Cine Cult: Expresso do Amanhã

24/08/2015

Expresso do Amanhã | Lançamento: 27 de agosto de 2015 


Quando eu vi o trailer desse filme a primeira coisa que que eu pensei foi: que filme louco! A segunda foi que ele estava próximo demais da realidade para que eu não me sentisse um pouco angustiada. Expresso do Amanhã é sobre um grupo de sobreviventes que vivem em um trem depois que o mundo acabou em neve. Na verdade ,em 2014 o governo, e não fica claro qual, tentou reverter o aquecimento global enviando uma substância para o espaço que resfriaria a Terra. Só que o resfriamento saiu do controle e a Terra congelou. O enredo se passa um pouco a frente disso e só fica claro que as pessoas que sobreviveram foram separadas com uma parte que fica na frente e outra atrás no trem, mas como houve essa separação não é explicado.

A loucura desse filme começa quando você pensa que as pessoas vivem em um trem que não para de se movimentar nunca. Existem trilhos percorrendo os Estados Unidos inteiro formando ciclos de um ano. A ponta do trem quebra o gelo e ele é revertido em água e com água você consegue sobreviver. É como se fosse uma Arca de Noé, dentro do trem tem tudo o que esse grupo precisa para sobreviver. O trem é composto de 20 vagões e é como se eles representassem as classes sociais. Nos vagões mais perto da ponta que quebra o gelo, e que tem a locomotiva responsável pelo trem circular, estão a parte rica e nos vagões finais estão a parte pobre. A trama do filme se desenvolve quando o Curtis (Chris Evans), um dos passageiros da parte pobre, não aceita mais essa condição e tenta chegar a parte da frente do trem.


Abstraiam toda essa parte do trem e pensem só nas classes, não é o que vivemos hoje? A parte de cima, rica, e a parte de baixo, pobre. Uma tentando sempre ficar por cima e a outra tentando ascender. No caso do filme isso é linear e é agravado pelos maus tratos que a classe pobre passa. Eles não tem comida, pouca água, poucas condições de higiene e ainda sofrem com outras coisas que contar seria spoiler. Essa parte também não é tão diferente do que vivemos hoje, mas enfim. Ainda com relação ao que dá para ser comparado com a realidade, tem um personagem que se destaca pelos discursos complicados de engolir, mas que são reproduzidos ainda nos dias de hoje, que é o da Tilda Swinton. Ela é a porta voz do cara que construiu o trem e responsável por manter as classes baixas no seu devido lugar. O discurso sobre o chapéu e o sapato é o destaque sem dúvida, e quem ver saberá porquê.  

Se pensarmos nesse filme como se passando em um lugar só, o trem, ele não tem uma fotografia que chame tanta a atenção assim, mas entre os vagões tem mundos construidos e isso acaba fazendo a diferença. A trilha sonora é quase inexistente e a classificação do filme é alta porque tem muitas cenas de violência. São cenas que eu considero pesadas, com pessoas sendo cortadas, torturadas e por aí vai. O filme também tem muita ação, muitas cenas de lutas e no geral ele é bem montado, não ficou vácuos quando as cenas foram juntadas. Talvez o final deixe um pouco a desejar num quesito, mas isso é uma questão de gosto. Provavelmente o roteiro seguiu a HQ no qual foi inspirada.


Antes de saber que esse filme era baseado numa HQ, e eu só descobri isso quando estava pesquisando para fazer a crítica do filme, eu pensei que se fosse um livro, para mim, ele seria uma distopia. Errei um pouco porque ele é uma ficção científica, mas se pesarmos no governo autoritário, dividindo as pessoas em classes e a figura de um herói que libertará a classe sofredora temos uma distopia também. A editora Aleph lançou a HQ este ano com o nome de O perfura Neve e eu estou bem curiosa para ler e saber o que ficou de fora da adaptação e o que entrou. Também quero comprovar, ou não, a teoria de que adaptar uma HQ, por ter menos texto, é mais fácil do que um livro ou roteiro. Eu acho que não, mas quando ler dou a resposta para vocês.

Com direção de Joon-ho Bong, Expresso do Amanhã tem um elenco incrível. Além do Chris Evans estão no filme Tilda Swinton, Jamie Bell, Octavia Spencer, John Hurt, Ed Harris, entre outros. Todos estão ótimos e o meu destaque é para Tilda Swinton como disse e para o Chris Evans, que pela dramaticidade é diferente do personagem que vemos em Os Vingadores. Esse não é um filme que as pessoas vão ver querendo se divertir, mas quando saírem da sessão terão muito o que refletir, pelo tema e a abordagem isso é inevitável. Então os atores no geral, e não só o Chris Evans, acertaram em apostar em um longa que eu espero não ficar perdido entre tantos blockbusters que tem saído recentemente.



Um comentário:

  1. Eu assisti online mesmo por causa da demora do lançamento no Brasil mas quero ler a HQ que inspirou o filme

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.