Resenha: Eu sem você

14/10/2016


Há um ano, conheci o amor da minha vida. Para duas pessoas que não acreditavam em amor à primeira vista, até que Lilah e eu chegamos bem perto de dizer que isso aconteceu conosco. Eu tinha um bom emprego em uma agência de publicidade e não fazia outra coisa além de trabalhar. Era incapaz de tomar decisões sobre meu futuro e minha casa inacabada e não sabia aproveitar a vida. Até conhecer Lilah. 

Lilah MacDonald era uma advogada ambientalista linda e decidida – e, para minha surpresa, detestava usar sapatos. Era uma pessoa tão maravilhosa que é até difícil descrevê-la. Nosso relacionamento não poderia ser mais improvável, mas me transformou profundamente. Comecei a enxergar as coisas de outra forma e a redescobrir antigas paixões. Lilah me ensinou a viver outra vez e a aproveitar ao máximo tudo o que a vida tem a oferecer. Ela me proporcionou momentos incríveis, mas também manteve em segredo algo que partiu meu coração. Ainda assim, se há uma coisa que aprendi com Lilah é que o amor pode curar qualquer ferida. 

Meu nome é Callum Roberts e esta é a nossa história. 

Lilah e Callum se conhecem voltando para casa num dia comum de trabalho. O fato dela tirar os sapatos no meio de uma balsa chama a sua atenção e o irrita na verdade. Lilah contesta esse fato e os dois batem boca o caminho de volta inteiro, até que decidem sair para jantar. Logo de cara Callum percebe que a algo de especial em Lilah, uma vivacidade que ele não possuí a muitos anos. No decorrer do relacionamento ele se apaixona cada vez mais, mas ela reluta em se envolver tanto assim. Lillah esconde um segredo, algo que ela gostaria de ignorar, mas que está tomando conta de sua vida. Quando Callum descobre o que é, sua vida vira de cabeça para baixo e ele vai lutar até o fim para manter o amor de sua vida ao seu lado.

O livro é narrado de duas formas, em formato de diário e em primeira pessoa. Callum é quem conta a estória de fato e a Lilah narra os seus pensamentos. Depois percebemos que isso é uma forma dela lembrar os acontecimentos e deixar algo registrado. O Callum e a Lilah são bastante diferentes. Ela é um espírito livro, advogada ambiental e vegana. Vive com uma aparência mais natural e não gosta de sapatos. Ele já é o metrossexual, todo impecável, organizado e tem o trabalho como a coisa mais importante da vida. Callum é sozinho, tem relacionamentos vazios e a Lilah muda o jeito dele de ver a própria vida. A autora fez a Lilah para ser aquela que desperta a visão de Callum para a vida incrível que ele pode ter.

Essa mulher, que parecia lutar por tudo que acendesse uma chama dentro dela, era a única coisa que tinha acendido uma paixão dentro de mim em anos.


O romance nesse livro é mais maduro. Os personagens estão na faixa dos 40 anos e isso se reflete na falta de cenas mais intensas e amorosas. A conversa é outra, as preocupações são mais consistentes. Enquanto os romance para jovens é focado na descoberta sexual e profissional, o foco aqui é em assentar e ser feliz. Rola também um repensar a vida, o que você fez de importante e realmente valeu a pena. A famosa crise da meia-idade, que pega o Callum de jeito. No decorrer da narrativa, ele percebe a infelicidade que é viver sem aproveitar. O livro não tem cenas eróticas e a Lilah fala como um marinheiro, um detalhe de sua personalidade que a editora manteve.

O que tem nos livros do Nicholas Sparks minha gente? Lágrimas!! E para a Arqueiro comparar esse livro com os do autor, eu já deveria imaginar o que estava por vir. Pelo relato da sinopse, um comentário do Callum sobre a estória dele com a Lilah, percebemos que deve ter algo triste envolvendo ela. Sim, tem mesmo. Eu chorei muito nesse livro, porque a forma de narrar as cenas da doença foram muito simples. Na realidade, a morte faz parte da vida, nós que não sabemos lidar com ela. A autora trouxe uma calma para alguns personagens que ficou muito real e mais triste ainda. Não é algo desesperador, é a vida acontecendo para muitos casais. A angustia maior é em relação ao tempo; todos vão morrer, mas quando? Quanto tempo ainda temos para aproveitar?!

Foi uma leitura boa, apesar de eu ter chorado bastante e não gostar disso. Quem acompanha o site sabe que livros muito dramáticos não me apetecem, por isso que não tem resenhas de A culpa é das estrelas e Como eu era antes de você aqui no site. Eu fico remoendo aquilo dias depois de terminar a leitura e fico mal, então não é o tipo de leitura que eu faça com frequência. A narrativa é boa, se passa na Austrália com a descrição de alguns lugares, os personagens envolvem e não é difícil ter empatia por eles e se ver no Callum. Acho que essa busca pelo que vale a pena é esquecida em muitos momentos, e livros assim nos relembram o que realmente importa.

Você, em toda a sua esquisitice perfeita, é o amor da minha vida. Não posso consertar isso, Lilah, apesar de querer mais que tudo nesse mundo. Mas posso prometer a você que sou seu, não importa o que aconteça a seguir.

www.sejacult.com.brEu Sem Você
Kelly Rimmer
Editora Arqueiro: Twitter/Facebook

3 comentários:

  1. Oii Denise! Tenho lido mtas resenhas desse livro e cada vez venho me surpreendendo...Tenho mta vontade de ler...
    Bjs!

    ResponderExcluir
  2. Olá Denise!
    Adorei sua resenha =)
    Estava querendo comprar esse livro desde que ouvi falar na comparação com o Nicholas. Não tem jeito, sempre acabo caindo nesse tipo de leitura. Mesmo que fique triste depois, mas elas passam umas lições e uns valores que eu acho super válido.
    Com certeza lerei.
    Beijos!

    http://www.booksimpressions.com.br/

    ResponderExcluir
  3. adorei a resenha! estava louca por esse livro e agora mais ainda...

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.