Destaques

Receba as atualizações do site por email!

14/02/2018

Três Anúncios para um Crime

Três Anúncios para um Crime || Classificação: ★★★★ (Ótimo)
Estreia em 15 de fevereiro de 2018 || Texto: Murilo Maximiano || Revisão: Kamila Wozniak

"E é assim que se usa humor negro numa trama emocionalmente pesada e carregada de maneira eficiente."


Munido de personagens complexos e de uma protagonista inacreditável, o filme se mostra como algo denso e divertido ao mesmo tempo, nessa mescla estranha de situações absurdas e outras extremamente pesadas. É aqui que se vê a importância de personagens bem construídos e de um universo bem engendrado. Inconformada com a ineficácia da polícia em encontrar o culpado pelo brutal assassinato de sua filha, Mildred Hayes (Frances McDormand) decide chamar atenção para o caso não solucionado alugando três outdoors em uma estrada raramente usada.

A inesperada atitude repercute em toda a cidade e suas consequências afetam várias pessoas, especialmente a própria Mildred e o Delegado Willoughby (Woody Harrelson), responsável pela investigação. Mildred Hayes é o foco claro das atenções e incorpora em si todas as características do longa. É turrona, de respostas rápidas e secas, forte e bastante amorosa ao seu jeito. McDormand atua aqui beirando a perfeição e não me espantaria que levasse o Oscar - na verdade, estou aqui na torcida, as frases, respostas, jeito de andar, a força etc.


Tudo sai tão naturalmente dela, transbordando a personagem incrível que vemos diante de nós em cada olhar. Sem o maniqueísmo, sem bom ou mal, assim como todos no filme, ela é uma pessoa falha que inclusive faz coisas horríveis e outras incríveis. Personagem tridimensional, no final das contas. O longa consegue nos fazer nos importarmos com cada coadjuvante, do delegado Willoughby a até mesmo o policial agressivo e idiota Dixon (Sam Rockwell). Isso acontece pela profundidade e complexidade de todos ali, os personagens se conhecem, interagem entre si como velhos amigos e inimigos, algumas coisas são citadas e nunca explicadas, não é o foco do longa.

Apenas a criação de universo e somos apenas visitantes naquela cidade. O filme caminha pelas diversas peripécias de Hayes em sua luta para manter seus três cartazes e fazer a polícia trabalhar e encontrar o assassino/estuprador de sua filha. Nesse desenrolar, entendemos os meandros do caso e a relação dos personagens, vendo arcos de desenvolvimento da protagonista e também dos coadjuvantes. Lidando com situações realmente pesadas e personagens tão cativantes, o humor negro cabe como uma luva no andamento e ritmo do filme. A verdade é que, esse é um daqueles filmes que fazem suas emoções dançarem de uma coisa a outra e sua atenção se manter plena na tela.

Comentários via Facebook

0 comentários:

Postar um comentário

últimas resenhas e críticas

© Seja Cult – Tema desenvolvido com por Iunique - Temas.in