Resenha: Apenas um Dia

11/11/2015


A vida de Allyson Healey é exatamente igual a sua mala de viagem: organizada, planejada, sistematizada. Então, no último dia do seu curso de extensão na Europa, depois de três semanas de dedicação integral, ela conhece Willem. De espírito livre, o ator sem destino certo é tudo o que Allyson não é. Willem a convida para adiar seus próximos compromissos e ir com ele para Paris. E Allyson aceita. Essa decisão inesperada a impulsiona para um dia de riscos, de romance, de liberdade, de intimidade: 24 horas que irão transformar a sua vida. 

Apenas um Dia fala de amor, mágoa, viagem, identidade e sobre os acidentes provocados pelo destino, mostrando que, às vezes, para nos encontrarmos, precisamos nos perder primeiro... Muito do que procuramos está bem mais perto do que pensamos. 

Apenas um dia é divido em duas partes, e é narrado em primeira pessoa pela personagem Allyson, uma garota comum e metódica que, ao terminar os estudos, ganha de seus pais um tour pela Europa e viaja com a amiga Melanie. A verdade é que Allyson não consegue se divertir durante todo o passeio e, quando um lindo ator aparece e as convida para assistir a uma peça de Shakespeare, o que está fora de seu roteiro, ela e a amiga dão um jeito de escapulir e fugir um pouco da rotina. Allyson fica encantada com a peça e, quando está no trem de volta a Londres, ela e o jovem ator, que ela descobre se chamar Willem, se reencontram.

Ele a chama de Lulu, comparando-a a uma atriz do cinema mudo e, de forma bastante inesperada, ao ouvi-la se queixar à amiga por não terem conhecido Paris, ele a convida para viajar com ele. Allyson faz muitas ponderações, mas acaba aceitando o convite e mergulha de cabeça nessa nova aventura. Já em Paris, ela se sente completamente como se fosse outra pessoa, sem medos, com desejos e se liberta ao lado de Willem. Ambos têm apenas um dia para aproveitar e ele a leva por todos os lugares possíveis, de forma bem espontânea, sem rumo, como se tudo fosse uma surpresa. Willem é um personagem apaixonante, muito simpático, muito livre e alegre, mas que, ainda assim, esconde algum mistério.

Acho que faz parte da natureza humana continuar avançando quando se está na frente, independente de qualquer coisa. Você só desiste quando se está atrás.

Allyson é uma garota sistemática, que tenta o tempo todo agradar aos pais, por mais que seus sentimentos e desejos sejam diferentes. Isso me fez ter um pouco de raiva dela, pois, apesar de sua mãe ser bem controladora e estar sempre querendo saber onde está, ou vai e tudo mais, penso que ela poderia ter um pouco mais de pulso firme, afinal se tratava da felicidade dela. E eu não poderia deixar de falar da amiga Melanie, uma personagem cheia de atitude, divertida e que ao longo da narrativa esta sempre se transformando de várias formas. O livro possui uma narrativa muito gostosa. Apesar de eu achar um tanto inconcebível uma pessoa se apaixonar por outro em apenas um dia, coisa que eu superabomino nos romances, a maneira como a Allyson nos leva a ver Willem, sentir a cidade de Paris, a profundidade de emoções com que ela nos presenteia, conseguiram ultrapassar a minha descrença.

Eu amei o tempo em que ela e ele estiveram juntos e eu sorria com a personagem, sentia ciúmes com ela e conseguia compreender seus sentimentos. Esse foi o primeiro livro que li da autora e confesso que ele me deixou um sentimento dúbio. Ao mesmo tempo em que gostei e, como disse acima, consegui compreender a Allyson, achei também um pouco exagerada a forma como ela resolveu lidar com tudo depois da viajem. Não posso falar muito para não dar spoiler, mas penso que ela poderia ter sido mais forte e ter tido um pouco mais de determinação.

O final foi outra coisa que me decepcionou. Não gosto de finais em abertos, pois sofro muito com isso. Ainda assim, a mensagem do livro é muito importante como nos diz a chamada: ás vezes, para nos encontrarmos, precisamos nos perder, e Allyson precisou passar por tudo que passou para saber quem ela era de verdade. E apesar de não ter curtido o final, sem dúvidas essa é uma leitura que vale a pena pelo tanto que nos ensina e por ser tão envolvente.

Apenas Um Dia - Apenas Um Dia #1
Gayle Forman
Editora Novo Conceito: Twitter/Facebook

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Tecnologia do Blogger.