Jogos Mortais: Jigsaw

29/11/2017

Jogos Mortais: Jigsaw || Classificação: ★★ (Regular) || Estreia em 30 de novembro de 2017
Texto: Murilo Maximiano || Revisão: Kamila Wozniak


Chega um momento onde toda franquia deveria saber onde parar. Isso era verdade para Jogos Mortais até agora, quando a simples vontade de fazer dinheiro reviveu porcamente a tão famosa e cheia de fãs da série de filmes. O resultado só demonstra como apenas usar uma fórmula e elementos já conhecidos nunca leva a algo bom. Depois de uma série de assassinatos, todas as pistas estão sendo levadas a John Kramer (Tobin Bell), o assassino mais conhecido como Jigsaw.

À medida que a investigação avança, os policiais se encontram perseguindo o fantasma de um homem morto há mais de uma década. Essa infeliz sequência tem tudo que os outros filmes da franquia sempre tiveram, Tobin Bell, corpos dilacerados, um tema investigativo, a plot twist ao final… Mas tudo parece feito de maneira preguiçosa, o roteiro inclusive foi feito apenas para amarrar alguns fan-services e referências em tentar reproduzir uma fórmula que, depois de 12 anos, não funciona tão bem.


 A inventividade do primeiro filme da série não estava apenas no terror de corpos partidos num sadismo perverso. Havia um tom investigativo instigante, havia um vilão com motivação e uma distorcida noção de moral, o filme não era apenas um “O Albergue”. Aqui, o filme parece parodiar a si mesmo, trazendo os mesmos elementos, porém jogados de qualquer maneira e amarrados com uma linha porca. Jogos Mortais: Jigsaw não é necessariamente um filme horrível, possivelmente pode divertir e trazer nostalgia aos fãs.

O longa é apenas uma versão pálida da mesma franquia, um caça-níquéis feito como uma cópia frágil apenas para agradar quem sempre acompanhou Jogos Mortais. O terrível é imaginar que daí pode sair mais uma franquia, isso sim é ruim.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Tecnologia do Blogger.