Simplesmente o Paraíso || Julia Quinn - Quarteto Smythe-Smith #1

10/03/2017


Quando começaram a anunciar que a série do Quarteto Smythe-Smith tinha relação com Os Brigertons eu fiquei um pouco preocupada, porque parei no quinto livro da primeira série da Julia lançada pela Arqueiro. Mas antes que as pessoas se desesperem, não senti falta de ter lido a série toda para acompanhar esta nova. Apenas um personagem, que tem relação com a outra série, é citado e isso não tem uma importância tão significativa nesse primeiro livro.

Ele começa a estória de quatro jovens solteiras que todos os anos se apresentam em um recital horrendo. Nenhuma delas sabe tocar e mesmo assim o evento acontece anualmente. O interessante é que o quarteto é sempre renovado quando uma delas se casa.

Simplesmente o Paraíso é sobre a Honoria e o Marcus, que se conhecem desde de pequenos, mas nunca sentiram nada mais do que amizade um pelo outro. Quando o irmão de Honoria, Daniel, parte da Inglaterra em uma situação pouco confortável, ele deixa Marcus incumbido de encontrar um bom partido para a irmã.

Só que parece que ninguém é bom o bastante para ela, até que um acidente junta os dois na casa de Marcus e eles descobrem que podem confiar um no outro e que a amizade pode evoluir para uma paixão. A Honoria é uma moça simples, sem muito destaque na sociedade ou entre os homens. Ela se mostra mais firme quando Marcus fica doente e assume o papel de cuidar dele. Marcus é um personagem tímido, sozinho, que busca encontrar uma família e se depara com essa chance em um relacionamento com Honoria.

O recital anual da Smythe-Smiths nunca era um bom momento para conhecer um cavalheiro, a menos que ele fosse surdo.


Eu gostei muito do livro não ter amor à primeira vista. Os personagens se conhecem desde criança e em alguns momentos do livro relembram situações engraçadas. Essa é uma das marcas dos livros da Julia, a comédia. Eles possuem algumas cenas dramáticas, mas existe uma parte cômica que equilibra as coisas. O relacionamento mesmo acontece mais para o fim do livro, por causa de uma situação que comento a seguir, e não é tão cheio de ternura e suspiros.

Dá quase para dizer que é um romance mais morno, as coisas demoram a acontecer, desviam para outras situações. Em relação as partes sensuais, senti a mão da autora mais leve, com no máximo duas cenas de sexo pouco descritivas. Eu esperava um romance mais arrebatador, quando ele foi uma leitura mais calma.

A única coisa que não gostei no livro, é que a autora se estendeu muito na doença do Marcus. Ela quis fazer o amor nascer do medo de perder e no estar ao lado na doença, que não tivemos muitos cenas dos dois juntos, em situações mais românticas. Novamente, sem cenas fofas.

Eu queria conhecer os personagens mais a fundo, com os dois participando das conversas, e não um convalescendo e o outro o tempo todo pensando em morte. Fora isso, foi um bom livro, que foca no amor que nasce da amizade.

Marcus Holroyd era um ótimo partido. 
Não que ele fosse muito bonito, porque não era… não exatamente. Os cabelos tinham uma bela cor escura, os olhos também, mas havia algo em seu rosto que Honoria achava bruto. 


A estória do irmão da Honoria é mais promissora. Daniel foi banido da sociedade por se envolver em jogos com cartas, teve até duelo... bem tenso a coisa, e por isso passou muitos anos na Itália. Nesse primeiro livro ele retorna, ele e o Marcus, que são melhores amigos, se desentendem no começo, mas fica tudo bem.

Só que paira como que ele vai resolver a questão do juramento de morte. Ainda não li a sinopse do próximo, então não sei quem será o par dele, mas a minha expectativa está bem alta. Ainda prefiro a série dos Brigertons, porém vou continuar lendo e torcendo para que a cada livro melhore ainda mais.

Na última terça, a Arqueiro organizou uma sessão de autógrafos com a Julia em Brasília e tive a oportunidade de levar meus livros para ela assinar. Foi muito tranquilo, ela é de uma simpatia sem tamanho. Comentei que O Duque e Eu era um dos meus preferidos, por ser o primeiro dela que li, e ela disse que isso era bem comum por ser o primeiro contato das pessoas com as suas estórias.

Fica o meu agradecimento à editora pela sessão e a Julia por ter escolhido Brasília para visitar, visto que ela é arquiteta e tinha vontade de conhecer os pontos turísticos da cidade. Volte sempre Julia!!!

Odiava ser o centro da atenções, mas, por Deus, desejava ser o centro da atenção de Honoria.

www.sejacult.com.brSimplesmente o Paraíso - Quarteto Smythe-Smith # 1
Julia Quinn
Editora Arqueiro: Twitter/Facebook
 
Adquira o livro nos seguintes links e ajude o site: 

2 comentários:

  1. Oi Denise,
    Eu amei esse livro!
    Foi um dos últimos que li e já quero emendar a sequencia.
    Julia Quinn arrasa taaaanto, amo a escrita dela.
    Beijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Eu comprei o box mas ainda não li nenhum, os livros tem capas lindas, meio aveludadas e coloridas. Fiquei um tantinho desanima agora que li a resenha e vou esperar que os outros melhorem. De qualquer forma romances de época sempre me divertem.
    abraços
    Gisela
    www.lerparadivertir.com

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.