Resenha: Perdão Mortal - O Clã das Freiras Assassinas #1

27/05/2016


Por que ser uma ovelha, quando você pode ser o lobo? 

Ismae Rienne, dezessete anos, escapa da brutalidade de um casamento arranjado no santuário do convento de São Mortain, onde as irmãs ainda servem deuses antigos. Lá ela aprende que o deus da Morte abençoou-a com perigosos dons e um violento destino. Se ela optar por ficar no convento, será treinada como uma assassina e servirá a Morte. Para reclamar sua nova vida, deve destruir a vida de outros. 

A mais importante atribuição de Ismae leva-a direto para o tribunal superior da Bretanha — onde se encontra terrivelmente sob preparada não só para os jogos mortais de intriga e traição, mas pelas impossíveis escolhas que deve fazer. Como entregar a vingança da Morte em cima de um alvo que, contra sua vontade, roubou seu coração?

Quando eu enrolo leituras boas, fico com uma sensação esquisita de que perdi algo incrível, e é isso que estou sentindo com Perdão Mortal. Tive contato com esse livro pelas resenhas gringas, e o nome da série ter freiras assassinas foi o que mais me chamou a atenção. Quase comprei em inglês, mas fui protelando até que a V&R lançou por aqui e consegui de troca. Perdão Mortal é o primeiro livro da trilogia O clã das freiras assassinas e conta a estória de Ismae. Ao nascer, ela recebeu a marca da morte e por isso foi rejeitada por todos. Até que uma antiga curandeira decidiu levá-la para o convento de São Mortain, o Deus da Morte.

Nesse convento, Ismae é reconhecida com filha de Mortain e recebe treinamento nas artes da morte, sedução e venenos. Descobre-se que ela tem uma relação interessante com esse último. Após anos sendo ensinada, Ismae sai em missão para descobrir quem são os traidores da duquesa da Bretanha. Para isso, ela será levada direto à corte e ficará aos cuidados de Duval, um homem que pode por em risco tudo o que Ismae conquistou até agora.

Se decidir ficar, você será treinada nas artes do Deus da Morte. Vai aprender mais maneiras de matar um homem do que imaginou ser possível. Vamos treiná-la a ser furtiva e astuta e desenvolver todo tipo de habilidade que assegure que nenhum homem jamais volte a ser uma ameaça para você.


Quem narra o livro é a Ismae, e para entende-la e não achar o seu ponto de vista cego, é preciso se colocar no lugar dela. Uma menina rejeitada, que sofre abusos físicos e psicológicos, em um tempo em que as artes da magia eram perigosas, vê no convento uma chance de sobreviver, em troca de seguir fielmente os ensinamentos de Mortain. É claro que a gente começa a questionar o convento e o que ele realmente faz, só que a Isame não, ela segue sem questionar e mata as pessoas que o convento fala para ela matar.

Fora essa servidão, ela é uma menina vencedora, grata pelo que conseguiu e forte, mesmo que titubeie em determinados momentos. O outro personagem que merece destaque é o homem que mexerá com o coração de Ismae. Duval é um homem sério, que leva a honra acima de tudo, mas que em Isame encontra um outro ser tão comprometido como ele. Em muitos momentos eles serão colocados em lados opostos, principalmente no começo, só que no fim eles querem a mesma coisa: o bem da duquesa.

Não é do Santo que desconfio, demoiselle, só dos humanos que interpretam Seus desejos. 


O livro é todo pautado na política e nas intrigas que uma corte pressionada apresenta. A duquesa da Bretanha foi comprometida para muitos homens e precisa encontrar um que ela goste e que tenha um exercito grande, e bom, o suficiente para combater as invasões francesas. Todo mundo apresentado no livro pode ser o traidor, e Isame e Duval sabem disso. Então eles bolam planos para descobrir quem é esse traidor e para ajudar a duquesa a se livrar de um dos comprometidos que só quer o pior para ela. Não é difícil de pegar a dinâmica dessa política, é o básico de um tentando roubar o poder do outro.

O toque sobrenatural que o livro traz é a cereja do bolo. A figura dos deuses aparecem em todos os momentos e regem os passos desses personagens. A Morte é vista com um ser para se temer e servir, e é isso que a Ismae faz, ela mata quem a Morte determina que ela mate. Durante a leitura, outras facetas dessa relação são reveladas e descobrimos se o convento é realmente o que diz que é, um local que treina mulheres para servir a Morte. Além de política e sobrenatural, o livro também tem romance, é claro. Só que um aviso, o romance é terceiro plano praticamente. É importante sim para o enredo, mas não mais do que a Morte e o bem-estar da duquesa e do país.

Nós dois estamos presos a outros deveres, outros santos. Nosso coração não é nosso. 


Perdão Mortal foi um livro que quando eu peguei de verdade a leitura foi maravilhosa. As intrigas e a sensação de que alguém que a Ismae gosta muito será marcado para morrer me deixaram tensa, querendo ler mais e mais rápido. A melhor parte foi a autora não ter feito o que eu achei que faria; cara, eu tinha certeza que uma coisa ia acontecer e ela aconteceu em partes. Não pelas mãos da Ismae, mas aconteceu.

O final foi diferente, com um fim, mas com possibilidades também. De nenhuma forma ruim, só que com um gosto de querer ver tudo concretizado, mesmo. Mas eu entendo que a Ismae não estava pronta, só não sei se a autora escreverá quando ela estará, visto que o próximo livro é sobre uma outra personagem que aparece aqui. Perdão Mortal foi uma leitura muito diferente do que eu esperava, e nada menos do que incrível.

Mas se apaixonar? Isso, eu temia, era uma ofensa grave. Um coração no podia seguir dois mestres.

*A edição é linda, com mapa, glossário com os personagens e detalhes que só deixaram o livro mais bonito. Senti falta, apenas, de um glossário com os deuses citados também. Para uma parte tão importante, seria interessante saber mais sobre eles.

www.sejacult.com.brPerdão Mortal - O Clã das Freiras Assassinas #1
Robin LaFevers
V&R Editoras: Twitter/Facebook

3 comentários:

  1. Que bacana a tua resenha! Eu peguei esse livro pra ler no ano passado, mas acabei largando. Eu gostaria de ver mais ação e, no entanto, ele focou mais na política. Isso não me agradou e foi uma pena :/

    www.arosadoprincipe.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Já ouvi falar bastante dessa obra e sempre fiquei curiosa pra ler, adorei a resenha me deixou com aquela vontade de ler o quanto antes!
    lendocomela.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. A primeira coisa que me atraiu também foram as freiras assassinas! Além dessa capa arrasadora, claro haha. Pelo que você falou, parece exatamente o tipo de livro pelo qual eu vou me apaixonar! Adorei a resenha (:
    Gislaine | Paraíso da Leitura

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.