Resenha: Centelha - Em busca de um Novo Mundo #2

14/01/2015

 
Depois de Brilho, a saga nas estrelas continua…

Após uma fuga desesperada da nave inimiga, Waverly e as outras meninas sequestradas conseguiram voltar para a Empyrean. Mas o clima por ali não poderia estar pior. Kieran, o menino gentil e sonhador que Waverly amava, assumiu o posto de capitão e passou a agir como um tirano de sangue-frio, deixando a Empyrean sob uma tensão sinistra. 

Seth Ardvale, líder brilhante e arqui-inimigo de Kieran, foi trancafiado na prisão, sem julgamento. As crianças prodígios que mantêm a nave funcionando estão revoltadas com o autoritarismo do líder. Para completar, uma explosão faz soar o alarme de mais uma ameaça. Eles não estão sozinhos. A tripulação aterrorizada terá que lidar com um inimigo pior do que a New Horizon, ou o delírio de Kieran. 

Seth descobre um passageiro clandestino na nave, que se move silenciosamente, deixando rastros de sangue por onde passa. O criminoso quer vingança. E só Waverly é a chave para entender seu ódio e impedir que ele detone sua bomba-relógio.

Antes de falar sobre Centelha fica o aviso de que se você não leu Brilho, pode pegar spoiler ao ler a sinopse e consequentemente esta resenha. Se você leu Brilho fique tranquila (o), não vou dar spoiler desse livro e sim, comentar com vocês os pontos relevantes sobre o enredo.

Os problemas em Brilho foram só o começo para os garotos da Empyrean. Sofrendo com a morte dos pais e da figura de adultos, eles agora precisam lidar com um clandestino na nave que quer prejudica-los. Fora isso tem Kieran, que confunde o seu posto de capitão como ditador religioso. Para Waverly é ainda pior, já que foi ela quem deixou alguns adultos para trás na nave New Horizon quando fugiu. As outras crianças a culpam por isso. Um personagem que aparece pouco em Brilho ganha uma nova proporção, o antes cruel capitão da nave, Seth, agora é o único que parece saber como encontrar o principal inimigo da Empyrean.

O que mudou na narração do livro foi que no primeiro a Waverly e o Kieram eram acompanhados, agora o Seth também. Então ele é narrado em terceira pessoa acompanhando os três personagens principais. O Seth aparecendo, conhecemos mais ele. O garoto tem alguns problemas já que sofria maus tratos do pai e perdeu a mãe muito cedo. Ele não sabe como lidar com isso e acaba descontando nas pessoas. A Waverly continua a mesma, mas mais forte, já que ela passou por momentos difíceis no primeiro livro e a maioria dos adultos da nave morreram. É uma pressão ser uma das mais velhas e não bem o que fazer. O Kieran está daquele jeito, se achando o novo Messias e às vezes metendo os pés pelas mãos. Vamos ver o que será dele e suas alucinações no último.


O ponto que eu achei mais curioso e interessante no livro foi que enquanto no primeiro tanto o Kieran como o Seth tinha mostrado um lado desumano, em Centelha foi a vez da Waverly ser testada. No primeiro os meninos brigaram pelo comando da nave, e um lado cruel deles foi revelado. O Kieran quase morreu e o Seth foi preso, nesse a Waverly vai se deparar com um homem que fez mal à ela e o seu lado cruel recai sobre ele. Foi interessante porque agora todos ficaram em pé de igualdade, todos tem um lado ruim que floresce durante a estória e assim ficou mais difícil de escolher o bonzinho. Enquanto um era a imagem da perfeição, agora todos os três estão manchados por assim dizer.

Continuo não entendendo as partes técnicas da nave e nesse a coisa até piorou um pouco. Tem um passageiro clandestino na Empyrean e ele se esconde em algumas partes da nave e sabota ela também. Então os meninos passavam a verificar o sistema de funcionamento, monitorar o que está acontecendo e quando esses termos mais específicos aparecem tenho dificuldade em imagina-los. Também continuo achando que algumas ilustrações seriam ótimas. O romance ficou ainda mais em segundo plano em comparação com o primeiro. Eu até entendo isso, com muito problema para resolver, o amor acabou ficando de lado. Acredito que no próximo a autora decida com quem a Waverly deve ficar.

Eu acabei dando uma estrela a mais para Centelha mesmo tendo novamente esse problema com a parte técnica, porque o tanto de ação que o livro traz tornou isso mais irrelevante. Eu não parei para ficar pensando nessa parte técnica quando as coisas estavam explodindo e o Seth levando uma surra desse passageiro não identificado. Depois acontece uma coisa envolvendo a New Horizon que me deixou super empolgada com o desfecho, uma coisa muito, muito tensa que acontece no fim do livro. Centelha não cai em relação a Brilho, então se você gostou do primeiro, vai gostar desse com uma adição, tem mais acontecimentos para assimilar e fôlego para segurar.


Centelha Em Busca de Um Novo Mundo - Livro 02
Amy Kathleen Ryan
Geração Editorial: Twitter/Facebook

Um comentário:

  1. Não li ainda o livro anterior, e é muito bom saber que este também é bom.
    Bjs, Rose

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.