Resenha: O Teste

25/07/2014



No dia de formatura de Malencia ‘Cia’ Vale e dos jovens da Colônia Cinco Lagos, tudo o que ela consegue imaginar – e esperar – é ser escolhida para O Teste, um programa elaborado pela Comunidade das Nações Unificadas, que seleciona os melhores e mais brilhantes recém-formados para que se tornem líderes na demorada reconstrução do mundo pós-guerra. Ela sabe que é um caminho árduo, mas existe pouca informação a respeito dessa seleção. 

Então, ela é finalmente escolhida e seu pai, que também havia participado da seleção, se mostra preocupado. Desconfiada de seu futuro, ela corajosamente segue para longe dos amigos e da família, talvez para sempre. O perigo e o terror a aguardam. Será que uma jovem é capaz de enfrentar um governo que a escolheu para se defender? 

O enredo começa com a Malencia Vale se formando e esperando ansiosamente que seja chamada para fazer o Teste. Uma serie de provas que vai determinar quem são os potenciais lideres, os jovem prodígios que governarão os países que sobraram depois dos Sete Estágios da Guerra das Nações. Cia, como é chamada, é convocada para as avaliações e parte rumo ao desconhecido e a mudanças que ela jamais poderia imaginar. Com um governo tão rígido, era de se esperar que os representantes do povo não teriam moleza, só que o Teste é bem mais que apenas provas. É enfrentar seus medos, outros candidatos e ser testada até o limite. Será que uma garota de 16 anos é forte o suficiente para aguentar tudo o que o Teste reserva?

Cia é a narradora dessa estória. Uma jovem extremamente esperta e com valores familiares bem definidos. Ela é movida por esses valores e tudo o que faz é pensando em horar à família. Claro que ela tem as suas peculiaridades e sendo tão jovem esperava que ela fosse mais como qualquer garota de 16 anos, mas não, a autora colocou no centro a força e determinação, que não são muito frequentes em meninas dessa idade. Existe um personagem que vem para ser o par romântico da Cia, só que como explico mais para frente, não vamos ter cenas românticas, frases melosas e esse tipo de coisa. Esse personagem também não é do tipo perfeito, ele tem defeitos e segredos. O que tornou tudo mais interessante.

Ele me diz que os maiores fracassos em geral  vêm antes das maiores descobertas. Que não importa o que aconteça, eu nunca devo ser desencorajada. Que eu aprenda com meus erros e tudo ficará bem.

O Teste é uma distopia no sentindo principal do gênero. Um governo autoritário, com regras acerca de como os seus comandados devem agir e que pune, severamente, quem sai fora dessas obrigações. A concepção do conhecimento ser para poucos é muito interessante. Sabemos que quem detêm informação tem maiores chances de escolher um bom caminho. E o governo ser o detentor desse conhecimento não é muito fora da nossa realidade. Então da para ver similaridade com a vida real. O romance entre a protagonista e um personagem secundário é completamente segundo plano. Ele se falam muito, mas toques e intimidade acontecem pouco. A ideia do livro é ser 100% distopia, não dá nem para dizer que é meio a meio com outro gênero.

Algo nesse livro não caiu muito bem. Não sei, ele é objetivo demais, muito preto ou branco e sem sentimento. Eu não consegui sentir o livro ou me conectar com a protagonista. Acreditem, não é um livro ruim, longe disso, mas também não me atraiu tanto quanto eu achei que atrairia. A ideia dele é ótima, só que eu o li bem aos poucos e até passei outros na frente antes de terminar. Ele tem de tudo: ação, pressão psicológica, mortes, amizade e justiça. Só que não me prendeu. Aliás, a autora é bem cruel com seus personagens. A cada virada de página alguém morre ou se machuca, e se machuca bem sério. É muito jogos mortais para a minha pessoa.

O Teste é o primeiro de uma trilogia e o segundo foi lançado este mês pela Única. Esse teste que a Cia precisa fazer tem sua conclusão aqui, mas novas suposições ficam para a continuação. Na verdade ela descobre fatos sobre a Comunidade Unida, o governo no caso, que a fazem questionar o que é certo ou errado. Por enquanto eu não vou ler a continuação, vou esperar passar as impressões que tive sobre o primeiro e pegar para ler depois. Espero que quando eu ler me conecte mais com o enredo e personagens, que a leitura flua e eu só tenha coisas boas para comentar. Mas vale ressaltar que tem muita gente gostando do livro por ser uma distopia crua, então é melhor todo mundo ler.

Em vez disso, aperto seu bracelete no meu peito e ofereço minha promessa silenciosa de que não importa a pressão ou o medo que venha com esse Teste, eu não vou deixar de lado as crenças com que fui criada para passar nesse Teste.

*Eu li o ebook gratuito que a Única disponibilizou, O Teste - Introdução, e ele é narrado por outro personagem que não a principal. Na verdade esse conto se passa antes de O Teste e dá algumas informações acerca do que seria essa forma de testar os candidatos. Foi interessante e eu recomendo que vocês leiam antes.

O Teste - Teste - Livro 01
Joelle Charbonneau
Única Editora: Twitter/Facebook

5 comentários:

  1. Oi Denise,

    Já ouvi falar do livro e como gosto de distopia, quero ler!

    http://www.viajenaleitura.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Distopia é comigo mesmo, alem do mais se é uma leitura despretensiosa.
    Adorei a resenha

    http://penelopeetelemaco.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Eu até tinha curiosidade em ler esse livro, mas me lembrou demais divergente. acho que essas distopias não tem mais o que inventar ;s

    xx Carol
    http://caverna-literaria.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Oi!
    Então, pode ser clichê, mas eu gosto de distopia ao pé da letra, e pelo que você citou, é assim que se desenvolve esse primeiro livro. Eu quero esse livro e tô esperando ele aparecer em promoções para comprá-lo.

    ResponderExcluir
  5. Olá Denise,


    Li algumas resenhas positivas dele e fiquei bastante curioso, já esta na minha lista de desejados....abraços.

    devoradordeletras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.