Últimos Dias em Havana

30/08/2017

Últimos Dias em Havana || Classificação: ★★★ (Bom) || Estreou em 24 de agosto de 2017 
Texto: Murilo Maximiano || Revisão: Kamila Wozniak


Havana, capital de Cuba, a cidade parada no tempo, decadente em si própria – e em seu sistema – e cheia de um afetuosidade do calor humano. É isso que Últimos Dias em Havana tenta capturar, um retrato cômico, dramático e pungentemente real da cidade, de seu povo e de personagens tão cativantes da própria Cuba.

O filme gira em torno de dois personagens protagonistas, Miguel (Patricio Wood) e Diego (Jorge Martínez). O primeiro parece ter desistido da vida e tem em seu horizonte apenas se mudar para os EUA e cuidar de seu amigo, o segundo, extremamente vivo e definhando por causa da AIDS. É interessante que ambos personagens são paradoxos por si só que se complementam, Miguel parece sempre bucólico e desanimado, mas se mantém fiel ao grande sonho para o futuro, já Diego é sempre vívido é bem humorado, mas em suas piadas é possível sentir a melancolia de alguém condenado a morte.


Essa dualidade presente nos personagens ecoa por toda a cidade. Um lugar de pessoas que vivem o dia com calor e otimismo, mas que parecem transbordar a falta de perspectivas de vida. Interessante que essa noção é passada de maneira belíssima por várias cenas que mais parecem documentários, onde a câmera acompanha Miguel pela cidade enquanto captura as pessoas vivendo seu dia a dia. É assim, de maneira intimista e verdadeira, que o filme constrói aos poucos a cidade e faz ela ser viva, transmitindo por si só o tema do próprio filme, essa mesma dualidade entre vida e morte presente nos protagonistas.

Recheado por vários personagens, trazendo histórias e vivências que dão um tom de dia à dia. Ao final, o otimismo que transborda dessas personas é derrubado um a um num monólogo fortíssimo e emocionante que conclui de maneira brilhante toda a obra. A beleza das relações e a alegria do dia a dia escondem a tristeza e o desespero da falta de perspectivas. Quem mesmo tinha AIDS?



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Tecnologia do Blogger.