Resenha: Uma curva no Tempo

23/09/2015


A noite do acidente mudou tudo... Agora, cinco anos depois, a vida de Rachel está desmoronando. Ela mora sozinha em Londres, num apartamento minúsculo, tem um emprego sem nenhuma perspectiva e vive culpada pela morte de seu melhor amigo. Ela daria tudo para voltar no tempo. Mas a vida não funciona assim... Ou funciona?

A noite do acidente foi uma grande sorte... Agora, cinco anos depois, a vida de Rachel é perfeita. Ela tem um noivo maravilhoso, pai e amigos adoráveis e a carreira com que sempre sonhou. Mas por que será que ela não consegue afastar as lembranças de uma vida muito diferente?

Logo que Rachel, seu namorado Matt, seu amigo Jimmy e as demais pessoas que fazem parte do ciclo estão próximos de ir à faculdade e se afastar, um encontro é marcado entre eles para que possam se despedir um dos outros. Tudo está muito bem, cada um nutre uma perspectiva maravilhosa para o futuro até que um acidente ocorre. De forma inesperada, um carro vem em alta velocidade de encontro ao grupo: a maioria consegue se salvar, entretanto, tentando resgatar Rachel, Jimmy acaba morrendo.

Cinco anos depois, Rachel está num trabalho que não a faz feliz, em outra cidade, já não está mais noiva de Matt, seu pai está muito doente e ela ainda carrega uma cicatriz no rosto que sempre a lembra de que Jimmy já não está mais lá por praticamente ter dado sua vida para salvar a dela. Rachel passa todo aquele tempo sem voltar à antiga cidade, todavia, por mais que tente se desvencilhar das lembranças, ela é forçada a regressar para comparecer ao casamento de sua melhor amiga. Ao andar pelas ruas geladas para encarar as lembranças, Rachel visita o túmulo de Jimmy e, sentindo-se completamente fraca, perde todos os sentidos.

Quando Rachel acorda, sua vida está totalmente diferente: ela ainda é noiva de Matt, seu pai já não está doente, ela possui o emprego dos sonhos e, mais que tudo, Jimmy está vivo. Intrigada por não se lembrar de seus últimos cinco anos terem sido tão felizes, e de Jimmy estar lá, pois todas as lembranças que possui são totalmente contrárias, Rachel não consegue aceitar o fato de tudo estar tão bem sem ir atrás da verdade que ela conhece, por mais que todos aleguem que sua vida sempre fora assim.


A estória é narrada em primeira pessoa pela personagem Rachel, que se mostra uma personagem num primeiro momento arrasada pelos acontecimentos; já num segundo momento, ela se mostra curiosa e avida por descobertas, pois não consegue afastar as lembranças das tragédias decorridas da sua vida, do terrível acidente que levou seu melhor amigo Jimmy. Matt, que aparece bastante, ora mostra-se um personagem bem preocupado e agradável, mas também tem alguns momentos de arrogância e ao longo da narrativa guarda algumas surpresas. E, enfim, Jimmy que se mostra tão paciente, amoroso, carinhoso e, apesar da descrença de todos, pois Rachel é muita aberta em contar a eles sobre o que lembra e o que não lembra, sempre está ao lado dela sem julgá-la ou achar que ela é uma completa maluca.

Quando vi que a Arqueiro ia lançar esse livro eu pensei que iria gostar, mas não imaginei que fosse tanto. A estória é narrada em primeira pessoa pela Rachel, então é fácil sentir as aflições, angustias e a ansiedade que a tomam, é quase como se os sentimentos dela, a curiosidade saltassem das páginas e você pudesse apalpá-las. Você não consegue largar o livro, pois precisa saber qual será o desfecho e a cada capítulo há algo novo que deixa você completamente envolvido.

Eu realmente amei a leitura do livro e estava esperando um desfecho lógico para ele e, talvez o que eu diga seja spoiler, mas, por um lado fiquei contente pela explicação não ter sido algo fantasticamente mágico; por outro, fiquei um tanto arrasada. Eu meio que já imaginava aquilo (vocês terão de ler para saber), mas não exatamente daquele jeito, eu não estava preparada e chorei horrores depois da leitura e, sempre que lembro, meu coração aperta. Vi em algumas resenhas que muita gente não gostou, mas eu achei, ao seu modo, um final perfeito. Não do tipo perfeito que eu quero para todos os livros que leio, mas um perfeito para aquela situação, digamos.

A diagramação do livro é linda, a capa é tão perfeita, acho que foi uma das capas mais significativas que eu já vi, apesar de parecer um tanto simples, ela resume tanto da história, que eu só tenho elogios a fazer à editora. Uma Curva No Tempo é uma obra maravilhosa, indico, mas já alerto para que preparem seus corações e vários lencinhos, pois vocês certamente irão se emocionar.

https://www.facebook.com/literaturadeepoca?fref=tsUma Curva No Tempo
Dani Atkins
Editora Arqueiro: Twitter/Facebook

Um comentário:

  1. eu acho a história linda, linda demais então não consigo me desligar por completo dela... é o meu xodó
    felicidadeemlivros.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.