quando consegue encaixar o humor, o longa fica mais dinâmico e rápido. Em um momento, eles tentam dar uma gravidade ao motivo dos Predadores voltarem à Terra, mas nada que consigam explorar, pelo menos por enquanto já que tudo indica que terá continuação. Algumas coisas ficam no vácuo, mas entende-se a ousada proposta de incluir tantos personagens e trabalhar uma camada de cada vez. Uma melhor condução para explorar mais os caçadores traria uma sensação de ameaça real e imediata. Você se diverte ali, mas não vê grandes consequências. O Predador é um filme de ação com toques de humor, com tiradas boas e ruins, meio que a marca de Shane Black como visto em Homem de Ferro 3. Só que aqui é menos forçado.

No mais, os efeitos como dito no começo são muito bons. Uma produção grandiosa, investimento alto, e mesmo se passando quase todo à noite, você consegue enxergar bem. As cenas de mortes são fortes mesmo, com sangue espirrando para todo lado, mas mesmo assim o 3D não compensa. A ambientação é boa e a trilha acompanha bem cada perigo das cenas. Ao final, você tem a sensação de assistir um filme de ação divertido no que se propõe, com decisões de roteiros que não são desastrosas, mas que também poderiam ser melhores conduzidas. Para o retorno da franquia precisava de mais impacto. Mesmo assim, dá para se divertir descompromissadamente com o longa; ficou bom.

Comentários via Facebook

0 comentários:

Postar um comentário

últimas resenhas e críticas

© Seja Cult – Tema desenvolvido com por Iunique - Temas.in