Cine Cult: Sniper Americano

16/02/2015

Sniper Americano // Estreia: 19 de fevereiro // Nota: 4 estrelas
Texto: Ana Marta // Revisão: Jonathan Humberto

"Eu gostaria de conhecer o meu criador e responder por cada tiro que dei". Bradley Cooper 


O longa-metragem é uma autobiografia do livro do mesmo nome, e conta a história de Chris Kyle que entrou para as forças especiais e participou da invasão do Iraque por quase 10 anos. Lá matou mais que 150 homens, sendo considerado o maior atirador letal dos EUA.

Sniper Americano tem uma história interessante pela questão do roteiro conseguir construir com harmonia a tensão dramática o suspense em volta da ação em campo de batalha. No primeiro ato do filme somos apresentados a uma trama não linear, o protagonista está no campo de guerra e em ação; quando aparece uma mulher e um menino. Não vou entrar muito em detalhes sobre esta cena, mas transmite toda a tensão do suspense e do tom dramático do personagem Chris Kyle (Bradley Cooper): "Atira ou não na mulher e no menino por carregar uma granada em mãos?" Apesar de ter o comando dando ordens e dado a carta branca ao Kyle, a cena traz o personagem no dever de cumprir seu trabalho e manter vivo os soldados em combate. Aí fica aquela dúvida: "Quem somos nós para decidir quem vive e morre na guerra?" Os cortes que o primeiro ato faz para voltar no passado do protagonista e narrar a sua trajetória até a invasão do Iraque, é bem sutil e sem deixar furos. Assim trazendo todo o conflito pessoal e psicológico do protagonista antes de entrar na guerra até a cena inicial, fechando todo o ciclo ao apresentar os personagens principais.


Enquanto os dois atos seguintes do filme são para desenvolver o lado mental totalmente modificado do protagonista durante a guerra. Então, quando o personagem retorna para casa em sua licença de descanso, não retorna com a mente totalmente normal; mas sim perturbada ao achar que está em perigo e em campo de guerra. A sua personalidade é passada bem suavemente nas cenas sem ser forçada, (aqui entra o ótimo trabalho do roteiro em conseguir desenvolver e principalmente transmitir o lado psicológico pós-traumático de Chris Kyle). E mesmo com o visual de ser patriota (que realmente é) traz certos fatos que aconteceram (a queda das Torres Gêmeas e Osama Bin Laden), em nenhum momento a narrativa da trama foca em trazer uma crítica, debate ou documentar sobre os fatos reais da invasão ao Iraque. Ela destaca o lado mais humano e patriota (nada que possa ser exagerado e forçado na cena) de um soldado querer salvar aqueles que estão em combate, e manter o seu país e sua família em segurança.

Apesar da bela construção do roteiro nos pontos acima, ele falha em outros no quesito personagens. Um exemplo disso, é como o personagem Jeff Kyle (Keir O'Donnell) tem uma apresentação boa na infância com o irmão Chris Kyle, mas na fase adulta é deixado de lado e não traz um personagem com firmeza no ponto crucial entre os dois. O soldado Goat-Winston interpretado por Kyle Gallner, aparece para dar um apoio ao personagem de Bradley Cooper; porém desaparece por um motivo tão bobo na trama e entra aquele questionamento de se precisava do personagem em poucas cenas. Já a personagem Taya Renae Kyle (Sienna Miller) tem um papel fundamental para o enredo e pro próprio protagonista; mesmo tendo uma boa interpretação de Sienna Miller; diria que qualquer outra atriz faria uma atuação digna para a personagem. Agora o principal, vamos dizer, que Bradley Cooper trouxe tanto fisicamente quanto na atuação um ótimo personagem com Chris Kyle ao filme. Mas eu diria que o ator já trouxe melhores papéis nos cinemas como por exemplo em Trapaça e O Lado Bom da Vida. Não que a atuação do ator esteja ruim, mas não elevou e muito menos trouxe algo novo.


Sniper Americano mostrou um lado humano e de suas fraquezas no personagem, que mesmo com uma mente forte ninguém está preparado para o que irá ver e fazer para proteger aqueles que estão ao seu lado numa guerra. Na minha opinião, não diria que é merecida a indicação ao Oscar de Melhor Filme e Ator, acho que a vaga poderia ter sido preenchido por um candidato mais à altura dos demais indicados.




5 comentários:

  1. vi esse trailer hoje e me arrepiei! Já vi que esse filme será de segurar as lágrimas
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Oi.
    Esse não é tipo de enredo que me agrada e chama minha atenção, mas ele está sendo tão comentado que sinto preciso dar uma chance.

    Beijos.
    Leituras da Paty

    ResponderExcluir
  3. Oi, Denise!

    Acabei de assistir ao trailer e gostei. Deve ser bem impactante mesmo, mas não vejo o Bradley Cooper em um papel como esse - por isso entendo quando mencionou o fato de ele não ter apresentado algo novo.

    Beijocas.
    http://artesaliteraria.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Oi! Acredita que vou assistir esse filme (na internet) agora? Só estou esperando carregar o player!
    Ontem fui no cinema e amei o trailer dele... fiquei super instigada com a história e definitivamente não conseguirei esperar alguns dias para voltar ao cinema e assistir na telona. rs Depois eu te conto o que achei!

    Beijos,
    Caroline, do criticandoporai.com.br

    ResponderExcluir
  5. Se nos concentrarmos na principal Sniper caráter, é excelente. Mas eu gostaria de destacar o desempenho do ator Eric Ladin, que comumente vemos nos filmes de terror, fazendo outros personagens. Ela certamente teve um grande papel a ser admirado.

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.