Resenha: Jogos Vorazes

03/11/2014


Após o fim da América do Norte, uma nova nação chamada Panem surge. Formada por doze distritos, é comandada com mão de ferro pela Capital. Uma das formas com que demonstram seu poder sobre o resto do carente país é com Jogos Vorazes, uma competição anual transmitida ao vivo pela televisão, em que um garoto e uma garota de doze a dezoito anos de cada distrito são selecionados e obrigados a lutar até a morte! 

Para evitar que sua irmã seja a mais nova vítima do programa, Katniss se oferece para participar em seu lugar. Vinda do empobrecido distrito 12, ela sabe como sobreviver em um ambiente hostil. Peeta, um garoto que ajudou sua família no passado, também foi selecionado. Caso vença, terá fama e fortuna. Se perder, morre. Mas para ganhar a competição, será preciso muito mais do que habilidade. Até onde Katniss estará disposta a ir para ser vitoriosa nos Jogos Vorazes? 

Enfim eu li Jogos Vorazes meu povo!! Sim, depois de anos relutando em ler esta distopia que todos amam, eu finalmente me rendi um pouco antes da primeira parte de A Esperança estrear. Antes de comentar com vocês o que eu achei do livro, uma pequena explicação da razão de eu ainda não ter lido a trilogia. Quando eu ouvi falar de Jogos Vorazes, Crepúsculo ainda estava no auge e eu acabei não querendo me envolver com outros fandons e tal, e também porque as pessoas eram muito ferrenhas nas opiniões sobre este livro. Você tinha que gostar, então eu preferi esperar as coisas baixarem para ler. Ao contrário do que eu esperava, o livro me surpreendeu muito, positivamente.

Jogos Vorazes narra a estória de um Estados Unidos que ressurge como a nação Panem. Esta nação é dividida em 12 distritos e os primeiros números são os distritos mais importantes, os que tem mais recursos. A protagonista, e narradora da estória, se chama Katniss e é do distrito 12, o menos abastado. Para controlar as rebeliões e mostrar o poder que a Capital, os governantes, têm sobre as pessoas de Panem, os Jogos Vorazes foram criados. Dois tributos, um menino e uma menina, de cada distrito, um total de 24, lutam pela vida em um jogo onde o mais forte e esperto vence. A Katniss se voluntaria para ir no lugar da irmã, sorteada para participar dos jogos, e é aceita para participar dos Jogos Vorazes.

Katniss Everdeen. Uma garota que mora na Costura. Caça na floresta. Negocia no Prego. Miro o espelho enquanto tento lembrar quem sou e quem não sou.


A primeira coisa que eu percebi com Jogos Vorazes era que a protagonista seria bem diferente das mocinhas dos livros distópicos e também dos livros jovens no geral. Ela é crua, direta, bocuda e o sentimento de revolta nela, mesmo que tenha que ficar escondido, sobressai em muitos momentos. A Katniss é durona desde o começo, ela não ficou assim com alguma revelação sobre o governo opressor ou por que foi forçada, a vida sofrida desde sempre fez com que essa armadura fosse se fundamentando. Confesso que tive um certo receio com ela, o jeito bruto dela me pegou desprevenida no começo, mas com a leitura eu a entendi. Não é fácil ser a Katniss.

Uma coisa que me surpreendeu nesse livro foi o romance. Quando eu pensava em Jogos Vorazes eu pensava em várias pessoas numa arena lutando até a morte, eu não imaginava que tinha um romance envolvido, achava que era 100% distopia. Foi uma surpresa saber que não só existe um romance, meio que nos padrões diferentes da autora, mas que ele também permeia a maioria das situações importantes no livro. O romance existe, mas não é o foco, embora como disse, ele seja importante. O amor nesse primeiro livro envolve o personagem Peeta, filho do padeiro do distrito 12 e com quem a Katniss vai para o Jogos Vorazes. Não sei, fiquei com a impressão de que esse garoto não é tão bom e confiável quanto se apresenta, vamos ver se não estou enganada.


O primeiro livro delimita bem o que quer apresentar e até onde quer chegar. Ele apresenta os protagonistas, os jogos, nos dá um vislumbre podre da Capital e deixa uma angustia para o segundo. O final existe e um gancho para a continuação também. Tenham em mente que eu não sabia quase nada sobre essa trilogia, sim gente, mesmo com o sucesso e tudo mais, eu não conhecia quase nada sobre Jogos Vorazes. E mesmo tendo gostado de tudo, a empolgação em relação aos fãs é o que tem me motivado. Empolgação no sentido de estar por dentro do que eles conversam. Eu ficava muito curiosa em saber o que era um tordo, um tributo, porque todo o frisson envolta do distrito 12 e agora eu estou pegando, devagar, mas estou.

Eu gostei de Jogos Vorazes bem mais do que eu imaginava. Achei um livro com embasamento distópico ótimo e que não deixa o romance se sobrepor a isso. Sendo assim, o detalhamento da distopia chega a ser cruel, e isso é uma característica que vem se fundamento cada vez mais no gênero. A distopia é sim um governo autoritário, um protagonista/povo com o sentimento de revolta, mas também expõe a crueldade dos seus governantes. Os Jogos Vorazes não poderia ser uma obrigação mais cruel e também uma forma de controle sobre a população, características que temos visto nas distopias. Eu estou bem empolgada para ler Em Chamas e o gancho que a autora deixou para ele foi bom, mas também foi muito tenso.

Feliz Jogos Vorazes! E que a sorte esteja sempre a seu favor!

Jogos Vorazes - Jogos Vorazes - Livro 1
Suzanne Collins
Editora Rocco: Twitter/Facebook

4 comentários:

  1. Olá!
    Assim como você demorei muito tempo para ler esse livro e quando li me apaixonei.
    A Katniss não apenas uma protagonista, mas se for levar para uma analise mais profunda ela é praticamente um simbolo feminista. Ainda mais se comparar ela com as inúmeras protagonistas que a literatura nos joga nos dias atuais. Uma das coisas que mais me encantou na trilogia foi, de fato, a personagem.
    Também não gostei do Peeta logo de cara, e mesmo depois de ler todos os livros e me simpatizar e me solidarizar com ele, ainda sim gosto mais do Gale.

    Espero que A Esperança seja <3 <3 <3

    bjs

    Blog:
    Cantar Em Verso . Fbook Cantar em Verso

    ResponderExcluir
  2. Diferente de você, eu li loucamente logo depois de lançado, rsrs.
    E amei quando li!!
    Quero que você leio logo os três pra gente poder conversar, hahaha, ninguém concorda com a minha opinião sobre o último livro!! Claro que não vou te falar até você terminar!

    Enfim, fico feliz que você tenha curtido! Tenho certeza que irá gostar também de Em Chamas. É ótimo!!

    Bjksss

    Lelê - http://topensandoemler.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Eu odiava Jogos Vorazes e a Jenni, não sei por quê, mas não ia muito com essa história. Até que um certo dia peguei o primeiro livro, Jogos Vorazes, para ler, e acabei me apaixonando. Foi amor na certa, aí terminei o primeiro livro e depois fui ver o filme, li Em Chamas e fui ver o filme e hoje peguei o livro A Esperança e espero gostar também, dia 19 tem lançamento da primeira parte de A Esperança e estou super ansiosa para assistir. Adorei sua resenha e espero que goste dos próximos livros!
    Beijo,
    http://pactoliterario.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Oi, Nise!

    Assisti Jogos Vorazes em 2012, apesar de não saber nada do livro. Nem sabia que era baseado em um, e isso me surpreendeu depois que descobri. Gostei muito do filme, só achei um pouco pesado, mais que o livro até, que só li ano passado, correndo, todos os três. Meu favorito é Em Chamas, definitivamente. Parabéns pela resenha, está excelente! Adorei as fotos que você tirou. Beijos!

    Litteratura Mundi

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.