Resenha: Até que eu Morra

18/08/2014



Kate e Vincent estão finalmente juntos em Paris, a cidade das luzes e do amor. Mas esse amor carrega uma questão que não pode ser ignorada: como eles poderão permanecer juntos se Vincent não resistir a se sacrificar para salvar outros mortais? A promessa de levar uma vida normal com Kate significa deixar que pessoas inocentes morram?Quando um novo e inesperado inimigo se revela, Kate descobre que há muito mais coisas em risco... e que até mesmo a imortalidade de Vincent pode estar ameaçada. 

A Kate continua narrando a estória e nesse caso eu tenho achado isso bom, pois se fosse o Vincent narrando, saberíamos tudo sobre ele. E o que é interessante nessa série é a surpresa de descobrir mais sobre a sua estirpe. Lembro que na resenha do primeiro eu comentei que ela era chatinha no começo e depois melhorava, e aqui a Kate está ótima de ser lida. A narrativa passou a exigir mais dela, isso na questão de informação e ela vai atrás disso. Ela quer saber mais sobre o Vincent, mais sobre o papel dele dentro dessa comunidade de Revenants e onde uma humana se encaixa. Tudo isso ela descobre e algumas coisas a mais também. O Vincent continua aquele cavalheiro e se tem alguém que leu o primeiro e não caiu de amores por ele, com certeza nesse caíra. Ele expressa o seu amor pela Kate se sacrificando e isso mexe tanto com ela, quanto com quem está lendo.

Novos personagens são inseridos na narrativa e dois deles com certeza vão fazer vocês lembram de Crepúsculo, assim como eu lembrei. Aliás, eu comentei também na resenha do primeiro que as pessoas comparavam as duas séries, e sim, elas tem alguns pontos em comum, mas são só algumas coisas. A coisa num todo é completamente diferente e convenhamos, Crepúsculo fez e continua fazendo escola. O que vale são os diferencias e essa série tem vários. A Charlotte foi uma personagem que me chamou a atenção no primeiro livro e que nesse segundo ganhou e perdeu destaque ao mesmo tempo. Ela tem um amor mal resolvido que instiga a leitura para saber se mais detalhes serão revelados. Perguntei a autora se ela faria um conto, ou livro, para essa personagem e ela respondeu que não, mas que na edição inglesa do último livro da trilogia terá um trecho comentando sobre o que aconteceu com a Charlotte.

Eu tinha a impressão de que meu coração tinha sido desligado para sempre. Eu já nem estava mais procurando ninguém. E quando eu menos esperava... sem qualquer esperança, de repente ali estava você.

O que eu senti nesse livro, e que mais me agradou, foi o amadurecimento tanto dos personagens, quanto da estória. Saber o que o Vincent é mudou a dinâmica do que enredo, porque agora a Kate não está preocupada em descobrir coisas e sim, em como ficar com ele apesar disso. O primeiro livro serviu para conhecermos os personagens e descobrirmos o que é o sobrenatural proposto, neste segundo, temos várias informações sobre esses seres e a aproximação de um desfecho que pode ser tanto incrível quanto muito ruim. O que o Vincent é, a Kate não pode ser, então para eles ficarem juntos ou ela aceita ele desse jeito ou eles se separam. É claro que existem algumas possibilidades entre esses dois pontos, mas a sensação que dá é que eles estão numa situação muito complicada, que só uma ideia mirabolante pode resolver. Então, dependendo dessa ideia, pode dar tudo certo ou tudo errado para a narrativa.

Os dois primeiros livros são complementares, mas muito longe um do outro. Esse segundo com o terceiro são continuações, só que o primeiro com o segundo não dá essa impressão. O primeiro teve muita ação, muitas cenas tensas do casal se conhecendo e algumas descobertas. Esse é mais calmo, cheio de informação sobrenatural e com o casal já adaptado. Ele não é completamente parado, tem sim uma cenas de ação muito boas, só que em comparação com o primeiro é menos. O que o Vincent é, vale essa série. Eu nunca li nada nem parecido com isso e fico triste quando vejo as pessoas comentando tão abertamente. A surpresa, a descoberta, é que valem nesses casos, então se você descobre antes da hora perde um pouco a graça. Então cuidado com as resenhas ou comentários que vocês leem, para quando pegarem esse livro sentirem as coisas pela primeira vez.

O livro terminou de um jeito muito tenso, com uma cena de ação ótima e uma aflição sem tamanho. Preciso do último livro, apenas isso. Desde o primeiro eu recomendo essa série e com o segundo não foi diferente. A narrativa é muito fluida, você se envolve tanto, que nem sente as páginas passando. O casal continua fofo, só que agora amadurecido e com uma situação difícil de ser resolvida. Sempre que eu penso nessa série, depois de ter lido o segundo, lembro que os dois estão numa sinuca de bico e fico ansiosa querendo saber como a autora vai tratar isso. As cenas em Paris continuam apaixonantes, e tem o acréscimo das artes e cinema, que vocês entendem melhor quando leem. Enfim, leiam, mesmo que alguém não tenha gostado muito do primeiro, a leitura desse vale só para saber mais sobre os Revenants.

Fazia menos de um ano que estávamos juntos, mas eu sentia, de verdade, que Vincent era minha alma gêmea. Ele me completava. Não que eu não fosse uma pessoa completa por mim mesma. Mas a pessoa que ele era parecia completar a pessoa que eu era.

Até Que Eu Morra - Revenants - Livro 02
Amy Plum
Editora Farol Literário: Twitter/Facebook

Um comentário:

  1. Ei, já quanto tempo eu não vinha aqui... :(
    Nossa, adorei a resenha de hoje.. Nunca tinha ouvido falar da série, sabia?
    No entanto gostei da sinopse, da capa e dos pontos que você ressaltou..
    Concordo sobre o fato de Crepúsculo ter feito e continuar fazendo escola...rs! O que para mim é um ponto mega positivo!

    Beijo grande.

    Thati;
    http://nemteconto.org

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.