Cine Cult: Se eu Ficar

03/09/2014


O filme se passa durante um dia na vida da personagem Mia Hall. Um dia fatídico onde pela manhã ela sofre um acidente de carro e perde toda a família. Sem saber se está morta ou viva, Mia relembra fatos de sua vida com os pais, irmãos, amigos e namorado, Adam. O cara que entrou na sua vida, meio que por acaso, e bagunçou tudo. Acompanhamos também a sua paixão pela música. Mia toca violoncelo e antes do acidente se preparava para entrar num dos conservatório de música mais famosos dos EUA. Tudo depende dela agora, ficar ou ir. Ponderar se você é capaz de viver, lutar para viver, quando não existe muito mais para você nesse plano é a questão central do filme. Mia perdeu tudo, mas ao mesmo vai tentar encontrar motivos para ficar. Será que esses motivos são suficientes?

Confesso que quando os atores Jamie Blackley e Chloë Grace Moretz foram escolhidos para interpretar os protagonistas Adam e Mia respectivamente, eu fiquei com o pé atrás. Ela tem a mesma idade da Mia, mas aparenta ser mais nova e com um ar mais infantil que a personagem. Já o Jamie eu achava o oposto, ele velho para um garoto de 18 anos, mas os dois juntos funcionou, o Jamie como Adam principalmente. Ele soube fazer o garoto durão, mas vulnerável ao mesmo tempo que a autora disse ser a característica marcante dele. O Jamie também souber fazer, de forma verdadeira, a cena final, onde o personagem se emociona com a situação da namorada. Os pais da Mia são os pais que a maioria de nós queríamos ter. Os abertos, mas que apoiam. Os que deixam livre, mas se você precisar eles estão ali. Eles foram brilhantemente interpretados pelos atores Joshua Leonard (Denny Hall) e Mireille Enos (Kat Hall) e não vamos nos esquecer do pequeno Teddy, Jakob Davies.


O fato do livro ser curto e se passar num período também pequeno facilita as coisas na hora de adaptar, na hora de colocar, ou escolher, o que é importante e precisa estar lá. Sendo a própria autora do livro, Gayle Forman, quem roteirizou aí que tudo ficou fiel mesmo. É claro que alguns detalhes sempre são alterados, por exemplo, a Kim, melhor amiga da Mia, é bem diferente que a descrita no livro, o físico e o jeito de agir. Mudaram o nome da banda do Adam também, e isso eu não gostei, mas é um detalhe que dá para relevar. Eles amenizaram a cena do acidente, no livro é mais explicito e poi aí vai. O importante é que o resto está lá, as cenas da vida da Mia, as suas dúvidas, a sensação de perder o seu alicerce e o primeiro amor. O filme tem frases inteiras do livro, iguaizinhas, sem alterar nada. A cena final é muito igual ao do livro também. Eu senti que foi uma adaptação no sentido real da palavra.

Trilha sonora, ah como eu adoro essa parte em um filme, e eu estava bem ansiosa com isso pelo apelo que a música tem no livro. O fato da Mia ser uma musicista, assim como o Adam, faz da música uma parte vital na narrativa e consequentemente na adaptação. Eu já desconfiava que era a voz do Jamie Blackley no filme, assim como era ele quem tocava guitarra, como o Adam, e lendo a entrevista no fim do livro isso se confirmou. A prioridade nas audições do Adam era um ator que cantasse e tocasse e ele acabou sendo escolhido, o que para mim deu super certo e deixou as cenas da banda mais naturais. A Clöe praticou bastante para que as cenas com o violoncelo não ficassem falsas e de fato não ficaram. As músicas tocadas em Se eu Ficar fazem parte de uma trilha sonora especial para filme, mas tem algumas conhecidas como o acústico de Halo da Beyoncé. Senti falta da música Say Something - Christina Aguilera & A Great Big World, a que passa no trailer, ela não aparece no filme, nem nos créditos.


Eu fiquei mais emocionada vendo o filme do que lendo o livro. Isso por que a carga emocional no filme foi mais explorada do que no livro, isso no sentido das cenas de choro, nas conversas com os familiares, na cena final com o Adam. Uma coisa é você ler e imaginar na sua cabeça, outra é ver os atores dando o máximo de si para te emocionar. E eu me emocionei. Quem leu o livro e gostou pode ir ver o filme sem medo. Vocês vão ficar tipo eu, lembrando das frases e fazendo 'ahhh, ta idêntico a essa parte do livro'. Fiquei nisso o tempo todo! Se eu Ficar possuí direção do iniciante em longa-metragem R.J. Cutler e estreia amanhã, dia 4 de setembro. Lembrando que o fim é bem aberto e que como o livro tem uma continuação, pode ser que ele seja adaptado também. Tudo depende do sucesso desse.

Sobre o livro: Aqui vocês podem ler a resenha que fiz sobre o livro Se eu Ficar, ainda da edição antiga, e antes de ver o filme eu reli a que a Novo Conceito lançou em agosto e está perfeita. A parte interna e os extras do livro fazem diferença. O trecho de Para onde ela Foi já dá uma ideia de quem vai narrar, pelo menos no começo, e de onde a estória vai partir. Não tem como eu não recomendar um livro que eu me emocionei, refleti, ri e me diverti lendo. Se eu ficar é aquele tipo de livro tímido, singelo, que você não dá nada, mas que quando termina de ler, sente tudo. Leiam!!


4 comentários:

  1. Ahhh meu Deus! Preciso comprar meu ingresso para is aos cinemas. Se Eu ficar é um dos meus livros favoritos e não vejo a hora de me emocionar com o filme também.

    Amei seu post (Tão detalhado) amei mesmo!

    Beijos
    Passaporte Literário

    ResponderExcluir
  2. A primeira vez que vi esse trailer, soube qu ce precisava ver esse filme. Amo enredos com alta carga emocional, e queria ver como a Chloé se saiu nesse papel! Ela é uma daquelas "atrizes prodígio". Espero que saia logo no Brasil!

    Clara
    @clarabsantos
    clarabeatrizsantos.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Estou super ansiosa para ver o filme, até onde vi as criticas são positivas. Ainda não li o livro, mas se o filme for bom pretendo ler o livro sim.
    Adorei o post.
    Bjuu,
    http://orocardovento.blogspot.com.br/?m=1

    ResponderExcluir
  4. Não vejo a hora de me emocionar com este filme, igual a emoção que senti quando li o livro.
    Bjs, Rose

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.