Resenha Histórica: Ligeiramente Maliciosos - Os Bedwyn #2

26/06/2015


Após sofrer um acidente com a diligência em que viajava, Judith Law fica presa à beira da estrada no que parece ser o pior dia de sua vida. No entanto, sua sorte muda quando é resgatada por Ralf Bedard, um atraente cavaleiro de sorriso zombeteiro que se prontifica a levá-la até a estalagem mais próxima. Filha de um rigoroso pastor, Judith vê no convite do Sr. Bedard a chance de experimentar uma aventura e se apresenta como Claire Campbell, uma atriz independente e confiante, a caminho de York para interpretar um novo papel.

A atração entre o casal é instantânea e, num jogo de sedução e mentiras, a jovem dama se entrega a uma tórrida e inesquecível noite de amor. Judith só não desconfia de que não é a única a usar uma identidade falsa. Ralf Bedard é ninguém menos do que lorde Rannulf Bedwyn, irmão do duque de Bewcastle, que partia para Grandmaison Park a fim de cortejar sua futura noiva: a Srta. Julianne Effingham, prima de Judith. Quando os dois se reencontram e as máscaras caem, eles precisam tomar uma decisão: seguir com seus papéis de acordo com o que todos consideram socialmente aceitável ou se entregar a uma paixão avassaladora?

Neste segundo livro da série Os Bedwyns, Mary Balogh nos conquista com mais um capítulo dessa família que, em meio ao deslumbramento da alta sociedade, busca sempre o amor verdadeiro.

Rannulf conhece Judith da forma mais inusitada possível. Ele a vê na beira da estrada e oferece ajuda a ela. Na estalagem onde eles passam a noite, ambos dão nomes falsos e querem desfrutar da atração que surgiu quase que instantaneamente. Dois dias depois, Judith abandona Rannulf e segue viagem sozinha. Tudo estaria bem se Rannulf não estivesse indo encontrar sua possível noiva na casa vizinha a que Judith está hospedada. Além disso, a noiva em questão é prima dela. Os dois agora vão lavar a roupa suja das mentiras e terão que conviver com a sombra de um romance que não pode acontecer. Mas como dizer não quando o coração deles só sabem dizer sim?

Como no primeiro, esse livro é narrado em terceira pessoa acompanhando a Judith e o Rannulf. A Judith é uma mulher que parece ter dois lados; uma deles é derrotista, já que ela aceita a vida sem felicidade, sendo tratada mal por parentes e vivendo apenas como uma acompanhante. O outro lado quer ser uma atriz, se libertar do fardo de ser a feia da família. Ela encontra um equilíbrio ao longo da narrativa entre quem ela quer ser e quem ela deve ser. O Rannulf é um boa vida, um irmão do meio que não sabe o que fazer com o seu tempo livre, então ele aproveita com jogos e mulheres. Não é bonito e tem um senso de humor ácido.

Os Bedwyns tinham a reputação de serem indomáveis, arrogantes e até mesmo frios.


Eu fiquei bastante empolgada com o primeiro livro por fazer o inverso dos livros históricos, como comentei na outra resenha. Com Ligeiramente Maliciosos eu estava esperando a mesma coisa, uma trama que fosse diferente, foi assim ao mesmo tempo que não foi. A mocinha se render ao cara no primeiro encontro me surpreendeu e foi a cota de diferença, o resto foi bem parecido com os outros romances do gênero. O inicio do livro é muito bom, porque a motivação da Judith é até razoável e para a proposta esse começo combinou e eu acabei lendo bem rápido. Não costumo gostar dessa atração à primeira vista, mas como essa era única oportunidade dela de ter uma experiência com um homem, foi plausível essa loucura.

Quando eles descobrem que mentiram um para o outro e o enredo se desenvolve é bem normal, um pouco calmo demais, mas foi bom. O que não deixou o pique cair foi que um pouco antes do fim temos um mistério para resolver. Na verdade já dá para imaginar o que é, mas a dinâmica do livro ficou melhor porque não animou um pouco as coisas. Os títulos dessa série já dão uma ideia do que esperar dele, maliciosos remete a bem isso que vocês estão pensando. O livro tem cenas de sexo, pouco descritivas, mas ele tem uma sensualidade que remete a questão do malicioso. A Judith é inexperiente só que ela não tem pudor disso e quer aproveitar tudo, o que faz com que o Rannulf goste e a ensine em algumas coisas. Os dois tem uma boa química por causa desse fato, eles se entendem mesmo quando ela não sabe direito o que fazer.

Não sei se foi intenção da autora e não sei se o primeiro livro tem um pouco de conto de fadas, como os da Julia Quinn, mas esse livro me lembrou um pouco a coisa da Cinderela. A menina maltrapilha que é maltratada por uma parte da família, mas que depois se torna linda e fica com o príncipe. Pode até ser que tenha outros contos parecidos com esse e caibam melhor no livro, mas eu fiquei com a impressão de que essa narrativa foi elaborada como um conto de fadas. Foi uma leitura boa, apesar do meio parado, mas que os personagens interessantes não fizeram ser chato. A série tem se mostrado bem promissora e o próximo deve ser um dos melhores, estou apostando nisso. É com a irmã impetuosa, que não leva desaforo e é independente e feia. Pelo menos é descrita por todos assim. Vamos ver o que a autora vai preparar nesse livro, pelo titulo teremos muitos escândalos.

O amor não é físico, mental ou emocional. É maior do que qualquer uma dessas coisas. É a verdadeira essência da própria vida, não concorda? Esse grande mistério que não se pode expressar, que passamos a compreender melhor através da descoberta do ser amado. 


www.seja-cult.com Ligeiramente Maliciosos - Os Bedwyn #02
Mary Balogh
Editora Arqueiro: Twitter/Facebook

Um comentário:

  1. pode surtar agora ou daqui a pouco?
    sou apaixonada por estes romances de época e ja faz um tempo que acompanho o trabalho da Mary no face, com as multiplas divulgações! Estou conhecendo uma nova forma de escrever romance de época que esta me encantando! Mary tem um jeito especial de escrever
    ja apaixonada
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.