Resenha: Dois garotos se Beijando

29/06/2015

Baseado em fatos reais e em parte narrado por uma geração que morreu em decorrência da Aids, o livro segue os passos de Harry e Craig, dois jovens de 17 anos que estão prestes a participar de um desafio: 32 horas se beijando para figurar no Livro dos Recordes. Enquanto tentam cumprir sua meta — e quebrar alguns tabus —, os dois chamam a atenção de outros jovens que também precisam lidar com questões universais como amor, identidade e a sensação de pertencer.

Dois garotos se beijando conta a história de jovens homossexuais; O livro começa com o narrador nos apresentando a cada personagem do livro e suas personalidades. Logo nas primeiras páginas somos apresentado -pelo menos para mim foi- a um mundo novo e real. Os dois garotos se beijando são Craig e Harry que resolvem participar de um desafio - 32 horas se beijando para entrar no livro dos recordes. A partir desse beijo a historia desse e dos outros personagens a que somos introduzidos são exploradas e interligadas.

No livro além de Harry e Craig, temos o possível casal Avery e Ryan que se encontram em uma festa e começam a se conhecer, Peter e Neil que já são um casal de verdade, Cooper, garoto gay solitário que usa a internet para fugir da realidade e de quem é de verdade. Tariq jovem seguro de si e amigo de Craig e Harry. Desde a primeira página o livro me prendeu. A história é sobre amor e em nenhum momento foge disso, e não tem nada de diferente de uma relação de amor sobre casais heterossexuais que ainda são jovens demais e confusos demais. Assim que comecei a ler, percebi que seria um livro especial e foi, eu gostei tanto e marquei tanta passagens e frases que parece que já li o livro umas 5 vezes.

Não é um livro dividido em capítulos, o que muda é que cada hora o narrador (espiritos que morreram com AIDS) da enfase a uma vida diferente. A narrativa é simples e te prende fácil, não é preciso grande esforço para gostar da leitura. Só tinha lido o livro Will Graysson Will Graysson, parceria desse mesmo autor com John Green com um tema gay e não sabia muito o que esperar quando peguei esse livro para ler e me surpreendi demais. Foi novo para mim e especial; Conforme vamos lendo a gente sente amor, e o que é a vida sem amor de todas as formas e cores. As vezes, durante algumas passagens você só queria abraçar os personagens e chorar ou sorrir junto. É um livro que te toca de várias formas diferentes, não tem como fugir disso.


Enquanto eu lia, tive certeza que as escolas deviam passar esse livro como meta de leitura, que os filhos deviam pedir pros pais lerem também, pra que todo mundo que ainda seja cabeça fechada para formas diferentes de amor passe a ver as coisas de outra forma. É um livro que daria boas discussões. Se é amor é amor e ponto. E isso precisa ser levado adiante, não importa se é menina com menina, menino com menino, menina com menino. É amor, faz bem, merece ser sentido, sem medo, vergonha. O livro se tornou especial para mim e tenho certeza que se tornará para todo mundo que parar para ler.

A leitura flui rapidamente e é cheia de momentos fofos, outros não tão fofos, e momentos para se pensar sobre como estamos levando nossa vida e nossos relacionamentos no geral ( familiar, amizade, namoros). Adorei e recomendo demais esse livro. É uma ótima pedida para os finais de semana, principalmente agora que história esta sendo feita de verdade com EUA legalizando casamento gay em todos estados. Se você está procurando um livro com significado, comovente, que vai abrir sua mente, te trazer sentimentos bons, pode pegar Dois Garotos Se Beijando em alguma prateleira por aí, e levar para vida.



Dois Garotos se Beijando
David Levithan
Editora Galera: Twitter/Facebook

Um comentário:

  1. Olá Nayara,

    Só leio resenhas positivas desse livro e a sua não foi diferente, com certeza que que respeitar as diferenças isso é o básico....abraço.

    http://devoradordeletras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.