Cine Cult: A Série Divergente - Convergente

11/03/2016

A Série Divergente - Convergente | Nota:  ★  | Estreou em 10 de março de 2016
Texto: Ana Marta | Revisão: Jonathan Humberto


Não é de hoje que adaptações literárias veem tentando seguir a fama e o ritmo de outras sagas. 

De todas as formas Hollywood sempre está em busca de novas fontes de lucrar e assim que acaba a saga querida do momento, vai surgir outra para substituir (ou não). Isso depende do ponto de vista de cada um, mas tenho que afirmar que quando um sucesso explode, com certeza vai surgir os filhos menores que tentam crescer para ficarem igual às sagas grandes. Assim segue a jornada de A Série Divergente - Convergente ao querer espaço ou até mesmo emplacar as grandes sagas com o público. Confesso que é uma das sagas que mais tenho preguiça de assistir ou debater sobre.

Pelo único motivo que pode explicar as grandes falhas que vem ocorrendo nesses três filmes da saga: "A pressa em querer lançar filmes em anos seguidos (também tem o lucro) e adaptar de qualquer maneira os livros para o cinema". Com este motivo já dá para perceber que o filme não vai agradar aqueles que buscam pelo menos uma história bem narrada. Os dois primeiros atos já indicam uma iniciação à trama e consolidação das consequências vindas dos filmes anteriores bem "arrastadas" e às vezes "forçadas" em alguns pontos do roteiro. Isso se dá pela falta da paciência e cuidado ao escrever a narrativa, e o diretor não tem muito talento para dirigir o filme; principalmente os atores.


A direção fraca de Robert Schwentke acaba limitando as ações dos atores, principalmente dos protagonistas e antagonistas; trazendo personagens superficiais e vazios. Em alguns momentos dramáticos a personagem Tris (Shailene Woodley) se torna fraca por não conseguir transpor toda sua personalidade. Deixando-a com uma atuação nada convincente e com muita forçação de barra. Shailene Woodley não é a única a ter problemas com a sua personagem, Theo James, Ansel Elgort, Maggie Q e Zoë Kravitz são os que mais tem personalidades entre os personagens vazios e sem acréscimo ao roteiro. Se tirasse alguns deles da lista, com certeza não daria para sentir falta. O próprio ator Miles Teller, apesar do espaço, continua repetindo os mesmos passos dos filmes anteriores. Assim como a adição do novo antagonista David, interpretado por Jeff Daniels, que apesar da excelência na carreira do ator, aqui só repete o que foi feito nos dois anteriores com Jeanine Matthews (Kate Winslet). Nada que possa agradar com as suas motivações como vilão na trama.

E as atuações e a direção preguiçosa não são as únicas falhas em Convergente. A adição de novas subtramas e o não fechamento de algumas pontas acabam deixando furos e até mesmo a ausência do mínimo de explicação para o espectador. Sem mencionar que inicia os dois primeiros atos arrastado e com dramas cansativos entre os protagonistas. A ação e o verdadeiro fechamento dos desfechos acabam sendo deixados para alguns minutos finais, prejudicando ainda mais a construção do roteiro e de seus personagens. Principalmente ao apresentar um novo mundo fora dos muros, com novas histórias, novos personagens e novos desfechos. Nada disso salvou o roteiro fraco e preguiçoso...


O visual mostra o lado novo do mundo entre os personagens isolados na cidade de Chicago, trazendo tons, contrastes e até mesmo a fotografia com uma melhora. Saindo da timidez para trazer um visual que lembra muito as planícies de Marte para uma arquitetura futurística. É bom e agrada bem aos olhares em algumas cenas, mas ainda não convence com o cenário fictício. Afinal, os efeitos visuais feitos em CGI são fáceis de notar e diferenciar do verdadeiro. Isso acaba tirando a sensação de "acreditar" que aquilo pode ser real e pode passar perigo em momentos de muita ação. A própria ação só acontece em poucos momentos da história e sempre com ar de pé atrás se vai ou não ter grandes batalhas; e assim segue a batalha final do fraco último ato. Apenas trazendo brigas simples e algumas vezes bem clichês.

A Série Divergente - Convergente não é uma das minhas sagas favoritas do momento, mas tinha um pouco de esperança que teria melhoras por trazer um mundo, um cenário e personagens que dariam excelentes momentos à trama. Infelizmente, esses três filmes ainda não chegaram nem na metade de ser uma boa história para contar um mundo distópico e que a salvação está nas mãos de uma garota que é 100% PURA!




2 comentários:

  1. Oláá!
    Eu não vi o primeiro, então não estou lá muito afim de ver o segundo kkkk
    Acabaram de me dizer que não foi legal.
    Beeijos
    http://masenstale.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. É tão triste terem estragado essa série :( o primeiro volume até foi fiel, eu gostei bastante, mas o segundo já bagunçou tudo, e só pelo trailer imagino o que tenham feito com o terceiro. Ainda não assisti, mas quero muito! Depois da sua resenha vou até preparada haha

    xx Carol
    http://caverna-literaria.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.