Resenha Histórica: A Rainha Normanda

01/02/2016


Em 1002, Emma da Normandia, uma nobre de apenas 15 anos, atravessa o Mar Estreito para se casar. O homem destinado a ser seu marido é o poderoso rei da Inglaterra, Æthelred II, muito mais velho que ela e já pai de vários filhos. A primeira vez que ela o vê é à porta da catedral, no dia da cerimônia. Assim, de uma hora para outra, Emma se torna parte de uma corte traiçoeira, presa a um marido temperamental e bruto, que não confia nela. 

Além disso, está cercada de enteados que se ressentem de sua presença e é obrigada a lidar com uma rival muito envolvente que cobiça tanto seu marido quanto sua coroa. Determinada a vencer seus adversários, Emma forja alianças com pessoas influentes na corte e conquista a afeição do povo inglês. Mas o despertar de seu amor por um homem que não é seu marido e a iminente ameaça de uma invasão viking colocam em perigo sua posição como rainha e sua própria vida. 

Baseado em acontecimentos reais registrados na Crônica Anglo-saxã, A rainha normanda conduz o leitor por um período histórico fascinante e esquecido, no qual fantasmas vigiam os salões do poder, a mão de Deus está presente em cada ação e a morte é uma ameaça sempre à espreita. Governando na época compreendida entre o rei Artur e a rainha Elisabeth I, a rainha Emma é uma heroína inesquecível cuja luta para encontrar seu lugar no mundo continua fascinante até hoje. 

A Rainha Normanda é um livro baseado em acontecimentos reais registradas na Crônica Anglo-saxã, como já diz a sinopse e se dá início no ano de 1001 d.c. Emma, uma jovem de quinze anos, tem seu destino selado e acaba tendo que se casar com o rei inglês no lugar de sua irmã Mathilde, ganhando seu desafeto, além da pressão da responsabilidade que ela não quer carregar, pois não nutre desejo nenhum pela coroa. 

Emma só conhece o marido no dia do seu casamento e descobre que o rei Æthelred é um homem frio, com uma mente perturbada. Como se já não fosse ruim o suficiente se casar sem amor e por questões políticas, Emma ainda é obrigada a lidar com os filhos do rei inglês que se sentem ameaçados pelo fato de Emma poder gerar um herdeiro e tirar-lhes o trono, além de carregar em seu coração um amor proibido. Ainda tem que aturar Lady Elgiva que a odeia pelo fato de sentir que era ela quem deveria estar em seu lugar, governando ao lado de Æthelred.

Prendeu a respiração quando ele se inclinou para comprimir os lábios na palma de sua mão. A ternura do toque fez seu coração pular de alegria e sua alma encolher-se de pavor. 

No decorrer da história, Emma, apesar de todas as intempéries, vai adquirindo experiência e se mostra uma rainha forte, inteligente e que todos amam. Æthelred, por outro lado, se mostra um rei impiedoso, que se deixa dominar pela culpa que carrega por um fato do passado e que ainda o atormenta. Já Elgiva, se mostra uma rival difícil, maliciosa e experta, que, em busca da coroa, não mede esforços para derrubar Emma e fazer com que o rei inglês se dobre a ela.

O livro é datado por ano, mês e lugar, pois cada personagem tem seu destaque, ainda que Emma seja, de fato, a principal. A história trabalha as questões politicas e também religiosas, como é de praxe para época. Por se tratar de um fato real, não se pode esperar um romance água com açúcar, mas algo mais próximo da realidade e, embora a autora descreva tudo de forma simples, sem aqueles detalhes pesados, as situações por si só acabam deixando-nos chocados.

A Rainha Normanda é um livro fácil, a linguagem usada pela autora não é rebuscada e sua narrativa é muito agradável. Você se pega curioso para descobrir os fatos e segredos que envolvem a Corte e não consegue parar de ler. A diagramação do livro está linda com os detalhes que a editora colocou e, além de tudo, há um glossário logo no início, o que é maravilhoso, pois já li livros com termos que eu nem conhecia, e só fui descobrir que havia glossário quando já havia terminado a leitura, porque o significado das palavras estavam nas páginas finais. A Arqueiro está de parabéns e, por favor, editora linda, publica logo o segundo livro! Enfim, se você quer uma boa leitura de época interessante e bem escrita, não deixe de ler A Rainha Normanda.

A Rainha Normanda
Patricia Bracewell
Editora Arqueiro: Twitter/Facebook

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Tecnologia do Blogger.