Resenha: Quero ser Vintage

08/02/2015

O site vai contar com a participação de mais uma colunista de agora em diante, a Naiara Pinto. Em breve vai ter foto e informações sobre ela ali na lateral do site. Bem vinda Naiara, e obrigada por compartilhar as suas opiniões com os leitores do Seja Cult!!


Depois de descobrir que foi traída virtualmente, Mallory não pensou duas vezes antes de xingar Jeremy em uma rede social e sumir do mapa. Ela decidiu ser totalmente vintage e viver com sua avó quando era adolescente, nos anos sessenta, época em que as relações iam além da superficialidade das redes sociais.

Mas Mallory não imaginava que viver sem tecnologia seria tão difícil. Como fazer as pesquisas da escola sem internet? Como esquentar um lanche sem a praticidade do micro-ondas? Como falar com as amigas sem mensagens do celular ou e-mail?

“Quero Ser Vintage” apresenta as semelhanças e as diferenças dessas duas épocas de maneira muito divertida, mas o que torna a leitura ainda mais irresistível são inesperadas reviravoltas e as relações entre personagens tão reais.

Segundo Colegial. Resolução de volta às aulas:
1. Concorrer para secretária do grupo de motivação 
2. Fazer um Jantar (coquetel chique) 
3. Costurar um vestido para o baile 
4. Encontrar um namorado 
5. Fazer algo perigoso 

Após abrir a conta de seu namorado no Friendspace e descobrir que Jemrey tem um ciberesposa, com quem troca mensagens particulares, sentindo-se emocionalmente traída, Malloy o xinga nas redes sociais e decide viver uma vida mais simples sem tecnologia, excluindo de sua rotina, tudo que possa levá-la ao mundo virtual e moderno, para tentar, de alguma forma, se encontrar.

A estória é narrada em primeira pessoa por Mallorry e cada capítulo se inicia com uma lista de coisas que ela já fez ou precisa fazer. Após o rompimento com Jeremy, ao ajudar o pai, um vendedor de antiguidades, a empacotar alguns objetos da antiga casa de sua avó, e separar o que pode ser vendido do que deve ir para o lixo, Malorry encontra uma lista que sua avó havia feito quando tinha sua idade e tem uma ideia: segui-la e realizar tudo que está escrito nela. Como a lista havia sido feita no ano de 1962, Malorry tenta abster-se de tudo que ainda não existia nos anos 60 e conta com a ajuda de sua irmã mais nova, Ginnie.


Assim Malory começa com o primeiro item da lista e tenta fundar em seu colégio um Clube de Motivação, onde ela possa ser a secretária. Não é fácil, mas ironicamente com a ajuda de Oliver, primo de seu ex-namordado, ela acaba conseguindo que aceitem a proposta. Ao longo da estória vai tentando cumprir os outros itens da lista como costurar um vestido com a ajuda da avó, arrumar um namorado para irmã e fazer algo perigoso.

Devido a sua abstinência de tecnologia, Mallorry fica totalmente alheia às fofocas sobre ela e seu rompimento com Jeremy, fica sem seu celular para fazer ligações, é obrigada a pesquisar sobre os trabalhos da escola e todas as outras coisas em livros da biblioteca, além de não poder usar o micro-ondas para esquentar a comida (difícil, né?!).

Ás vezes você acha que de jeito nenhum alguém já sofreu como você, que de jeito nenhum um dia você vai parar de sofrer, e aí, aos poucos, você para, até que não dói mais.

Apesar do sofrimento que a presença de Jeremy ainda causa a ela, é legal ver como Mallory é determinada, sem aquele traço de fraqueza adolescente, ela não fica se lamentando, está sempre tentando ser forte e não ceder a voltar com Jeremy. Conta com a ajuda de Oliver que, como personagem, também vai progredindo e ganhando um bom espaço na estória.

Eu amei o livro, os personagens são ótimos, não existe aquela divisão de grupos de nerds e populares como nós geralmente vemos em outras obras desse estilo. Além do que, a relação de amizade entre Ginnie e Mallory é algo muito agradável de se ver, pois o livro aborda de uma maneira leve o tema família, também mostrando a relação complicada de seus pais e a relação com a misteriosa avó, que esconde seus segredos.


Quero Ser Vintage é um livro que leva você a sentir as dificuldades que seriam (pelo menos para nós que já estamos acostumados) viver sem nossa tecnologia, porém também mostra como quando nós deixamos as modernidades um pouco de lado, podemos nos concentrar melhor nas coisas simples, família e amizade. É um livro que com certeza vale a pena.

Quero ser Vintage
Lindsey Leavitt
Editora Benvirá: Twitter/Facebook

2 comentários:

  1. Já vi o livro a um bom tempinho na livraria, mais fiquei meio em dúvida. Agora entendo mais da estória me pareceu muito legal. Me deu vontade de ler...
    Beijokas
    Jeh
    www.jeitodler.com

    ResponderExcluir
  2. Eu estava de olho neste livro por causa da capa. Acho essa capa tão linda!!! Mas eu precisava de uma resenha né... Hummm, achei engraçado, depois de toda essa tecnologia na vida dela, essa abdicação repentina e por causa de uma namorado... meio absurdo né? rsrs. Mas confesso que eu também tenho vontade de fazer isso às vezes. Claro que a vontade passa logo.

    Adorei a resenha e tenho certeza que vou gostar do livro.

    Valeu!!!!!!

    Bjks

    Lelê - http://topensandoemler.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.