Resenha: Melhor que chocolate - Amor e Chocolate #1

25/03/2015


Amor. Chocolate. Paris. Que atire a primeira pedra quem não gostaria de ter essas três coisas misturadas em meio a uma aventura inesquecível. Pois é mais fácil do que parece, basta abrir este delicioso (sem exageros) romance de Laura Florand. Cade Corey é uma jovem executiva que cuida do negócio bilionário de chocolate da família, uma empresa popular nos Estados Unidos. 

Ela sonha em construir uma linha premium de seus produtos, e, como boa conhecedora do seu negócio, sabe que encontrará o chocolate perfeito em Paris. Na verdade, o chocolate perfeito está, mais especificamente, nas mãos igualmente perfeitas de Sylvain Marquis, o melhor chocolatier da cidade. O problema é que Sylvain se recusa a associar sua arte a uma grande empresa que só pensa em destruir sua técnica para reproduzi-la em grande escala. Isso para ele é um insulto, e não uma proposta! 

Contudo, embora o francês jure que está em paz para tocar a vida, aquela americana teimosa não lhe sai da cabeça. E Cade sente o mesmo: adoraria simplesmente fechar negócio com outro especialista parisiense, entretanto, não consegue esquecer os olhos cortantes de Sylvain e sua personalidade arrogante, porém tão viciante quanto seus doces. Paris está prestes a ficar pequena para o que existe entre eles. Pegue uma boa xícara de café e saboreie tudo aquilo que é melhor que chocolate. Você não vai se arrepender!

Cade sempre sonhou que a sua linha de chocolates padrão, barata e sem uma qualidade de alto nível, ganhasse uma versão premium, com chocolates mais caros e com sabores melhores. E quem, se não os franceses, entendem tão bem dessa especiaria, não é verdade? Por isso ela vai passar um mês em Paris procurando chocolatiers para assinar essa nova linha, mas Cade já tem alguém em mente, o chocolatier mais famoso de Paris, Sylvain. Sylvain é um homem que cresceu em meio a uma vida difícil e que descobriu no chocolate mais do que uma forma de ganhar dinheiro. Com o chocolate ele também descobriu um meio de alcançar o coração das mulheres. Mas sua vida amorosa não é o mar de rosas que o chocolate pode oferecer, falta a mulher certa e Cade pode ser essa mulher.

O livro é narrado em terceira pessoa acompanhando mais o ponto de vista da Cade do que do Sylvain. Ela é uma mulher que oscila entre o que quer e o que a empresa da família precisa. Cade quer ser livre em suas escolhas, mas esbarra no comprometimento com os seus chocolates. Por diversas vezes ela é confusa, não sabe ser firme e fica mudando de opinião. Sylvain já é um homem decidido, que acredita no seu trabalho e que faz o melhor chocolate da França. Ele tem uma aparência normal e pelo que está descrito, não chamaria atenção se não fosse pela sedução que ele faz usando o chocolate. O que mais me incomodou nele foi o preconceito que ele tem contra os estrangeiros. Acho que isso pegou um pouco mal para o personagem.


Começando pelo romance do livro, não deu certo no meu ponto de vista. Primeiro que os dois sentem uma atração muito rápido, claro que isso dá para relevar, mas o fato da Sylvain ser muito bitolado e impor a sua ideia o tempo todo, não me passou a mensagem de casal que dá certo. Eles dão certo na cama, mas quando conversam, não. E sou daquelas que acredita que sexo e amor precisam estar em harmonia e que não dá para você se focar apenas em uma coisa e deixar a outra de lado. Quando eles conversam é só sobre o Sylvain não abrindo mão de nada, só fazendo a Cade se submeter ao que ele deseja. Ter uma vida com esse tipo de pessoa, que não faz concessão e acha que tá sempre certo, deve ser horrível.

O livro tem um teor sensual, mas nada muito explicito. São poucas cenas de sexo e muito rápidas, então se você não gosta desse tipo de romance, cru, vai gostar bastante. A narrativa de Melhor que chocolate foi outro detalhe que me incomodou. Senti que algumas cenas foram deixadas sem propósito, mais aleatórias mesmo, e o livro tem muita repetição de palavras e intenções. A todo momento a Cade ficava repetindo que estava em Paris para realizar seu sonho, ter uma linha melhor de chocolates, da primeira vez eu já tinha entendido, então não precisava repetir tantas vezes. Faltou uma lapidação na quantidade de pgs, que poderia ser menor, e nessa repetição desnecessária.

Ele não conseguia parar de pensar em como seria a sensação de derreter a língua dele. Ele. Não apenas o chocolate que ele fez para seduzi-la, mas ele próprio.


O ponto alto do livro e que com certeza compensou o romance mal elaborado, para mim, foi Paris e chocolate. É nítido que a autora conhece de chocolate, desde a fabricação até a parte de marketing que envolve vender o produto. Ela explica algumas partes de como é feita as misturas de sabores, de onde o chocolate vem e a venda deles em datas comemorativas. Por se passar em Paris, a ambientação foi bem feita, com descrição dos lugares, sabores e sensações que a cidade passa. Vale essa ressalva novamente, porque não foi só o Sylvain que teve essa atitude. A autora colocou os franceses numa posição ruim, como a de um povo que não gosta de estrangeiros. Não achei de bom tom e isso poderia ter sido amenizado.

Desde quando eu vi a capa de Melhor que chocolate fiquei empolgada para ler. Achei que seria um romance erótico envolvendo chocolate, e a última parte está certa, mas não me dei bem com o casal protagonista e ele está bem longe de ser um erótico. Eles poderiam ter ido com mais calma e deixado que amor fluísse naturalmente. Colocando na balança o casal que eu não gostei, com a parte do chocolate e Paris que me agradaram, foi um livro equilibrado, que acabou não se sobressaindo em relação a outros livros do gênero. A autora finalizou esse livro, mas parece que tem uma continuação. Ainda não sei do que se trata e preciso analisar melhor para saber se lerei ou não.

Se você quer seduzir uma mulher que, de outra maneira, não teria olhado duas vezes para você, chocolate bom é melhor do que uma poção do amor.

www.seja-cult.com Melhor Que Chocolate - Amor e Chocolate - Livro 01
Laura Florand
Única Editora: Twitter/Facebook

Um comentário:

  1. Oi!
    Estou bem curiosa sobre esse livro, é uma pena que o romance não tenha te agradado muito... A autora deveria ter pensado mais antes de colocar a generalização de que os franceses não gostam de estrangeiros, isso é bem complicado para se escrever.
    Bjs
    sobrelivrosesonhos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.