Príncipe Partido || Erin Watt - The Royals #2

22/09/2017


Príncipe Partido vai começar com a narrativa da cena final de Princesa de Papel pelo ponto de vista do Reed. A cena desencadeou várias situações ligadas a Ella, que eu não vou comentar para não dar spoiler. Só vou dizer que isso será resolvido na metade do livro e que até lá, ela se mostrará firme e forte na sua decisão de dar um tempo da família Royal. O relacionamento da Ella com o Reed passará por algumas provações, e até uma situação física, ao longo da leitura. Mas só para deixar no ar: juntos ou separados, eles estão mais fortes.

Como comentei acima, agora o Reed também narra junto com a Ella. E o que eu achei interessante, é que a voz dos dois personagens é muito parecida. Geralmente, quando é um homem narrando os autores enfatizam detalhes que associamos ao gênero, os homens pensam mais em sexo e são práticos, por exemplo. O Reed narra sem esses detalhes estereotipados, o que acabou deixando ele parecido com a Ella. Não foi um detalhe que me incomodou e isso é só uma coisa que eu reparei.

Antes de fazer essa resenha eu li a de Princesa de Papel, que tá linkado lá embaixo, e é engraçado como alguns pontos tomaram proporções diferentes nesse segundo. A relação do Callum, pai dos meninos, com os filhos melhorou um pouco, mas ainda é estranha. Eu digo que melhorou porque agora ele volta, mesmo que aos poucos, a participar da convivência com os quatro que moram com ele.

Eu tinha passado os últimos dois anos tentando destruir tudo ao meu redor. Quem poderia imaginar que o sucesso teria um gosto tão amargo.


O Callum vai a jogos, fica sabendo que a Ella está sendo vitima de bullying e tenta ajudá-la, mais para o fim a gente fica sabendo que ele assume uma responsabilidade que não é sua para ajudar um dos filhos. Então eu acho que a tendência dessa relação do Callum com os filhos é a de se restabelecer um pouco a cada livro. Lá no final da série eles devem se entender melhor do que quando a estória começou.

Essa parte do Callum com os meninos está diretamente ligada a outra situação que eu só me dei conta com Príncipe Partido. Todos os homens Royals que vivem com a Ella, estão transferindo a relação que eles tinham com a mãe, os filhos, e esposa, Callum, para ela. É como se a Ella representasse a mãe e esposa, a pessoa que cuida de saber se está todo mundo bem, indo para a escola, a que administra as situações complicadas que os meninos se metem.

Isso torna as coisas um pouco esquisitas, em alguns momentos a Ella age nessa posição de mãe e esposa, o que contraria o relacionamento dela com o Reed. Isso não é um erro da autora, é mais a ideia de uma situação que acontece na vida real. Você tem seis homens que sentem falta de uma figura feminina e do que ela representa, que quando uma nova mulher entra na vida deles, eles apenas transferem o que acontecia antes para agora.

Ele usa o sexo para punir a si mesmo e aos outros. Está seguindo o legado deixado para ele por pais fracos, mas existe uma luta dentro dele, e foi essa luta que me chamou atenção.


As relações bizarras que eu descrevi no livro anterior aqui estão elevadas ao quadrado. A estória dessa série me lembra novela mexicana com uma pitada de Gossip Girl, já que muito se passa na escola e tem brigas entre meninas ricas, um armando pra cima do outro e por ai vai. Vários relacionamentos e segredos se desenvolvem dentro dessa casa, casais que não deveriam existir, segredos horríveis, pessoas cheias de problemas é só a pontinha da bomba que é essa família. Eu gostaria muito de ver todos os Royals bem, todas essas questões resolvidas com finais feliz, mas tenho duvidas se isso vai mesmo acontecer.

Sobre o final. Princesa de Papel termina com um cliffhanger imenso, que é solucionado no começo desse livro. Dai, não satisfeita com um, a autora termina Príncipe Partido com dois cliffhangers. E gente, são duas coisas cabeludas para serem resolvidas. Como a Planeta não está demorando para lançar os livros, e lá fora a série está no quarto, eu acredito que o mais tardar no começo do ano que vem o terceiro está em nossas mãos.

Eu gostei muito dos dois livros, mas para esse eu dei cinco estrelas no skoob. Não é que eu ache esse melhor do que o primeiro, os dois são bons, só que o Reed narrando solucionou alguns segredos e criou novos. A Ella contando tudo seria uma visão de fora, o Reed é um Royal, então ele sabe das coisas. A escrita da autora continua instigante, e ela acrescentou muito coisa para ser resolvida no último. Espero que ela tenha amarrado todas as pontas soltas e feche tudo com chave de ouro.

Minha relação com ele é... complicada. Nem eu consigo entender direito. Só sei que eu o compreendo em um nível mais profundo, que a perda dele se conecta com a minha.

www.sejacult.com.brPríncipe Partido - The Royals # 2
Erin Watt - Jen Frederick Elle Kennedy
Editora Essência: Facebook

Resenha do primeiro livro:
Princesa de Papel

Adquira o livro nos seguintes links e ajude o site:
Amazon/Saraiva/Submarino/Americanas/Cultura/Travessa/Livraria da Folha

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Tecnologia do Blogger.