Resenha: A morte de Sarai - Na companhia de Assassinos #1

04/04/2016


A autora do best-seller de "Entre o Agora e o Nunca" e "Entre o Agora e o Sempre" traz uma história de paixão e sobrevivência.

Sarai era uma típica adolescente americana: tinha o sonho de terminar o ensino médio e conseguir uma bolsa em alguma universidade. Mas com apenas 14 anos foi levada pela mãe para viver no México, ao lado de Javier, um poderoso traficante de drogas e mulheres. Ele se apaixonou pela garota e, desde a morte da mãe dela, a mantém em cativeiro. Apesar de não sofrer maus-tratos, Sarai convive com meninas que não têm a mesma sorte. Depois de nove anos trancada ali, no meio do deserto, ela praticamente esqueceu como é ter uma vida normal, mas nunca desistiu da ideia de escapar.

Victor é um assassino de aluguel que, como Sarai, conviveu com morte e violência desde novo: foi treinado para matar a sangue frio. Quando ele chega à fortaleza para negociar um serviço, a jovem o vê como sua única oportunidade de fugir. Mas Victor é diferente dos outros homens que Sarai conheceu; parece inútil tentar ameaçá-lo ou seduzi-lo.

Em “A Morte de Sarai”, primeiro volume da série Na Companhia de Assassinos, quando as circunstâncias tomam um rumo inesperado, os dois são obrigados a questionar tudo em que pensavam acreditar. Dedicado a ajudar a garota a recuperar sua liberdade, Victor se descobre disposto a arriscar tudo para salvá-la. E Sarai não entende por que sua vontade de ser livre de repente dá lugar ao desejo de se prender àquele homem misterioso para sempre.

Depois de ter amado Entre o agora e o nunca eu estava louca para ler outra coisa da J.A. Redmerski. Queria A morte de Sarai a muito tempo e quando deu certo de conseguir trocar eu li. Ele fala sobre assuntos complicados que num primeiro momento fazem você questionar se vai ou não se afeiçoar aos personagens. A Sarai é uma menina que passou boa parte da vida em um cativeiro no México, vivendo com um famoso traficante.

Quando Victor aparece para fazer um trabalho para Javier, quem mantém ela refém, ela vê nele a oportunidade de escapar e arrisca tudo, inclusive a vida, para fugir. Victor e Sarai passam a ser um estranho casal, um querendo dinheiro e o outro liberdade e ambos tentando lutar contra a atração que sentem. Não vai ser fácil para Sarai se livrar de Javier, além de sua amante, ela sabe muitas coisas sobre ele, coisas perigosas. Apenas Victor terá coragem de ir contra ele e tudo o que ele representa.

O livro é narrado em primeira pessoa pela Sarai e Victor, o Victor acaba narrando bem depois me fazendo pensar que seria só a Sarai quem narra. Ela é uma personagem estranha, que durante boa parte do livro pende para o lado bom, mas em alguns momentos flerta com o lado mau. Não dá pra esquecer que o que é certo para ela pode ter se alterado por conviver com o errado por muito tempo. Ela sabe que o que fizeram com ela é errado? Sim, mas isso é a única coisa que ela conhece. Outra coisa que a autora trabalha no livro, como o meio influencia nas nossas decisões e personalidade.

O Victor não é muito diferente da Sarai por ter vivido no meio da violência desde sempre. O pior nele é a falta de sensibilidade, de discernir o que é certo e errado, os dois se aproximam muito, mas ele é o mais frio dos dois. Sinceramente, não achei que ia rolar romance entre eles não, o cara sente as cosias de forma diferente e expressa isso, em muitos momentos, erroneamente.

Eu me sinto um brinquedo, e Victor sabe cada botão em mim que precisa apertar, tocar, para que eu faça tudo o que ele quiser, sinta tudo que ele quiser que eu sinta. E eu não me incomodo.


O que é mais engraçado nesse livro para mim, é que eu esperava encontrar semelhanças com a outra série da autora. Esperava fazer comparação entre personagens, jeito de narrar e tal, só que aqui tudo é muito diferente e de um jeito bom. Um dos problemas que as pessoas às vezes reclamam, é que os autores se assemelham demais nas suas narrativas e essa é a segunda autora que eu vejo uma diferença significativa entre os seus livros.

Os temas são diferentes, os personagens nem de longe se lembram, o romance é em segundo plano.... outra vida por assim dizer. O foco da autora é em tratar de dois temas sérios, trafico de mulheres e assassinos de aluguel. Ela vai utilizar esses temas e colocar um romance para ligar tudo isso. A narrativa é bastante direta, crua, com descrição de violência e que criam um ar de suspense e de quem é o próximo a morrer.

Falando de romance, não espere encontrar um livro hot aqui. A autora priorizou a estória e não o romance. Claro que tem um envolvimento e cenas de sexo, mas são pouquíssimas e sem detalhamento. Acredito que o romance como a gente conhece deva florescer nos outros livros da série, nesse é só a Sarai querendo uma nova vida e encontrando isso com o Victor. Os temas que o livro apresenta são sérios e a vida que o Victor leva não é nada decente, então tenham em mente que esse livro vai tratar de assuntos ilegais e que se você for julgá-lo por isso, vai perder toda a graça.

Leia naquele momento que você quer algo que tenha uma parte real, mas que também brinque com o lado mau da vida das pessoas. Em algumas situações a Sarai tenta justificar o que o Victor faz, mas crime é crime e o que o Victor faz para viver é crime e errado. A grande questão do livro está em fazer você passar por cima dos seus princípios para acompanhar uma série baseada em tudo que é errado.

Não importa o que aconteça, Sarai vai morrer na Califórnia amanha à noite.


Tenho gostado cada vez mais dessa autora e dos seus casais. A escrita dela é envolvente, não tem margem para coisas desnecessárias sendo o livro pequeno e rápido de ler. Essa narrativa me surpreendeu por esperar algo mais parecido com o Entre o agora e o nunca e encontrar algo completamente novo; não me lembro de ter lido algo do tipo, sobre assassinos de aluguel.

Esse é um romance que joga com o que é certo e errado, você sabe que o que eles fazem é errado em muitos níveis, mas não consegue não torcer por eles e isso é mérito da autora. Os personagens tem qualidades mais cruéis e sofridas, nada daquela coisa romântica e bonitinha, aqui não têm isso e mesmo assim é muito bom.

Esse primeiro tem um fim, mas como na foto acima dá pra ver e no título também, ele é uma série. A Suma já lançou o segundo e terceiro e rola um boato de que esses livros vão virar série de tv. A escrita do livro propicia isso e nas mãos certas daria uma série incrível.

www.sejacult.com.brA Morte de Sarai Na Companhia de Assassinos # 1
J.A. Redmerski
Editora Suma de Letras: Twitter/Facebook

Um comentário:

  1. Acho que é tanto positivo quanto negativo o autor escrever obras totalmente diferentes, né? Bom por provar seu potencial, e ruim por estarmos com a expectativa lá em cima e nos depararmos com algo totalmente distinto. Essa é uma história peculiar, toda a construção dos personagens e a vida que tiveram, e isso me dá muita curiosidade de ler!

    xx Carol
    http://caverna-literaria.blogspot.com.br/
    Tem resenha nova no blog de "Os Humanos", vem conferir!

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.