Resenha: Minha vida mora ao Lado

08/01/2016


“Minha mãe nunca ficou sabendo de uma coisa, algo que ela reprovaria radicalmente: eu observava os Garrett. O tempo todo.”

Os Garrett são tudo que os Reed não são. Barulhentos, caóticos e afetuosos. São de verdade. E, todos os dias, de seu cantinho no telhado, Samantha sonha ser uma deles, ser da família. Até que, numa noite de verão, Jase Garrett vai até lá e...

Quanto mais os adolescentes se aproximam, mais real esse amor genuíno vai se tornando. Contudo, precisam aprender a lidar com as estranhezas e maravilhas do primeiro amor. A família de Jase acolhe Samantha, apesar dela ter que esconder o namorado da própria mãe.

Até que algo terrível acontece, o mundo de Samantha desmorona e ela é repentinamente forçada a tomar uma decisão quase impossível, porém definitiva. A qual família recorrer? Ou, quem sabe, Sam já é madura o bastante para assumir suas próprias escolhas? Será que está pronta para abraçar a vida e encarar desafios?

Quem você estaria disposto a sacrificar pela coisa certa a se fazer? O que você estaria disposto a sacrificar pela verdade?

Minha Vida Mora Ao Lado conta a história de Samantha que, ainda quando muito nova, ganha novos vizinhos, os Garrett, uma família grande que a mãe dela desaprova num primeiro instante, por julgá-los irresponsáveis e bagunceiros. Desse modo, ela e a irmã acabam não tendo interação com eles que, apesar de moraram ao lado, são praticamente como estranhos.

Dez anos se passam, a mãe de Samantha começa a ter um relacionamento com seu assessor de campanha e, atordoada pelo modo como sua mãe parece não ver mais nada quando está com ele, ela sobe para o telhado e encontra Jase, um dos mais novos dos irmãos Garrett. Ambos acabam ficando amigos e, conforme vão se aproximando, ambos vão se apaixonando um pelo outro.

Além do novo relacionamento com Jase, Samantha também se aproxima de todo resto da família e vai descobrindo que cada um dos Garrett tem seu modo especial. Também conta com a amizade de anos com Nan e seu irmão, Tim, que, no momento, passa por uma fase difícil com as drogas, sendo assim um garoto na maior parte do tempo imprudente e desregrado.

Você está andando por um caminho, impressionado com a perfeição dele, com o fato de você se sentir incrível e, algumas esquinas depois, se perde num lugar pior do que qualquer coisa que poderia ter imaginado.

O livro é narrado em primeira pessoa pela Samantha e, apesar de ser uma história adolescente, não temos nela aqueles dramas chatos e típicos, na verdade Samantha se mostra, apesar de ter sido criada cheia de regras e até de modo sufocante pela mãe, uma garota muito aberta, madura e doce. Jase também é uma graça, apaixonante, trabalhador e gentil, simplesmente não há como não amá-lo. Já a Nan, a melhor amiga, confesso que não sei o que sentir por ela, não foi alguém que me conquistou muito, apesar de não desgostar dela, e o Tim, apesar de todo trabalho que deu, senti muito pena dele por ter se envolvido em algo tão difícil como as drogas.

Como já deu para perceber, Minha Vida Mora Ao Lado não se trata apenas de um romance bobo entre adolescente, mas aborda temas mais sérios, drogas, decisões, também trata de descobertas de uma forma mais próxima da nossa realidade, como se fosse um livro que realmente dialogasse com você, mas de uma maneira muito gostosa e poética. A diagramação com os corações no início das páginas estão muito fofos, as letras um pouco pequenas, mas nada que atrapalhe a leitura, eu realmente só não gostei da capa, achei que poderiam ter caprichado mais. Mas, tirando esse detalhe, o resto está magnifico e esse livro com certeza merece ser lido.
Os Garretts eram minha história para dormir, muito antes de eu descobrir que faria parte dessa história.

Minha Vida Mora ao Lado - My Life Next Door
Huntley Fitzpatrick
Editora Valentina: Twitter/Facebook

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Tecnologia do Blogger.