Resenha: A outra vida #1

28/10/2016


O mundo de Sherry — de uma hora para outra — mudou completamente. Por causa de um vírus muito contagioso, as pessoas que ela costumava conhecer, e quase todas as pessoas de sua cidade, Los Angeles, na Califórnia, se transformaram em mutantes assustadores. Esses mutantes têm uma força excessiva, são ágeis, o corpo é coberto de pelos, eles lacrimejam um líquido imundo e… comem gente!

Portanto, não há muito o que fazer — talvez tentar fugir — quando se encontra algum deles. A não ser que você tenha ao seu lado a força e a determinação de um jovem como Joshua. Joshua perdeu uma irmã para os mutantes e sua raiva é tão grande que ele seria capaz de vingar todos aqueles que perderam alguém para as criaturas. No entanto, para que esta revanche aconteça, é preciso prudência.

Afinal, até que ponto a disseminação deste vírus foi uma coisa realmente natural? Que poderosos interesses estão por trás desta devastação? E será que Joshua e Sherry conseguirão ter a cautela necessária para lutar contra as criaturas justo agora que seus corações estão agitados pelo começo de uma paixão?

Faz 3 anos que o mundo que Sherry conhecia acabou. Um vírus, que transforma humanos em criaturas que comem gente, matou uma parte da população americana e ela e a família estão em um abrigo sem contato com o mundo externo esse tempo todo. Quando o livro começa, a comida no abrigo acabou. O pai e Sherry decidem sair e ver o que sobrou da cidade que conheciam. Mas acontece o pior, o pai de Sherry é pego por essas criaturas e ela acaba sendo salva por Joshua, um garoto safo que é o líder de outro grupo de sobreviventes. Depois de resgatar sua família, a missão de Sherry passa a ser resgatar o pai e Joshua está disposto a ajudá-la.

A narrativa acontece de duas forma, em primeira e terceira pessoa. A primeira pessoa é a Sherry narrando acontecimentos antes desses mutantes aparecerem. No começo eu pensei que isso tinha relação com a narrativa em terceira pessoa, mas não, são memórias aleatórias da "outra vida", antes do caos. A Sherry é a protagonista e ela é uma menina madura para a idade e situação. Imaginem que são seis pessoas em um lugar pequeno, sem noticias do que está acontecendo, então uma lá dentro precisa ter a razão e acaba sendo ela. Esse acontecimento força ela a crescer. O Joshua já é o seu oposto. Ele se vira, procura comida, mata se for necessário. É o líder do abrigo para onde a família da Sherry vai e parte da sobrevivência do grupo depende dele.

Esta cidade não era Los Angeles.Esta era uma cidade morta, como a cidade fantasma no deserto do Mojave, que visitamos alguns anos atrás.Parecia um cadáver, do qual haviam sugado toda a energia.


Confesso que eu não sei dizer se gostei desse livro ou não. Achei a narrativa dele muito rasa, sem aprofundamento nesse caos que a autora propôs para o livro. As respostas caem milagrosamente nas mãos da Sherry, como um dos caras que sabem o que causou a mutação nas pessoas morar no abrigo para o qual ela se muda. Então ela acaba não desvendando as perguntas do livro, elas se mostram para ele e nós, leitores. Fora que as justificativas da autora para esses seres não me convenceu, é muito fora da realidade porque eles não são nem zumbis nem lobisomens. Ficam no meio termo. Dá para classificar A outra vida em literatura no sense, porque tem umas cenas que você fica "não, isso não está acontecendo". Cito, uma senhora vivendo com um cadáver.

Outra coisa precipitada nesse livro é o romance. Eu sou o tipo de pessoa que adoro um romance e só lê livros por causa deles. Sendo assim, é muito difícil eu gostar de um livro que não tenha um casal envolvido. Em A outra vida o romance ficou forçado, o foco da Sherry não era em se apaixonar, mas em salvar o pai. As cenas dos dois são estranhas, fofas, mas não combinam. Eles claramente são mais amigos e confidentes, então eu acho que a autora poderia ter feito um livro maior para dar tempo deles se conhecerem e ficarem juntos. Não tudo assim atropelado. Eles se veem em um dia, dois dias depois rola um beijo e ela já deposita nele todas as suas fichas. Faltou calma na elaboração desse casal.

A leitura de A outra vida não fez diferença nenhuma para mim, não me marcou e nem consigo lembrar de muita coisa dele. Você lê o livro rapidamente, mas descobre as coisas com uma facilidade irritante. O final também não me agradou. A ideia de conspiração não foi bem estruturada para que eu acreditasse nela. O que falta de verdade nesse livro é ele convencer, é a gente ler e acreditar que um vírus pode modificar as pessoas a ponto delas virarem monstros e do jeito que o livro está isso não acontece. Pelo menos comigo não. A minha surpresa foi marcar no skoob que tinha lido esse livro e descobrir que ele tem uma continuação. O livro termina? Sim, mas uma continuação é plausível. O problema é que dificilmente ela será lançada aqui no Brasil.

Enquanto tivesse minha família e Joshua, poderia sobreviver nesse mundo assustador.

www.sejacult.com.brA Outra Vida #01
Susanne Winnacker
Editora Novo Conceito: Twitter/Facebook


2 comentários:

  1. Ual Denise, parabéns pela resenha, mto bacana!
    Conhecia só por nome esse livro, nunca tinha lido nd sobre ele, adorei, vou qrer ler!
    Bjs

    ResponderExcluir
  2. Li esse livro e não lembro de quase nada, mas lembro que terminei e queria saber como continuaria. Sendo que ele parece ser meio avulso, e também acho difícil ser lançada a continuação.

    Clara
    clarabeatrizsantos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.