Resenha: A Vidente

04/05/2015


Um dom misterioso leva uma jovem aos confins do mundo.

Roma Antiga: ano 54 da Era Cristã. A jovem Ulrika, de 19 anos, é assombrada por estranhos sonhos e visões. A fim de descobrir a verdade sobre seu passado e sobre seus estranhos poderes, Ulrika embarca numa perigosa viagem até a terra natal de seu pai, a Germânia. É lá que descobre sua vocação – o dom raro da clarividência.

Perseguindo seu destino, ela viaja para muito longe, da antiga Germânia até lugares exóticos como Síria, Babilônia e Pérsia. Pelo caminho, conhece sábios guias espirituais – homens, mulheres e espíritos – que lhe ensinam a habilidade de curar e proteger os outros. A viagem de Ulrika também a leva a conhecer o belo comerciante Sebastianus Gallus, que parte em uma jornada pessoal ao Extremo Oriente a fim de coletar riquezas para o poderoso imperador Nero. Ulrika precisará lutar para ficar com o homem que ama, cumprir seu destino e inaugurar uma nova era em Roma sob o reinado ameaçador de Nero.

Ulrika sempre sentiu que não pertence ao lugar onde está. Ela tem visões, sensações estranhas, que ela não consegue entender ou saber para o que serve. Buscando essas informações, ela sai em uma jornada de autoconhecimento, procurando mestres que possam ajuda-la nessa busca. Em uma das muitas paradas que Ulrika faz, ela conhece Sebastianus, um comerciante que tem o sonho de ser o primeiro romano a chegar na China. Os dois se conhecem e se apaixonam, mas como ambos tem vontades diferentes, eles se separam e seguem seu caminho. Muita coisa acontece até eles se reencontrarem, anos se passam, e quando eles finalmente estão juntos, pode ser que os sentimentos tenham mudado. Poderia o amor resistir não só ao tempo, como ao amadurecimento também?

O livro é narrado em terceira pessoa acompanhando principalmente a Ulrika, embora tenhamos partes do Sebastianus e outros personagens importantes, mas considerados secundários. Só pela sinopse dá para perceber que a Ulrika terá um papel importante, como se fosse uma salvadora ou heroína, e eu esperava uma personagens mais pomposa, com trejeitos esnobes e tal, mas não, a Ulrika é muito tranquila e humilde. A personalidade dela é de uma pessoa disposta a ajudar e está sempre pronta para isso. O Sebastianus, que é o par da Ulrika, é um homem mais velho do que ela, experiente e que vê a Ulrika muito perdida e tenta ajuda-la. Os dois são muito parecidos nessa questão de ajudar as pessoas, acho que isso também aproximou eles.


A Vidente é um romance histórico, mas histórico de verdade. O livro se passa quase no começo da era Cristã, depois de Cristo, e por isso é preciso ter atenção na parte cultural. Essa é a minha primeira ressalva quanto ao livro, a cultura é diferente, no que eles acreditam é diferente e as cidades também. Como tudo é diferente, claro que algumas palavras também seriam, o que requer que a leitura seja mais devagar. Eu demorei uma semana para ler e teve momentos que eu fui pesquisar onde eram esses lugares que eles estavam passando. A maioria do livro se passa na Itália, mas tem uma parte dele na China também. Não é que a linguagem seja difícil, mas como se passou muito tempo dessa época para cá, claro que a identidade das coisas mudaram.

Outra consideração é sobre a religião. A religião daquela época é diferente da nossa e ler como isso influenciava as pessoas foi interessante, na verdade foi interessante ver que isso não mudou muito daquele tempo para esse. Essa influencia aconteceu tanto para o bem, quanto para o mal. Também é preciso ler esse livro com a mente mais tranquila nesse sentido, sem ficar comparando com o que é hoje ou achando que a autora está querendo mudar algo, ela só está apresentando como as coisas funcionavam naquela época. Pelo que eu pesquisei e forçando a memória das minhas aulas de história, isso não está muito longe da verdade não. A autora deve ter feito uma boa pesquisa sobre o assunto e colocado uma ou outra coisa fictícia.

Eu sou uma pessoa impaciente e queria que o romance do livro fosse mais ágil, só que a proposta do enredo é de autoconhecimento, então o romance fica em segundo plano. Acabou que essa parte foi a que mais gostei, dessa paciência que precisamos ter para nos conhecer, nos encontrar na vida, o livro é sobre espera e nada mais justo do que ela me fazer esperar para ter o romance que eu tanto queria. Se você for ler o livro avido por isso e principalmente pela frase na capa do livro vai se decepcionar, mas calma, o livro prende em outros enredos, outras possibilidades. A Ulrika viaja muito e de cada pessoa que ela encontra tira um ensinamento e a estória dessa pessoa é contada, o que faz com que o enredo sempre tenha algo novo. Agora eu estou empolgada para ler um outro romance da autora, que já li comentários muito bons, Esta terra dourada.

www.seja-cult.com
A Vidente
Barbara Wood
Editora Record: Twitter/Facebook

2 comentários:

  1. Eu adoro esses livros históricos, históricos de verdade. Com magia, sem magia, romance, tudo!!!

    Amei a resenha. Não sabia nada do livro, adorei esse trem todinho!!!!

    Bjks

    Lelê - http://topensandoemler.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Olá Denise,

    Mais um livro que fico conhecendo aqui, mas confesso que não me despertou interesse, que bom que gostou....abraço.

    devoradordeletras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.