Resenha: Sombra do Paraíso

08/07/2015


No ano de 2016, cientistas descobrem um astro de natureza desconhecida se aproximando da Terra. Batizado de Keanu, ele logo se torna o destino de uma corrida espacial em pleno século 21. A NASA e a coalizão Rússia-Índia-Brasil passam a concorrer entre si, em uma missão de descobrimento científico temperada com intrigas políticas. Em meio a conflitos pessoais e familiares, o comandante norte-americano Zack Stewart e sua tripulação enfrentam uma perturbação na já complicada rotina no espaço. Keanu é muito mais do que aparenta, e logo os cosmonautas da Destiny-7 e da Brahma veem sua importante missão se transformar em uma aventura perigosa, sem precedentes na história da humanidade.

Com um enredo misterioso, envolvente e inquietante, Sombra do paraíso é o primeiro volume da saga de Keanu, escrita a quatro mãos por dois grandes nomes do cinema e da televisão. Uma obra surpreendente, rica em detalhes sobre viagens espaciais e indispensável para todos os amantes das ciências e de aventuras no espaço.

Antes de mais nada, é bom dizer que o livro foi escrito por dois renomados roteiristas, David S. Goyer com Batman: O Cavalheiro das Trevas e Michael Cassutt com Barrados no Baile entre outros. Nunca vi nenhum, mas sei que fizeram muito sucesso.

Sombra do Paraíso começa no ano de 2016, com a descoberta de um astro desconhecido que está próximo à Terra, ou seja, NEO (Near-Earth-Object), batizado de Keanu (sim, Keanu como o ator de Matrix). A NASA envia a nave Destiny-Venture e a Coalisão formada por Rússia-Índia-Brasil, envia a Brahma, para tentar descobrir o que há nesse astro, se existe alguma forma de vida. Encarregado de comandar a missão da Destiny do lado da NASA está Zack Stewart, que, após perder a esposa em um acidente de carro, fica só para cuidar de sua filha Rachel. Preciso dizer que esse primeiro acontecimento se dá em 2017, e a viajem para explorar Keanu acontece dois anos depois, já em 2019.

Ao chegarem em Keanu, algumas erupções acontecem e, uma das astronautas, acaba se machucando. Ainda assim, Zack e mais dois astronautas da Brahma vão explorando o Objeto e acabam descobrindo que, na verdade, o astro é uma nave estelar. Lá, eles encontram muitas surpresas, e acabam nos mostrando que, afinal, os alienígenas não é como nós pensamos, verdinhos e com antenas. Descobrem também uma poderosa tecnologia, muito mais avançada que a da Terra. Os personagens de Sombra do Paraíso são bem construídos, apesar de nenhum ter uma história aprofundada, até porque são muitos, há até um guia no início do livro para que você possa se situar com cada um deles, saber o que cada um realiza. Todavia, o que chama mesmo a atenção nesse livro são as situações. Claro que temos a sensação dos personagens, aquele drama psicológico de estar em situação de risco, ter de abrir mão ou disso ou daquilo, mas penso que a sacada do livro são mesmo os acontecimentos.


Quando peguei Sombra do Paraíso, reconheço que não fiquei muito animada com a leitura, porque não sou muito adepta ao gênero ficção científica, na verdade nunca havia lido nada nessa linha. Para alguns pode parecer uma heresia o que vou dizer, mas não gosto de Star Wars, Star Trek, Matrix (apesar de ser o único que consegui assistir toda a sequência). Mas eu abri meu coração para a leitura, e confesso que não foi fácil. As primeiras páginas do livro me irritaram e não contribuíram para o meu ânimo, pelo fato de que foram usados muitos termos técnicos e isso fez com que eu me sentisse confusa.

Provavelmente se eu não tivesse que resenhar, certamente não teria prosseguido, o que seria um grande erro e eu estaria perdendo uma baita história. Passado essas primeiras páginas, ao avançar à leitura, fui tomada por uma sensação de curiosidade e envolvimento tão grandes que não conseguia largar o livro. A narrativa oscila entre como eles comandam a missão aqui da terra, e como ela se dá com os astronautas no espaço e a comunicação entre ambos. Então, quando você está no ápice da leitura daquele capítulo, acontece o cliffhanger, ou seja, dá aquela pausa abrupta no melhor da cena, e você fica completamente ansioso para saber o que vai acontecer. Essa estratégia usada pelos roteiristas foi simplesmente espetacular, genial...

 O livro de fato foi muito bem escrito, há descrições sem exageros e falas objetivas. Mesmo para aqueles que, assim como eu, não curtem muito o gênero, o livro tem muito a oferecer e eu indicaria. Já quem realmente gosta de ficção científica vai amar sem sombra de dúvidas. Uma dica que dou para quem for começar essa deliciosa leitura é: quando estiverem lendo e se depararem com as siglas e jargões, há no final da página um glossário para que vocês possa se situar. Achei necessário dizer isso, porque eu só descobri o glossário quando faltava umas 150 páginas para acabar o livro. Nada disso me fez gostar menos da obra, mas eu sei que poderia ter apreciado mais se tivesse a par dos termos que foram usados. Enfim, Sombra do Paraíso é um livro surpreendente que com certeza vale a pena.

https://www.facebook.com/literaturadeepoca?fref=ts
Sombra do Paraíso
David S. Goyer com Michael Cassutt
Editora Aleph: Twitter/Facebook

Um comentário:

  1. Oi, Naiara! Oi, Denise!

    Gosto de ficção científica, mas não é, nem de longe, meu gênero favorito.
    Achei a premissa bem instigante e fiquei curiosa para saber como tudo termina. É ótimo quando o livro surpreende! Ah, termos muito técnicos podem tornar a narrativa maçante mesmo.
    Ótima resenha.

    Beijocas.
    http://artesaliteraria.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.