Resenha Histórica: O último dos Canalhas

21/12/2015


O devasso Vere Mallory, duque de Ainswood, está pronto para sua próxima conquista e já escolheu o alvo: a jornalista Lydia Grenville. Só que desta vez, além de seduzir uma bela mulher, ele deseja também se vingar dela. Ao se envolver numa discussão numa taverna, Vere foi nocauteado por Lydia e se tornou alvo de chacota de toda a sociedade. Agora ele quer dar o troco manchando a reputação da moça.

Mas Lydia não está interessada em romance, principalmente com um homem pervertido feito Mallory. Em seus artigos, ela ataca nobres insensatos como ele, a quem considera a principal causa dos problemas sociais. Nesse duelo de vontades, Vere e Lydia se esforçam para provocar a derrota mais humilhante ao mesmo tempo que lutam contra a atração que o adversário lhe desperta. E, nessa divertida batalha de sedução e malícia, resta saber quem será o primeiro a ceder à tentação.

Vere é um devasso no pior sentido da palavra, se é que existe algum sentido bom. As mulheres para ele só servem para satisfazer um instinto básico masculino, e com a jornalista Lydia não seria diferente não é? Ledo engano para Vere, pois a jornalista Lydia tem uma posição muito firme em relação aos homens, a pior possível, já que eles vivem se metendo no seu caminho. Mas ambos terão uma surpresa encantadora, o amor, que não escolhe se você briga ou não com ele/ela, mas sim, se vocês tem química. E isso o casal Lydia e Vere tem de sobra. Mas até eles admitirem essa atração, muitas brigas, perigos, nomes engraçados e mortes passarão pelo caminho deles.

O último dos Canalhas traz uma protagonista forte e que embora para a época seja estranho, ela trabalha, tem uma profissão. A jornalista Lydia se vira sozinha desde muito pequena e gosta da vida assim, o que mostra a sua personalidade independente. Outra característica dela é a bondade e a luta pelas mulheres. A Lydia até acaba se metendo em confusão por causa disso, mas ela não foge da raia quando é necessário. O Vere é bem típico, o machão por fora e sofrido por dentro. Muitas perdas fizeram o duque se fechar, manter distância de todos e só usar as mulheres para uma finalidade, sexo. Porém, a Lydia testará suas forças e amolecerá o coração do devasso, que no fim das contas, se mostra uma das melhores pessoas com quem ela poderia contar.


Posso ser bem brega ao falar do casal principal? Mas é que a música 'entre tapas e beijos é ódio é desejo' não poderia resumir melhor a relação da Lydia com o Vere. No começo a relação deles solta faiscas de raiva, depois de tensão sexual. Eles se odeiam e se gostam na mesma proporção e nenhum quer ceder. Isso acaba sendo a pitada de comédia do livro, as brigas entre eles. E a Lydia é bem doida, se mete numas enrascadas investigado alguns casos e o Vere vai junto, e não sabe se protege ela ou fica enfurecido pelos riscos que ela corre. Eles combinam muito bem, ambos solitários, ambos fortes e determinados, com dificuldade para se adaptar um ao outro, mas percebendo que para dar certo tem que ser assim. Gostei muito dos dois, da Lydia principalmente por ser tão dona de si. O livro tem tensão sexual, mas uma ou duas no máximo, cenas de sexo e pouco descritivas. Quem não gosta de cenas assim, mas não quer deixar de ler um romance se joga!

Por mais que eu tenha amado o livro, tem um ponto estranho que eu preciso comentar com vocês. Ele é narrado como se fosse uma novela, por capítulos alternando personagens, não só os principais, e isso acarreta vários cortes no enredo e nem sempre eu consegui pegar o fio da meada depois. Me senti perdida e sem entender algumas coisas, como se a autora esquecesse de explicar pontos e depois pensasse que o leitor já conhecia eles. Não sei se me fiz entender, mas tem fatos que não são explicados e o enredo segue assim. Fora isso, a narrativa fui muito bem e é permeada, além da comédia, pela ação e mistério. Vários mistérios aliás e é onde voltamos a questão da atenção, pois se você dorme no ponto não percebe as peças se encaixando.

A Loretta Chase é conhecida por ter escrito o romance histórico que todo mundo deveria ler, isso foi uma escolha dos fãs. O livro em questão, O príncipe dos Canalhas (vale um parênteses aqui, os personagens desse livro aparecem aqui), já foi resenhado no site e eu concordo plenamente, mas também acho que esse segundo tinha que ser incluído nessa lista. O último dos Canalhas tem diálogos inteligentes e acima da média de outros livros do gênero. Se você não prestar atenção pode perder a piada ou ter que ler o trecho novamente. É um livro rápido de ler, que te conquista com a sagacidade dos personagens e você só larga quando termina. Acho bom que a editora Arqueiro tenha comprado outros livros dessa autora, porque estou viciada e quero ler todos os livros dela.

Se houvesse alguma justiça no mundo, Lydia disse a si mesma, ele haveria se transformado no sapo que era no instante que sua boca perversa tocou a dela.

www.seja-cult.comO Último dos Canalhas - Canalhas #2
Loretta Chase
Editora Arqueiro: Twitter/Facebook

Um comentário:

  1. Olá Denise!

    Ok, duas coisas que me atraíram pra essa resenha: uma, o fato de ser um romance de época. Duas, essa capa. Eu sinceramente amei essa capa! Mas sim, então, tapas e beijos, né? Eu já li alguns livros com esse tipo de casal (muitos de época inclusive), já gostei de alguns e já me decepcionei com outros, mas nesse momento não está sendo bem o tipo de leitura que me atrai. Como eu sou uma pessoa de fases pra quase tudo, vou por esse na minha lista pelo pressentimento de que em algum momento eu vou procurar por um enredo desse tipo.

    Bjs.
    like-a-livros.blogspot.com

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.