Corra!

15/05/2017

Corra! || Classificação: ★★★★★ (Excelente) || Estreia em 18 de maio de 2017 
Texto: Murilo Maximiano || Revisão: Kamila Wozniak


Com certeza um dos melhores filmes do ano, Corra! que consegue causar tensão, desespero e, ao final, uma angústia muito intensa, se mostrando muito eficaz em causar as sensações que um terror – ou suspense – deveria. Mas o que torna tudo ainda melhor é o teor crítico por trás do longa, discutindo o tema do racismo de maneira impactando.

Chris (Daniel Kaluuya) é jovem negro que está prestes a conhecer a família de sua namorada branca Rose (Allison Williams). A princípio, ele acredita que o comportamento excessivamente amoroso por parte da família dela é uma tentativa de lidar com o relacionamento de Rose com um rapaz negro, mas com o tempo, Chris percebe que a família esconde algo muito mais perturbador.

Muito perturbador mesmo! O filme trabalha as suspeitas de que há algo de errado com a família ao longo do desenrolar da trama de maneira muito assustadora e inquietante. O que de início parece uma família branca tradicional racista se desenvolve aos poucos para algo que vai causar uma angústia tremenda no espectador, com os detalhes de que há algo de muito estranho, bem além de puro racismo acontecendo ali.


As atuações estão todas excelentes e é um dos pontos altos do longa. Os empregados (negros) demonstrando uma forma inquietante e extremamente estranha de agir – menção especial às cenas onde Chris os confronta diretamente e recebe as reações mais bizarras possíveis. Seguindo nessa linha, os pais Dean (Bradley Whitford) e Missy Armitage (Catherine Keener) parecem de início apenas duas pessoas batalhando para não deixar aparentar racismo, e nos faz até pensar se realmente há mais que isso, até o desenrolar da trama.

Daniel Kaluuya faz um ótimo trabalho ao nos entregar um personagem verossímil e não estereotipado. Não está presente nele todos os trejeitos comumente associados a afro-americanos, algo bem explorado pelo longa e que gera situações desconfortantes – o famoso “você joga basquete?”, “não”. Algo inesperado e que não pode deixar de ser citado é o personagem de Lil Rel Howery, Rod, que funciona como melhor amigo de Chris e alívio cômico. Inesperado isso porque é difícil encontrar um filme de suspense com um personagem de comédia em que o clima consegue ser mantido, ponto para o diretor Jordan Peele (Os Muppets, Cegonhas).


Ponto da direção ainda nos belíssimos enquadramentos, cenas onde a câmera age como um olhar próximo ao do protagonista, nunca revelando demais. Outras cenas onde a composição, a movimentação e o plano em si demonstram uma sensibilidade estética rara em filmes de terror – nos lembrando de outras obras geniais do gênero. A trilha sonora em alguns momentos inquietante e em outros tranquila, casa com o filme de maneira incrível. Criando não apenas o clima do longa, mas nos situando também no local que estamos (uma fazenda afastada de tudo no interior dos Estados Unidos).

Corra! é um filme complexo de se descrever, daquelas obras que no instante em que se está assistindo se percebe que está de frente para algo que vai deixar sua marca no cinema. Ao final, a sensação angustiante permanece de uma maneira que poucos filmes conseguem fazer. De fato, uma obra genial que vale a pena ser conferida.




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Tecnologia do Blogger.