Resenha: Os garotos Corvos - A saga dos Corvos #1

03/12/2014


Todo ano, na véspera do Dia de São Marcos,­ Blue Sargent vai com sua mãe clarividente até uma igreja abandonada para ver os espíritos daqueles que vão morrer em breve. Blue nunca consegue vê-los — até este ano, quando um garoto emerge da escuridão e fala diretamente com ela. Seu nome é Gansey, e ela logo descobre que ele é um estudante rico da Academia Aglionby, a escola particular da cidade. Mas Blue se impôs uma regra: ficar longe dos garotos da Aglionby. 

Conhecidos como garotos corvos, eles só podem significar encrenca. Gansey tem tudo — dinheiro, boa aparência, amigos leais —, mas deseja muito mais. Ele está em uma missão com outros três garotos corvos: Adam, o aluno pobre que se ressente de toda a riqueza ao seu redor; Ronan, a alma perturbada que varia da raiva ao desespero; e Noah, o observador taciturno, que percebe muitas coisas, mas fala pouco. 

Desde que se entende por gente, as médiuns da família dizem a Blue que, se ela beijar seu verdadeiro amor, ele morrerá. Mas ela não acredita no amor, por isso nunca pensou que isso seria um problema. Agora, conforme sua vida se torna cada vez mais ligada ao estranho mundo dos garotos corvos, ela não tem mais tanta certeza. 

De Maggie Stiefvater, autora do aclamado A Corrida de Escorpião, esta é uma nova série fascinante,­ em que a inevitabilidade da morte e a natureza do amor nos levam a lugares nunca antes imaginados.

O livro é narrado em terceira pessoa e acompanha a protagonista Blue e mais quatro garotos, Noah, Adam, Ronan e Gansey, mais conhecidos como os garotos corvos, e logo no começo do livro sabemos o porquê do nome. Blue é uma jovem de 16 anos filha de médium, mas não é uma, ela se envolve com os garotos corvos por acaso e acaba fazendo parte desse grupo estranho. Nesse primeiro livro conhecemos um pouco de cada personagem, o Adam é o coitadinho e o Gansey o sonhador rico, o Noah é o misterioso e taciturno enquanto o Ronan é o brigão. Não tem como escolher um garoto só para gostar, todos tem os seus defeitos e são igualmente encantadores em algum momento.

Quando eu terminei de ler esse livro fiquei pensando, por que não li antes? Eu sabia que ia gostar assim que li a primeira frase, não sei se isso já aconteceu com vocês, mas é algo surreal. Claro, que às vezes você pode estar errado e tal, mas com Os garotos corvos foi certeiro. Começando a contar por que esse livro é incrível pela protagonista, Blue. Uma das coisa que eu mais gosto nos livros da Maggie são as suas protagonistas, elas são estranhas, mas de um jeito interessante. Você quer conhecê-las pessoalmente e ser amiga delas, participar do que elas estão fazendo e de alguma forma ajudar, e aconteceu essa mesma empatia com a Blue. Não sei se por que o enredo é diferente que a autora teria que criar uma personagem assim, com um equilíbrio entre sensatez e destemida, mas a Blue é essas duas qualidade em uma só.

Alguns segredos se mostram apenas para aqueles que se provavam merecedores.

Esse também foi um dos livros mais loucos que eu já li, louco no sentido de uma ideia super diferente e empolgante. Ele vai falar sobre as linhas ley, que são linhas de energia que se encontram em determinados pontos da Terra e neles existem algumas atividades sobrenaturais. Num primeiro momento eu achei que a autora tinha criado tudo, mas logo depois eu fui atrás e qual não foi a minha surpresa ao encontrar estudos na internet sobre o assunto. As linhas ley é o assunto principal do livro, mas amarrado com ele existem outros assuntos tão legais e sobrenaturais quanto. Sobre o sobrenatural, dentro da estória cabe como é o caso de mortos conversando com vivos. Lendo a sinopse vocês percebem que é um jovem adulto sobrenatural.


Os garotos corvos é um livro introdutório que tem sim uma estória, mas a intenção dele é apresentar os personagens, bem escritos, delimitados e envolventes diga-se de passagem, e o que podemos esperar do enredo. As cartas são jogadas na mesa e o desenvolvimento vai acontecer nos próximos. Nesse nós conhecemos os personagens, a sua personalidade e qual o papel de cada um nesse quinteto, as linhas ley e o grande ponto do livro, o que eles querem com ela. A linha ley não é algo que está no livro por estar, ela tem um propósito maior que sabemos nesse livro, mas não é concluído. Outros pontos também são apresentados e ficam em aberto, que é o caso da Blue com o seu verdadeiro amor. Eu acredito que isso só vai ser resolvido no fim da série, mas até lá, tem outras coisas sendo apresentadas e resolvidas.

A linguagem que a Maggie usa geralmente é motivo de controvérsia, tem gente que gosta e gente que não. Alguns dizem que o fato dela ser poética é cansativo e até mesmo chato, que é o caso dos livros sobre lobos que foi lançado por aqui por outra editora. Em Os garotos corvos a linguagem é diferente, mas não poética. É um livro que tem um excesso de informação e que por isso requer paciência para ler, pelo menos comigo foi assim. Eu ficava tão empolgada com os desdobramentos da linha ley, que parava, assimilava a informação e depois voltava a ler. Eu não queria perder nada, então li o livro no seu tempo e demorei mais do que normalmente demoraria para ler um livro de menos de 400 pgs. Não me arrependo por isso e sinto que extrai dele tudo o que eu precisava para entender a proposta.

Que livro incrível, que livro incrível, que livro sensacional... vou ficar repetindo isso milhões de vezes até que todos tenham lido. Ele é favorito no skoob, um dos melhores que li no ano e já estou lendo a continuação. Confesso que quis ler o livro pela autora e capa, eu não tinha lido com atenção a sinopse e não sabia muito bem o que esperar, o que acabou sendo ótimo porque o enredo me surpreendeu infinitamente. Até agora a série tem três livros lançados e um programado para ano que vem, eu acredito que seja uma série de seis, mas não tenho certeza, enfim. Os garotos corvos vai ser um daqueles livros que eu vou recomendar para todo mundo de olhos fechados, porque sinceramente, não sei se vai ter alguém que vai ler e não gostar de pelo menos alguma coisa. É mais fácil se apaixonar por tudo!

Blue tinha duas regras: ficar longe dos garotos, porque eles trazem problemas, e ficar longe dos garotos corvos, porque eles são uns canalhas.

*Imagens sobre os livros*

Além de escritora, a Maggie também é ilustradora e abaixo vocês conferem alguns desenhos que ela fez referentes aos livros e divulgados em suas redes sociais. São incríveis!!





Os Garotos Corvos
Maggie Stiefvater
Editora Verus: Twitter/Facebook

4 comentários:

  1. Prometo que vou tentar ler o mais breve possível para você não ter que ficar repetindo isso por muito tempo. Adorei ver o livro por dentro, ainda não tinha visto nenhuma imagem interna dele.
    Bjs, Rose

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Rose, o livro não vem com ilustrações, essas são feitas pela autora e divulgadas nas redes sociais dela. =)

      Bjs, Denise.

      Excluir
  2. Vou ver se compro, parece bem legal e ainda mais que eu amo corvos rsrs
    Bjss

    ResponderExcluir
  3. Adorei, só acho que ele é muito caro. Adorei a resenha, espero que nos outros continue a qualidade alta que falou.

    http://penelopeetelemaco.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.