Resenha Histórica: Ligeiramente Escandalosos - Os Bedwyn #3

28/10/2015


Freyja Bedwyn é uma mulher diferente das outras damas da alta sociedade: impetuosa e decidida, ela preza a independência e a liberdade acima de qualquer coisa – até mesmo do amor. Até que o destino lhe apresenta Joshua Moore, o marquês de Hallmare, um homem cheio de charme e mistério, dono de uma beleza estonteante e de uma reputação terrível. Quando ambos se encontram a caminho da pacata cidade de Bath, a química entre os dois é imediata. 

Entre encontros e desencontros, conflitos e provocações, Joshua faz uma proposta inusitada: pede que Freyja finja ser sua noiva, para evitar que uma artimanha de sua tia o leve a se casar com a própria prima. Para uma dupla que acha graça das convenções sociais, esta parece ser a oportunidade perfeita para se divertir. Mas a brincadeira acaba trazendo consequências inesperadas. Aos poucos, suas máscaras vão caindo e ambos se revelam pessoas bem diferentes do que aparentam. 

Neste terceiro livro da série Os Bedwyns, Mary Balogh se aprofunda ainda mais nos segredos e desejos dessa família incomum e extremamente sensual.

Depois de se decepcionar no amor, com um casamento que acabou não acontecendo, Freyja Bedwyns não quer saber mais do assunto. A atenção de um homem que ela não deseja balança essa posição, já que para a sociedade, ela passou, e muito, da hora de casar. Só que ela não quer esse casamento arranjado, pois deseja um homem que mexa com ela e torne seus dias menos tediosos do que nas rodas de Londres. Esse homem vem na forma do boa vida Joshua, que quer mais é aproveitar a solteirice e vê em Freyja uma concorrente a sua altura, no que diz respeito a querer ter uma vida mais agitada. Os dois de se desentendem a principio, mas veem na relação, mentirosa, uma forma de afastar compromissos indesejados. Só que nesse caso, a mentira pode virar realidade, quando a atração entre os dois falar mais alto.

O livro é narrado em terceira pessoa, o que é comum em romances históricos, acompanhando a Freyja e o Joshua. A Freyja já conhecemos nos outros livros, é a irmã mais mal-humorada, nariz empinado e que já pensa nos direitos das mulheres. Ela quer poder escolher: seu marido, o que fazer e a vida que quer levar; é forte, determinada e boca dura. O Joshua é o seu oposto, ele é brincalhão, não leva nada a sério. Ele acabou de receber um título de nobreza que não queria, só porque ele significa responsabilidades, uma coisa que ele quer evitar por agora. O Joshua é um boa vida encantador. Mas, tem um lado do Joshua que é revelado ao longo da estória que me agradou bastante, e a Freyja também, que diz respeito a uma das primas.

- Coração - Freyja percebeu que ele estava caminhando ao lado dela -, você fica ainda mais atraente quando está furiosa.


Eu estava bem curiosa para ler esse livro. Na prova que tivemos no anterior, os dois se conhecem de um modo engraçado. O Joshua entra no quarto em que a Freyja está, fugindo de algo, e ela bate nele por isso. Só dai já dá para ter uma noção de como é a personalidade dela. Quando eles se reencontram depois dessa cena, acabam se provocando a todo momento. Nenhum deles que dar o braço a torcer e fica instigando o outro com apostas, cena combinadas e arranjos engraçados. Um desses arranjos acaba colocando eles como noivos e é ai que começamos a conhecer melhor cada um deles. A Freyja revela um lado mais romântico, de uma mulher que quer ser amada pelo homem certo. O Joshua mostra um lado sério no decorrer da narrativa, preocupado com a família e vendo que ter a mesma mulher do seu lado todos os dias, pode sim ser uma coisa boa.

O outro motivo que despertou a minha curiosidade em relação ao livro, foi que a Freyja é uma mulher feia. Pode parecer bobagem, mas isso é uma marca dela, algo que ela repete muito e eu queria saber como que a autora trabalharia isso. E o que ela fez? Colocou a Freyja com um cara lindo, daqueles que chamam a atenção. Por mais que o fato de ser feia seja algo dito durante quase todo o livro, isso não afeta muito a personagem, que sabe ter outros atrativos além da beleza. O Joshua tem uma postura interessante nesse caso, como um bom Don Juan, ele encontra outras qualidades nela para poder conquistá-la. Ele nunca diz que ela é bonita, o que para todos os efeitos ele estaria mentindo, mas consegue fazê-la se sentir querida de outras formas. No fim das contas, não é só a beleza que importa, como bem sabemos.

Todos os livros da série foram bons, mas esse foi o que mais gostei. Ele tem um toque de humor, mistério, personagens mais destemidos e romance. Por falar em romance... a autora tem o jeito dela de escrever essa cenas. Não são muito descritivas, mas elas estão ali. A tensão e a vontade de ceder, também aparecem. Os dois combinaram muito, sendo opostos e crescendo durante a narrativa, mostrando lados que no começo não tinham. No fim desse não tem prova do próximo livro, então não sei sobre qual irmão será, mas como a editora não demora a lançar, logo logo tá na livraria. Já recomendava a autora antes e continuo recomendando, foi uma ótima leitura. A sim, já ia me esquecendo. O título tem tudo a ver com os dois.

Havia uma forte tradição entre os Bedwyns de que, depois que se casassem, permaneceriam fies aos conjugues pelo resto de suas vidas.

www.seja-cult.comLigeiramente Escandalosos Os Bedwyn # 03
Mary Balogh
Editora Arqueiro: Twitter/Facebook

Um comentário:

  1. eu gostei bastante porque me identifiquei muito com Freyja então cada página foi uma viagem, como se fosse uma conversa de amigas
    felicidadeemlivros.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.