Resenha: Um lugar no coração

27/02/2015


Um Lugar no Coração - Grace nunca quis ser mãe. Mas, quando ela conhece Victor, um homem bonito, carismático, separado e pai dos adolescentes Max e Ava, decide que pode aprender a ser uma ótima madrasta. Afinal, as crianças moram com a mãe, Kelli. Não pode ser tão difícil assim, certo?

Aos treze anos, Ava é bastante madura para a idade. Desde o divórcio de seus pais, ela cuida da mãe emocionalmente instável e do irmão mais novo. E, apesar de não ter nada contra a namorada de seu pai, Ava ainda tem esperança de que os pais voltem a ficar juntos e sejam novamente uma família. Mas, poucos dias depois de Victor e Grace ficarem noivos, Kelli morre em circunstâncias misteriosas — e segredos assombrosos de sua vida são revelados.

Narrado por Grace e Ava no presente, com flashbacks do passado conturbado de Kelli, Um lugar no coração é um retrato comovente e apaixonante de feminilidade, amor e dos desafios e alegrias da vida em família.
  

Grace é uma mulher que não quer ser mãe. Ela quer se estabilizar com um homem bom, decente, mas que não queira ter filhos. O emprego para ela já é o suficiente. Quando Victor entra em sua vida ela acha que encontrou o homem perfeito, mas ele tem dois filhos que moram com a mãe. Ela decide arriscar e vai morar com ele, já que as crianças não estão o tempo todo em casa. Só que a mãe deles morre e eles vão para a casa do pai. Agora Grace se vê mãe e tendo que lidar com os filhos arredios e sofridos de Victor.

O livro é narrado por três personagens e de dois modos diferentes. A Ava e a Grace narram em primeira pessoa no presente, e a Kelli é em terceira pessoa no passado. A Ava é enteada da Grace e filha da Kelli, a Kelli e a Grace são ex e atual mulher, respectivamente, de Victor, o que une essas mulheres. Ter a narrativa da Grace em primeira pessoa e da Kelli em terceira me fez o contrário do que acho que a autora gastaria, que era ter mais empatia pela Grace do que pela Kelli. Eu ficava imaginando o quão a vida da Kelli é triste e complicada ao perder o marido e depois morrer, isso não é spoiler. A Grace desperta empatia, só que menos, por ser jogada nessa família desestruturada. Ela não quer ser mãe e não sabe lidar muito bem com duas crianças que parecem não gostar dela.


A Ava é descrita como madura para a idade, mas foi demais. Ela não pensa como uma menina de 13 anos e com isso a narrativa dela não combina. Eu fiquei muito incomodada com o uso das palavras adultas que tenho dúvidas se uma criança usaria e saberia o que é. Se a Ava fosse diferente o enredo não daria certo, mas do jeito que está também não ficou legal. A autora teve que arriscar e para mim arriscou errado, talvez ter deixado ela mais infantil e não entendendo tudo logo de cara fosse melhor. Por mais que o Victor ligue todas as mulheres, ele não aparece tanto assim; é estranho ele ser o centro de tudo e nem ter tanto destaque. Com esse negócio de pender para um lado e outro, entre a Grace e Kelli, também fazia isso com ele. Ás vezes o via como um cara bacana e outras um canalha.

Eu não gosto quando a autora coloca duas narrativas diferentes na mesma estória, porque isso acaba nos fazendo gostar mais de um personagem do que de outro. Nesse caso aconteceu o contrário como disse, mas normalmente eu costumo gostar das personagens em primeira pessoa por saber tudo o que ela sente e pensa. Mudar o tempo também não é legal, tinha horas que eu me perdia, não sabia se estava lendo o passado ou presente. Ainda mais que ela não fazia isso apenas quando a Kelli narrava, como sugerido na sinopse. Ela mudava o tempo, e quebrava o ritmo, no meio da narrativa da Ava e Grace. Elas estão lá, narrando, quando lembram de algo e lá vamos nós para o passado de novo. Cansativo até dizer chega.


O único ponto de positivo que eu tenho para comentar sobre o livro é que a parte familiar foi muito bem trabalhada. Quando eu não estava frustrada com o modo como a autora conduziu os personagens e a narrativa, eu estava emocionada por tudo o que a Ava estava passando. A separação é algo que mexe com os filhos, isso todo mundo sabe, mas poucos autores conseguem passar isso tão bem e de modo verdadeiro. Mesmo com a narrativa sendo madura demais, dava para perceber como a Ava sofria com a separação, o quanto a Grace estava apreensiva em entrar para essa família e o quanto a Kelli estava perdida sem o marido. Depois da separação vem a morte da mãe e passamos a ler uma nova carga dramática na família.

Esse foi um livro decepcionante e extremamente cansativo, mesmo que um ponto nele seja interessante. Quebrar o ritmo de leitura voltando para o passado, não só da Kelli, mas narrado outros fatos, me dava vontade de largar a leitura. Tanto que passei outros livros na frente antes de pegar ele e terminar de uma vez. Os segredos que envolvem a Kelli se encaixam no tema família, mas eu peguei o que era logo quando a autora deu a primeira dica. Uma parte do final é aberta e me deu muita raiva, porque envolve o segredo da Kelli. Eu queria muito saber como tudo se desenrolaria depois, só que a autora não deu as respostas. Ficou para eu imaginar. Infelizmente esse livro não foi para mim.


Um Lugar no Coração
Amy Hatvany
Verus Editora: Twitter/Facebook

2 comentários:

  1. Ai nãooo :( Vou receber ele por esses dias. Poxa, eu ainda estou empolgada com a leitura mas vou baixar mais a minha bola rsrs

    Beijos
    Passaporte Literário

    ResponderExcluir
  2. Olha eu sinceramente tenho que confessar que quando comecei a ler a sua resenha comecei a ficar encantada com a história, porque me pareceu ser bastante envolvente com tudo que você disse, mas ai quando fui chegando ao final da sua resenha, eu fiquei meia assim, porque eu não gosto de narrativas que ficam massantes sabe? Eu acabo ficando com sono e até fico desanimada a ponto de desistir, embora até agora eu não fiz isso com nenhum dos livros que tenho lido, mesmo eles sendo extremamente chatos, mas eu ainda quero tirar minhas conclusões, porque a história em geral pelo que vc contou me agradou. Agora é só conferir né? hehehehe...Mas parabéns pela sua resenha, porque tá muito objetiva e muito bem escrita. Sucesso linda

    http://lovereadmybooks.blogspot.com.br/2015/02/resenha-insignia.html

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.