Resenha: Quase Casados

12/09/2014


Para Zoe Moore, o dia de seu casamento foi o mais marcante de sua vida. Ou melhor, o dia em que deveria ter se casado, mas em vez disso, foi largada no altar após sete anos de namoro. Arrasada e disposta a se recuperar, ela decide se mudar de Liverpool para os Estados Unidos e trabalhar como babá. Ao chegar em Boston, ela se depara com a esperta Ruby, prestes a completar 6 anos, o adorável Samuel, que acaba de fazer 3, e o pai deles, Ryan Miller. Seu novo chefe, além de fazer uma bagunça sem precedentes e de ter um mau humor imbatível, é incrivelmente bonito. Depois de um começo um tanto decepcionante, Zoe e Ryan começam a se entender, mas ela está prestes a descobrir que recomeços podem ser mais difíceis do que esperava. 

Zoe Moore foi abandonada no altar no dia de seu casamento com o amor de sua vida, um homem com quem ela conviveu por 7 anos. Querendo fugir dessa dor e de ter que encontrar as pessoas que ela conhecia pela cidade, Zoe decide abandonar tudo e aceitar um emprego de babá nos Estados Unidos. No começo ela ficaria na casa de um casal com dois filhos e tendo todas as regalias do mundo, mas uma mudança de planos a mandou para a casa de Ryan, um viúvo taciturno e dono de uma bagunça que ele chama de lar. Tentar resistir aos encantos de Ryan não vai ser fácil. Por mais complicado que ele seja, Zoe percebe que por baixo de toda a armadura existe um homem que perdeu seu grande amor e ainda está perdido sem ela. No fundo as dores deles são quase iguais, então a cura também pode estar um no outro.

Quem narra o livro é a Zoe Moore e gente, que personagem avoada e que se mete em cada situação nada a ver. Tem uma cena da calcinha de mulher maravilha que é o cumulo do absurdo, mas que foi tão bem trabalhada que dá para imaginar acontecendo com alguém. A Zoe é uma mulher pacifica e até acomodada às vezes, que quando largada no altar, decide dar uma mudada na vida e encontrar novos desafios, o que a leva até Ryan. Não gostei desse personagem no começo, mas pensando pelo lado dele, dá para entender porque ele é tão arredio. A responsabilidade de cuidar de duas crianças sozinho não deve ser simples, ainda mais quando você perde o amor da sua vida. Quando passei a entendê-lo melhor, o vi com outros olhos e gostei dele.

Ele é muito mais do que um corpo sarado e um par de olhos cintilantes, quando quer. É adorável. É divertido. Tirando a beleza, ele é um dos homens mais carismáticos que já conheci.

Os personagens secundários tem um destaque interessante e às vezes até roubam a cena neste livro. A estória da Trudie e Ritchie é um exemplo. Ela é uma amiga que a Zoe fez nos Estados Unidos e tem um problema sério envolvendo crianças, o que dificulta seu relacionamento com Ritchie. Acompanhar esse desenvolvimento foi muitas vezes mais interessante que o do casal principal, por causa do segredo que a Trudie esconde. Os filhos do Ryan são outros personagens legais de acompanhar. Eles perderam a mãe e precisam se acostumar também com o pai ausente. A Ruby é a que tem mais dificuldade quanto a isso, por ter convivido com a mãe, enquanto o Samuel era muito pequeno. Ela sente falta de coisas que a mãe fazia como colocá-la para dormir, então esse ato agora é extremamente complicado para a Zoe executar como babá, que só depois entende o que a menina está passando.

Eu não sou uma pessoa que lê muito chick-lit, eu prefiro mais quando o romance tem um tom de comédia, mas também uma pitada de sensualidade. No caso de Quase Casados é só a comédia romântica, não tem nenhuma cena de sexo e pensando bem, quase não tem cenas deles se beijando ou tocando. Quando é para indicar que algo aconteceu, a autora passa rápido e só menciona por cima que eles foram para a cama ou estão juntos. O foco do livro é no romance e a minha ressalva é que como não acontece muita coisa ao longo da narrativa, só mais para o fim, o meio dele é cansativo. A Zoe conhece o Ryan e eles não se entendem muito bem e o enredo gira só nas picuinhas deles antes de se entenderem no fim. Faltou química entre esses personagens, faltou cenas que expressassem amor.

Eu não sei por que dei 5 estrelas no skoob para o livro sendo que achei o casal morno. Como a leitura fluiu bem e o livro é divertido, a proposta dele foi alcançada. O chick-lit vende comédia e romance, e embora não tenha muito romance para mim, as cenas engraçadas estão lá. Eu lia porque a Zoe me divertia e não porque eu queria que ela ficasse com o Ryan. Claro que saber como eles terminariam tem um peso grande, mas eu estava rindo tanto com ela, que se os dois ficariam juntos ou não, acabou ficando em segundo plano. Leiam, é o que eu posso dizer para vocês, mas estejam avisados que amor no sentido carnal não têm. Só que se a sua intenção for ler algo leve e para descontrair, aí sim você estará fazendo uma boa escolha.


Quase Casados
Jane Costello
Editora Record: Twitter/Facebook

 

5 comentários:

  1. Adorei sua resenha, e também aprecio bastante ler esses livros assim leves e até mesmo clichê, mas não pude deixar de lado que é claro que ela ia ter que morar justamente com alguém que a conquistaria rapidinho. Na vida real era mais provável ela ter que morar debaixo do canal e ficar chorando as pitanga haha

    xx Carol
    http://caverna-literaria.blogspot.com.br/
    Tem resenha nova de "A Ira dos Anjos" no blog, vem conferir!

    ResponderExcluir
  2. é um livro que estou muito curiosa, a premissa divertida me conquistou de primeira!
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Pois é! Eu também não curto muito esse gênero, mas se acontecer de ter que ler eu leio...eu prefiro uns romances com uma pitada de comédia e sensualidade também. A capa é fofa, mas não é algo que leria agora.
    Beijos!
    Monólogo de Julieta

    ResponderExcluir
  4. Adoro chick-lits! O humor é essencial, amei a capa, lindissima.
    Sua resenha pontuou bem, fiquei com vontade de ler um chick-lit para me divertir!
    Bjuu,
    http://orocardovento.blogspot.com.br/?m=1

    ResponderExcluir
  5. Olá, tudo bem?
    O livro não me chamou atenção desde a primeira resenha que li sobre ele. Não gosto de casais mornos, gosto de faíscas hahaha
    Super beijos <3

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.