Resenha: Um novo Amanhã - A Pousada #1

03/05/2016


A tradicional pousada da cidade de Boonsboro já viveu tempos de guerra e paz, teve diversos donos e até sofreu com rumores de assombrações. Agora ela está sendo totalmente reformada, sob direção dos Montgomerys, que correm para realizar a grande reinauguração dentro do prazo. 

Beckett, o arquiteto da família, é um charmoso conquistador que passa a maior parte do tempo falando sobre obras, comendo pizza e bebendo cerveja com seus irmãos Ryder e Owen. Atarefado com a pousada, ultimamente nem tem desfrutado de uma vida social decente, mas pretende mudar logo isso para atrair a mulher por quem é apaixonado desde a adolescência. 

Depois de perder o marido na guerra e retornar para Boonsboro, Clare Brewster leva uma vida tranquila cuidando de sua livraria e dos três filhos. Velha amiga de Beckett, ela volta a se reaproximar dele ao ajudar nos preparativos da pousada. Em meio a essa apaixonante reconstrução, rodeados de amigos, Beckett e Clare passam a se conhecer melhor e começam a vislumbrar um futuro novo e promissor juntos. 

Neste primeiro livro da trilogia A Pousada, Nora Roberts apresenta o romântico Beckett Montgomery, que, ao buscar realizar o sonho de sua família, acaba deparando com um amor que pensava estar esquecido. 

Ah eu e Nora não estamos na mesma sintonia. Difícil dizer isso, mas depois de duas séries iniciadas e pouco envolvimento, não tenho certeza se ela será uma das minhas próximas escolhas quando livro novos saírem. Mas antes de adiantar a razão de não ter gostado desse livro, vamos ao começo. Um novo amanhã é o primeiro livro de uma trilogia sobre os irmãos Montgomerys; cada livro será sobre um irmão e esse é sobre o Beckett. Os três moram numa pequena cidade dos Estados Unidos chamada Boonsboro e cuidam da reforma de uma pousada, por isso o nome da trilogia. Não sei identificar no que cada um trabalha, mas o Beckett seria o marceneiro, ou 'faz de tudo um pouco'.

Ele sempre nutriu uma paixão pela Clare Brewster, mas muito jovem ela se casou com um militar e saiu da cidade para segui-lo. Agora, viúva, ela está de volta cuidando de sua livraria quando percebe o interesse de Beckett. No começo ela terá medo, pois tem três filhos e uma vida tranquila, mas Beckett é insistente e consegue chegar ao seu coração. Com os avanços do romance os dois precisarão decidir se estão realmente prontos para deixar suas vidas tranquilas para trás e embarcar num envolvimento sério e que afeta não só a eles, mas também os filhos de Clare.

A sugestão da premissa, do titulo, etc, é que esse livro é um romance, uma estória de amor e tal, só que tem pouco envolvimento da parte do casal. Como primeiro de uma trilogia, a autora tem que apresentar os personagens, os irmãos no caso, e qual será a temática dele, a reforma da pousada. O enredo se foca, muitas vezes, em outros assuntos que não o casal, então para mim o romance entre a Claire e o Beckett deixou a desejar. Isso resultou em um livro corrido nessa parte; um belo dia rola quase um beijo, no outro estão saindo e por fim ele já está comprando cachorros para as crianças. Não teve um trabalho em construir uma estória sabe? Em envolver o leitor com essa proposta, por isso o meu descontentamento.

Já queria ficar com você mesmo quando não tinha esse direito. 


Outro ponto que me incomodou é que esse livro não passa a sensação de realidade, embora tudo nele grite isso. É um livro perfeito demais, com personagens certinhos, a vida bonitinha, todos amiguinhos... não cola. Mesmo quando coisas ruins acontecem é com um tom bonito, de que tudo dará certo nessa cidade polvilhada por pó de fada. Dai, a autora para tentar quebrar um pouco todo esse arco-íris, coloca um personagem para separar os dois só que nem isso é bem trabalhado. Ela coloca o cara para pressionar a Claire no começo do livro, depois some com ele em mais da metade e o traz de volta no final, no que seria o grande ápice. Mas não caiam nessa, o livro todo é parado, sem grandes acontecimentos.

Acabei me atrapalhando ao falar do que não gostei que até passei por cima dos personagens. O livro é narrado em terceira pessoa e a Claire é a protagonista feminina, sendo o Beckett o masculino. Ela é uma mulher tranquila, amorosa com os filhos, que já viveu o seu grande amor e por isso pensa que seu tempo para essas coisas passou. Quando o Beckett começa a corte, vemos que ele titubeia quando a palavra família é pronunciada. Ele quer a Claire, mas por alguns momentos pensa com calma na bagagem que ela traz. Isso é normal, e um ponto que eu gostei foi o Beckett, que num mar de tudo perfeito, é o ponto de realidade. Ele tem receio de ser o suporte para uma mãe solteira, e pensa bem se ele realmente está pronto para largar a solteirice e assumir tantas responsabilidades.

Acho que ficou claro o meu desagrado com esse livro né? Isso já é a segunda vez que acontece com os livros da Nora pela Arqueiro. A primeira série dela, Quarteto de Noivas, eu gostei; é divertida e envolvente, então peguei outros dela para sentir a mesma coisa só que não aconteceu. Esse livro não me prendeu, pelo contrário, demorei mais que a média para lê-lo e só persisti porque me parece que o livro sobre a Hope terá um teor mais realista. Não sei nem se ela terá um livro, mas espero que sim e que seja bom, melhor que esse pelo menos. O problema é que a autora entrelaçou tudo e se o próximo não for da Hope, terei que ler até chegar nela. Preocupante!

Casais românticos. Cada um tem seu próprio sabor, seu próprio sentimento. 

*Em se tratando de Nora, é meio praxe um sobrenatural nos seus livros. Aqui também tem e ligado a pousada.
**Nem o fato do livro ter sido baseado na vida da autora (essa cidade existe, ela comprou uma pousada e reformou, a biblioteca é do marido dela... várias coisas serviram de base) mudou a minha opinião de que esse livro não é um bom começo de trilogia.

www.sejacult.com.brUm Novo Amanhã A Pousada # 1
Nora Roberts
Editora Arqueiro: Twitter/Facebook

6 comentários:

  1. Oie, tudo bem?
    Pela resenha, o livro não parece explorar muito o casal no aspecto romântico. Não sou muito fã de romances, mesmo kkk Ah, e também nunca li Nora Roberts rsrs Com certeza pegarei outro título da autora para começar. Bjs,

    www.estranhoscomoeu.com

    ResponderExcluir
  2. Oi Denise, que pena que a leitura não foi tão boa, li poucos livros da autora e parei exatamente por achar alguns meio parados, sem emoção, é uma boa leitura para quem não tem muita expectativas, depois de sua resenha não tenho muito interesse nesse livro.

    Bjs

    http://www.leituraentreamigas.com.br

    ResponderExcluir
  3. oi, oi.

    eu ainda não li nada da Nora, mas só vejo elogios quanto a sua obra. devo estar perdendo algo legal, né? =/

    tbm não conhecia o livro, mas, olha, me apaixonei por ele só pela sinopse. a história é muito interessante e faz super o meu tipo. <3

    bjs!
    Não me venha com desculpas

    ResponderExcluir
  4. oii!
    sempre quis ler algo da Nora, até pensei em começar por esse, as resenhas que ando lendo estão bem diversificadas, fiquei com um pé atrás agora. Já leu outros da Nora? qual me indicaria para minha primeira leitura da Roberts?
    bjs xx
    http://lendocomela.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Micaela,

      Já li alguns da Nora sim, outros da Arqueiro e da Bertrand. Recomendo O quarteto das noivas, uma série boa e recente da Arqueiro.

      O primeiro e último são os melhores, então leia o primeiro e veja se gosta. É tranquilo e um romance gostoso de ler, você vai ficar por dentro de como se organiza um casamento. kkkk =)

      Bjs, Denise.

      Excluir
  5. Nunca li nada da Nora, mas todos os comentários que leio sobre ela são positivos, principalmente pela série Quarteto de Noivas, citada por você. Uma pena que este livro não tenha te agradado, pelo que li em sua resenha ele é bem clichê, eu até gosto deste romances clichês, mas quando tudo acontece rápido demais, como neste livro, também não gosto. Espero que você consiga fazer as pazes com a autora...rs...
    Abraço!
    A Arte de Escrever

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.