Destaques

Receba as atualizações do site por email!

15/01/2018

Quando te conheci

Eu já queria ver esse filme a muito tempo. O plot dele lembra a trilogia Delírio, da autora Lauren Oliver, que adorei ter lido. Nos livros o amor é tratado como uma doença e precisa ser curado; no filme Quando te conheci o plot é mais ou menos esse. O filme fala de um mundo distópico onde as emoções são contidas e o contado físico proibido. Tudo é muito perfeito, tranquilo, as pessoas são controladas e não existe agitação. Só que alguns habitantes desse mundo, por alguma razão que não é muito bem explicada no filme, desenvolvem sentimentos.


Quando as pessoas começam a sentir, elas iniciam um tratamento com inibidores de emoções, porque ainda não existe uma cura. Esses inibidores tratam os sintomas inicias que são as sensações, de euforia, paladar aguçado, o olhar diferente e não apático para o mundo a sua volta. Isso é feito em estágios, quando se chega ao estágio 4 as pessoas são separadas do convívio com a comunidade e induzidas ao suicídio. O filme acompanha o casal Silas e Mia. O Silas desenvolve o SOS, que é o nome dado para as pessoas que sentem, e começa um relacionamento com a Mia. Não é difícil de imaginar o problema que os dois vão enfrentar, né?

Essa ideia do amor como doença me atrai bastante, porque nós somos movidos por emoções, seja o excesso ou a falta dele. Quando tratam isso como uma doença é como se os autores e diretores quisessem dizer que o problema da humanidade, o mundo estar do jeito que está, são os sentimentos. Então o mundo que o Drake Doremus, diretor de Quando te conheci, criou não tem guerra, fome, desentendimento nem nada que impeça as pessoas de viverem umas com as outras em paz. Não tô querendo dizer que eu concordo com a ideia, só que acho interessante resumirem todos os problemas em uma única causa: o amor.


Para esse mundo sem agitação, as roupas dos personagens são mais claras; eles usam uma espécie de uniforme, comem perto um do outro mas sem contato. Eles trabalham, mas não possuem motivação para acordar cedo já que não apresentam vontade, seja de crescer na carreira, mudar de cidade ou coisas assim. Tanto que o começo do filme apresenta a rotina do Silas fazendo a mesma coisa todos os dias e isso cansa quem assiste. Aliás, o longa reflete o que quer passar, uma narrativa mais calma, parada, com momentos de vivacidade só quando o Silas e a Mia estão juntos. Torço para que tenha sido proposital essa minha reflexão.

Quando te conheci também não tem trilha sonora marcante ou um visual muito bonito, tudo é muito limpo e simples. Em relação as atuações, eu gosto do Nicholas Hoult e da Kristen Stewart, eu sei que a maioria detesta as atuações dela, mas eu achei super ok. E não é porque ela não tem expressões e o filme falar exatamente sobre isso. No fim eu achei um bom filme, mas adianto que ele não tem altos e baixos e foca no romance, já que ele quer mostrar que o amor não é o culpado de tudo. Se no fim ele vence ou não, só assistindo para saber. E ah, ele está disponível na Netflix.

Comentários via Facebook

0 comentários:

Postar um comentário

últimas resenhas e críticas

© Seja Cult – Tema desenvolvido com por Iunique - Temas.in