Resenha: Para onde vai o Amor?

26/08/2015


O amor não é uma propriedade de quem sente, é uma transferência total para quem é amado Você que está vendo este livro com dúvida se precisa dele, você não precisa dele, precisa de si, vive caçando uma palavra que confirme o que deseja, está atrás de um escritor que possa lhe recomendar de volta para quem brigou, com capacidade de explicar o que sente e traduzir seus tormentos. Mas já sabe o que deseja, não há como convencer do contrário, os amigos mostraram que seu relacionamento não tem futuro. Não acredita neles, acredita somente no milagre. 

E como justificar um milagre, ainda mais para quem não tem mais fé? Eu entendo o que está passando: sua raiva, sua amargura, seu cinismo, seu desencanto. Percebeu que a razão não conforta, que a vingança ou o perdão não ressuscita a tranquilidade, que o fundo do poço nunca se equivale ao nosso fundo. Você parece normal, mas todo mundo deixa de ser normal quando se apaixona e se separa. Se sua expectativa é por uma solução, eu guardo apenas uma certeza que trará alívio mais adiante: você não vai desistir. Quando diz que acabou a relação, é que está procurando um outro jeito de recomeçar. 

Em seu novo livro de crônicas, Carpinejar apresenta 42 textos que sobre amor, desilusão amorosa, casamento, divórcio, saudade e outros sentimentos que compõem os relacionamentos. 

• Novo livro de crônicas do autor gaúcho. 
• Décimo sexto livro do autor publicado pela Bertrand Brasil — oitavo de crônicas.

Para onde vai o amor é um livro de crônicas onde o autor, de um modo simples e poético, aborda os temas do relacionamento. Fala com bastante delicadeza das relações humanas, pautando-se em pequenos gestos que podem mudar o dia a dia do casal. Ele discorre sobre o cuidado em ouvir aquele que está ao seu lado, compreendê-lo, ter paciência, mostra as diferenças entre um termo e outro, entre tantas outras coisas.

Quando peguei esse livro nas mãos e vi a capa, achei que não fosse gostar. Na verdade, pensei que fosse um livro de autoajuda e, para ser sincera, apesar de até gostar do gênero, tenho sentido que as histórias, a maneira de abordar os problemas têm sido muito repetitivas. Mas quando eu o abri e comecei a lê-lo fiquei bastante surpresa com a maneira como os assuntos do “amor” foram tratados.

O homem não fala tudo para os amigos, fala o que pode. O homem fala tudo para a mulher que ama, fala o que não imaginava falar um dia.


É um pouco difícil resenhar sobre um livro de crônicas, porque são vários fatos curtos, apesar de haver apenas um tema central. Dá vontade de falar sobre todos, pois cada uma tem algo especial, uma mensagem maravilhosa. Quando ele fala sobre amantes, quando ele diz que, a novidade está nos gestos que você prática para ela e deixou de praticar para sua companheira, você se pega pensando que isso é uma completa verdade e começa a ter uma visão óbvia de tudo que parece tão complicado. Onde a gente só enxerga o começo de uma tempestade, ele nos mostra o sol entre as nuvens carregadas.

Carpinejar soube falar com muita propriedade, e quando você lê, você se pega refletindo sobre muitas coisas, identificando-se com várias delas, e vai percebendo que muitas vezes algumas atitudes sobre o amor são interpretadas de maneira errônea, sendo que algumas delas servem para o bem e outros para o mal. O autor faz você perceber, de um modo ás vezes até cômico, que, quando parece que tudo está acabado num relacionamento, na verdade o que faltava era só um pouco mais de tempo para pensar. Indico o livro, é fofo, curto, e só têm a nos acrescentar. É realmente uma ótima leitura.

O devoto foi feito de pele de aço e alma de vidro. Encontra explicações na própria esperança, mesmo quando mesmo quando não é retribuído ou correspondido. Pode ser criticado, ofendido, abandonado, esquecido, maltratado, torturado e não vai desistir.

https://www.facebook.com/literaturadeepoca?fref=tsPara Onde Vai o Amor?
Fabrício Carpinejar
Editora Bertrand Brasil: Twitter/Facebook


Um comentário:

  1. Ainda não tinha lido resenhas desse livro e confesso que a sua me surpreendeu. Fiquei com muita vontade de ler, especialmente por conta da primeira quote e pela sensibilidade que parece imperar no livro.
    Parabéns, ótima resenha!
    Beijos
    Nica

    http://www.draftsdanica.com.br/

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.