Resenha: Ícones

09/01/2015


Após a Terra ter sido invadida por seres alienígenas misteriosos, Dol, a única sobrevivente de sua família, passou a morar em uma pacata cidade camponesa junto de seu melhor amigo, Ro. Apesar da relativa segurança, os amigos sempre suspeitaram que possuíam algo de especial, até que, repentinamente, são capturados pela Embaixada. Agora, juntos de Tima, outra prisioneira, e Lucas, filho da poderosa embaixadora e garoto por qual Dol nutre uma perigosa atração, todos perceberão que o encontro dos quatro não é mera coincidência: é uma conspiração.

Num futuro próximo, os alienígenas dizimaram milhares de humanos com uma força gravitacional. Os que se submeteram tiveram que servir aos Lordes, como eles chamam os seres que impuseram a sua superioridade. Mas algumas pessoas conseguiram escapar e não se submetem a eles e alguns deles são especiais, é o caso de Dol. Ela sabe que é diferente, mas ainda não entende como. Ela sabe também que seu melhor amigo Ro é igual a ela e portanto quanto mais perto dele, melhor. Só que agora a Embaixadora, humana que mantém os humanos na linha, servindo ao diabo, descobriu que Dol e Ro podem ser uma arma contra os Lordes, e fará de tudo para pega-los.

Quem narra o livro, e é a protagonista do enredo, é a Dol. Ela perdeu os pais muito cedo, exatamente no dia que os aliens chegaram à Terra. Tanto ela, como o Ro, foram criados por outros camponeses, como são chamados os humanos que conseguiram fugir. A personalidade dela é mais contida, tímida e retraída, isso se explica pelo dom dela. Os outros personagens que aparecem é o Ro, o melhor amigo e o que sugere sentir algo mais por ela. Ele é explosivo e marrento, e muito protetor em relação a Dol. O Lucas, filho da embaixadora, tem um jeito um pouco estranho. Ele se revela e não se revela ao mesmo tempo, é como se ele mostrasse quem é de verdade e depois quisesse apagar essa impressão. Falta firmeza nele. E a Tima é uma rebelde em formato de personagem irritante.

Você sobreviveu para pagar a dívida.

Eu nem consigo começar a explicar para vocês como esse livro é uma bagunça sem fim. Li, li, li e não cheguei a lugar nenhum e agora não sei como escrever algo coerente para vocês. Partindo do início, não consegui gostar da narradora da estória. A personagem não se mostra confiante para o papel que lhe foi dado, de ser uma das que vão fazer diferença no mundo do livro. Geralmente é assim, só que ela deveria crescer ao longo da narrativa, mas a Dol não, ela é sem graça do começo ao fim. O Ro foi o personagem que eu mais gostei por ser autêntico. Isso não quer dizer que ele seja perfeito, como disse na descrição dos personagens ele é difícil de se lidar, mas isso me passou verdade, ele ser quem é sem se importar com ninguém.

Fora eu não ter gostado da protagonista veio o problema mais complicado de engolir e de ter uma leitura corrida, que deslize legal, a falta de amarração. O livro é todo picado, parece que uma cena não se conecta na outra e isso deixa tudo confuso. Uma hora eles são mantidos presos e na outra podem sair para onde querem, uma hora eles precisam ser treinados, mas por várias páginas isso não acontece. São muitas informações desencontradas, que não criaram em mim um pensamento objetivo, direto. Sem contar que autora tentou fazer um livro dentro de outro livro que eu até agora estou tentando entender. A verdade é que foi um milagre eu não ter abandonado ele, mas olha, lá pela página 200 eu pensei nisso, não vou mentir. Só não abandonei porque queria ver se no final melhorava alguma coisa, mas não.

Ícones infelizmente não foi para mim. Com a vinda da autora para o Brasil na época do lançamento, fiquei empolgada e morrendo de vontade de ler. Só que ao começar e não ir pegando o enredo, a decepção foi batendo. A ideia principal, pelo menos eu acho que seja essa, é interessante. Não vou dar mais detalhes, mas envolve controle através das emoções. Dizendo o skoob que ele é o primeiro de uma série e eu não vou acompanhar, não teve nenhuma revelação que me deixou curiosa para pegar o próximo livro. Mas é aquela coisa, tem gente lendo e gostando, então eu sugiro que vocês leiam mais resenhas dele e tirem as conclusões de vocês, se valem a pena ler ou não.

Se meu nome é Tristeza, o dele é Raiva. E o que quer que eu seja, o que quer que Ro seja, é um segredo. Um segredo que poderia matar a nós dois sem que jamais soubéssemos o motivo.

Ícones - Livro 01
Margaret Stohl
Editora Galera Record: Twitter/Facebook

Um comentário:

  1. Denise, embora a proposta do livro soe interessante para quem curte o gênero, a gente (pelo menos eu) já tende a ficar com um pé atrás, porque pra agradar. a trama precisa ser realmente muita boa e diferente, particular. Aí eu começo lendo sua resenha (a primeira que vejo deste livro, inclusive) com certa esperança, e acabo ficando de 'cara', porque o maior pecado nisso tudo parece estar na organização da história. Ler um livro que não traz consigo a mínima coerência é realmente frustrante... imagino você saindo com uma confusão sem igual na cabeça. Que lamentável...

    Observações muito pertinentes. Adorei o texto!

    Um abraço!
    http://universoliterario.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.