Resenha Histórica: Uma noite para se entregar - Spindle Cove #1

17/05/2016


Spindle Cove é o destino de certos tipos de jovens-mulheres: bem-nascidas, delicadas, tímidas, que não se adaptaram ao casamento ou que se desencantaram com ele, ou então as que se encantaram demais com o homem errado. Susanna Finch, a linda e extremamente inteligente filha única do Conselheiro Real, Sir Lewis Finch, é a anfitriã da vila. Ela lidera as jovens que lá vivem, defendendo-as com unhas e dentes, pois tem o compromisso de transformá-las em grandes mulheres descobrindo e desenvolvendo seus talentos.

O lugar é bastante pacato, até o dia em que chega o tenente-coronel do Exército Britânico, Victor Bramwell. O forte homem viu sua vida despedaçar-se quando uma bala de chumbo atravessou seu joelho enquanto defendia a Inglaterra na guerra contra Napoleão. Como sabe que Sir Lewis Finch é o único que pode devolver seu comando, vai pedir sua ajuda. Porém, em vez disso, ganha um título não solicitado de lorde, um castelo que não queria, e a missão de reunir doze homens da região, equipá-los, armá-los e treiná-los para estabelecer uma milícia respeitável.

Susanna não quer aquele homem invadindo sua tranquila vida, mas Bramwell não está disposto a desistir de conseguir o que deseja. Então os dois se preparam para se enfrentar e iniciar uma intensa batalha! O que ambos não imaginam é que a mesma força que os repele pode se transformar em uma atração incontrolável.

Gente, não sei se eu estou falando besteira, mas acho que esse é o primeiro livro da Tessa que eu leio. Eu estava louca para ler algum romance histórico da Gutenberg, para saber da diagramação e revisão, e acabei começando por esse e olha, comecei bem. Uma noite para se entregar narra os acontecimentos de uma vila peculiar, administrada por Susanna. A vila é para moças que estão desiludidas com os homens, ou que não se adequam a sociedade, e querem ir para um lugar onde possam ser elas mesmas.

Só que toda essa ordem e sossego termina com a chegada de Bramwell e mais dois homens. Ele quer ter a sua vida de volta, tirada após uma bala ter fraturado o seu joelho, e para isso precisa montar uma pequena milícia e provar que pode comandar novamente. O que isso significa? Que a sua presença, e mais a de outros homens, acabará com essa característica peculiar da vila. Homens e mulheres terão que conviver sim!

Narrado em terceira pessoa, o livro traz uma protagonista forte e sensível ao mesmo tempo. Susanna sofreu muito na mão de algumas pessoas com prestigio enquanto debutada em Londres, e por isso decidiu ir viver no campo quando abandonou essa vida. Spindle Cove é a representação de tudo o que Susanna acredita e ela defende isso com unhas e dentes. Bramwell é um homem com o orgulho e o joelho feridos. Após ser baleado em atividade, na guerra, ele tenta retomar a vida. É um homem sofrido e um pouco arredio, carente também, que encontra em Susanna uma mulher muito parecida com ele.

Spindle Cove irá mudar você, Lorde Rycliff. E se você ameaçar a saúde e a felicidade das minhas moças, deixarei você de joelhos.


A parte mais legal desse livro é a guerra de sexos entre os dois protagonistas. Logo que chega a vila Spindle Cove, Bramwell percebe que é Susanna quem dita as regras e que traz os homens na linha. Ele se revolta e os dois começam uma relação entre tapas e beijos. O ponto que eu acho que a autora quis chegar, e isso é a minha opinião, é a de mostrar que um equilíbrio é necessário.

Homens e mulheres vivendo em harmonia e juntos dá mais certo que separá-los e cada um viver como se não precisasse do outro. Não quero entrar em temas espinhosos e isso é só uma opinião baseada no romance. Quando separados a vida delas era muito pacata, regrada, e com a chegada dos homens isso mudou, ficou mais divertida. Assim como a vida deles também mudou, para melhor.

Nos romances históricos é comum as mocinhas feministas, fortes e determinadas, mas uma que realmente põe a mão na massa e ajuda as mulheres só teve uma até agora. A Susanna é a segunda personagem feminina que eu vejo agir em prol das mulheres. A ideia dessa vila onde as mulheres podem ser elas mesmas foi dela, é ela quem toma conta do lugar e tenta aflorar o melhor delas.

Bram havia lhe dado aquele presente precioso, a coragem de se aceitar como ele era. Cicatrizes, sardas, paixões e tudo o mais.

Cada dia da semana elas fazem uma atividade que faz delas mais autoconfiantes, que aguça a percepção delas para o que a sociedade dita não deve ser levado a sério. Essa ideia para uma época tão complicada é ótima e a autora não colocou como algo improvável de acontecer, foi bem construído para deixar na nossa cabeça se realmente não existiam vilas assim.

Sou uma amante de romances históricos e quando peguei esse estava esperando um bom livro, mas ele foi maravilhoso. Fiquei surpresa com o quanto o enredo me envolveu, a ponto de eu não pegar nenhum outro livro para ler alternando, foquei totalmente nesse. O enredo é interessante, os personagens combinam muito, é divertido e você lê sem ver o tempo passar.

As minhas únicas ressalvas são em relação a diagramação do livro. A letra é pequena e não gostei dos diálogos serem em aspas. No Brasil, isso é uma marcação de pensamento. Enfim, estou com os dois próximos livros e louca para ler. Estava só esperando fazer essa resenha para me jogar novamente da escrita encantadora da Tessa.

Nunca conheci uma mulher como você. Susanna você é tão igual a mim. É como se nós dois fôssemos espécimes da mesma raça exótica, só que eu sou o macho, e você, a fêmea. Inteligente como é, você deve saber o que isso significa.

Uma Noite Para Se Entregar A Night to Surrender (Spindle Cove #1/5)
www.sejacult.com.brTessa Dare
Editora Gutenberg: Twitter/Facebook


2 comentários:

  1. Bom dia Denise,

    Já li algumas resenhas desse livro e todas foram positivas, é muito bom quando um livro nos agrada e essas ressalvas com certeza é relevante....kkk...bjs.


    http://deslumbreacessorios.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Oi Denise, tudo bem?
    Eu também adorei esse livro. Tessa tem um jeito bem gostoso de escrever e de ir nos enredando em sua história. Os personagens de seus livos costumam ser cativantes.
    Bjus
    Lia Christo
    www.docesletras.com.br

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.