Resenha: No limite da Ousadia

09/07/2014



No limite da ousadia conta a história de Beth Risk, a amiga durona de Noah, de No limite da atração. Este livro é um spin-off, passando-se no mesmo universo do primeiro, com participações especiais de Isaiah, Noah e Echo. Se você já é fã de No limite da atração ou está descobrindo este mundo agora, certamente vai se deixar envolver pela paixão perigosa e arrebatadora de Beth e Ryan. 

Beth é uma garota durona e tatuada que precisa cuidar da mãe drogada. Quando ela assume um crime para salvar a mãe, seu tio, um rico esportista aposentado, consegue a guarda da sobrinha e a leva para começar uma vida nova na cidadezinha do interior em que ele mora. E assim Beth se vê morando com uma tia que não a quer e frequentando uma escola onde ninguém a compreende.

Exceto um único cara, que não poderia ser mais diferente dela... Ryan é o menino de ouro — um badalado jogador de beisebol, filho de um dos casais mais influentes da cidade. Ele e seus amigos gostam de fazer apostas envolvendo desafios que devem cumprir, e Ryan nunca perde. Por fora o atleta popular que todo mundo adora, ele está prestes a aprender que nem tudo é o que parece. 

O que começa como uma aposta se torna uma atração irresistível que nem Beth nem Ryan haviam previsto. Sem se dar conta, o cara perfeito vai arriscar seus sonhos — e sua vida — pela garota que ama. E ela, que não deixa ninguém se aproximar, vai se desafiar a apostar todas as fichas nesse amor. Com aparições de Noah, Echo e Isaiah, de No limite da atração, este livro conta a história de um amor que vai se construindo aos poucos, num jogo sedutor de vulnerabilidade e confiança. 

No limite da Ousadia vai narrar a estória da Beth, a amiga do Noah que conhecemos em No limite da Atração. Aparentemente ela é a mais complicada do trio de amigos e neste livro entendemos o porquê. Ela é mandada para morar com o tio que a abandonou quando era criança e a sua revolta contra isso e as chantagens que ele faz só cresce. Na outra ponta do romance temos o Ryan, o típico garoto americano: perfeito em tudo. Só que vocês sabem o que dizem sobre perfeição, ela não existe e no caso deste livro isso se aplica. Ryan aparenta perfeição, mas dentro dele e em casa as coisas são bem diferentes. Esses dois opostos, no fundo são semelhantes. Cheios de incertezas e querendo mais da vida, um vai ajudar o outro a encontrar aquilo que busca, liberdade.

Assim como no primeiro, temos dois pontos de vista, o dos protagonistas Beth e Ryan. Na outra estória a Beth é bem difícil de engolir. Marrenta e querendo caçar briga sempre, ela interferia demais no relacionamento do primeiro casal. Neste a personalidade dela é melhor trabalhada e eu entendi completamente porque ela é assim. Quando você é chutado várias vezes pela vida, é natural criar uma armadura para aplacar a dor e é isso que a Beth faz. No fundo ela é só uma pessoa querendo ser amada e um lar estruturado. O Ryan é uma fofura gente! No começo eu fiquei com um pouco de raiva dele por causa da aposta, mas no decorrer do livro ele foi me conquistando. Um homem que erra e quando descobre que erra volta atrás e pede desculpas vale por mil.

Eu me apaixonei por No limite da Atração, mas não foi uma paixão passageira, foi no estilo de lembrar exatamente como o outro enredo se desenrola e aguardar ansiosamente pela continuação. Um ano depois, li assim que chegou a continuação, No limite da Ousadia, e como o primeiro, ainda continuo apaixonada. Quando fiz uma entrevista com a Katie, autora, falei que eu estava doida para ler o livro, mas triste porque a Beth não ficava com um personagem do primeiro (justo o que eu estava torcendo). Ela me disse que eu iria entender quando lesse e sim, eu entendi e achei que o caminho tomado por ela foi interessante para os personagens e a série. O Ryan tinha que existir, e caras perfeitos parece ser o que a Katie sabe fazer de melhor. Tanto o Ryan, quanto o Noah são encantadores.

Eu nunca amei antes. Achei que tivesse amado, mas agora vejo que não. Esse sentimento devastador e envolvente é que é amor. Imperfeito e confuso como o inferno.

O romance do casal protagonista se desenrola do jeito certinho. Eles não se gostam no começo e não é de uma hora para a outra que eles passam a se gostar e dizem que amam um ao outro. Isso acontece gradualmente, com um conhecendo as fraquezas do outro, testando o terreno e depois se envolvendo. O envolvimento acontece lá pro meio do livro, e nesse meio tempo outras coisas acontecem, não fica chato ou com aquela impressão de encher páginas. A gente vai aconhecendo os personagens e eles vão lutando as próprias batalhas antes de lutarem as juntos, e quando isso acontece é de fazer coraçõezinhos com a mão. Nunca pensei que a Beth do começo poderia se tornar tão mansa, mas a Katie trabalhou isso tão bem que se não tivesse acontecido eu sentiria falta.

Assim como o primeiro li esse livro muito rápido, 400 pgs em dois dias e se tivesse mais eu leria achando bom. Não sei, o jeito que a Katie escreve parte meu coração em uns momentos e me deixa emocionada e feliz em outros. A principio esse jovem adulto pode ser parecido com o que tem saído por ai, os dois tem problemas emocionais, não se gostam e depois se envolvem, só que a emoção e a forma de tocar o leitor é o que eu mais gosto nos livros. Eles me marcam e são lembrados sempre quando me pedem uma recomendação nesse gênero indico. É sim um jovem adulto que tem tudo o que os outros têm, mas como eles me tocam é diferente dos outros.

O que eu mais gosto nos livros da Katie, é que ela coloca em foco personagens destruídos e no fim não os torna completamente curados, ela faz com que eles trabalhem essas falhas, mas não os deixa apagar da sua história o que se passou. Isso é como a vida, a gente não apaga o que de errado acontece, pelo contrário, levas as cicatrizes como um lembrete. E tanto nesse, como no anterior, os personagens resolvem os seus problemas, mas não é aquela coisa de felizes para sempre, é mais no estilo 'ok, passamos por esse desafio e estamos prontos, e mais fortes, para o próximo'. Foi uma leitura muito apaixonante e rápida, por viciar de uma forma que você lê de uma vez sem nem perceber. E aconteceu dessa vez o mesmo que no primeiro, terminei querendo mais.


Essa é a nossa chuva, Beth.

*Ganhei essa marcador rosa da Katie, com a frase que aparece no livro e faz referência a capa.

No Limite da Ousadia - Pushing The Limits - Livro 02
Katie McGarry
Editora Verus: Twitter/Facebook

3 comentários:

  1. Oi Denise
    Tenho muito interesse em ler, claro que primeiro tenho que ler No limite da atração, porém como pilha de leitura só aumenta só Deus saberá quando vou conseguir encaixar nas minhas leituras!
    Beijokas =)

    http://www.paraisoempapel.com
    http://contodeumlivro.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Eu ainda não li nenhum deles :( Mas essa personagem com certeza me chama mais atenção. Sobre a capa, não sei se me passou a impressão certa, imaginava ela retratada de maneira um pouco mais rebelde... rsrsrsr Beijos!

    http://umamamaeemapuros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Não li nenhum livro dessa serie ainda. Acho que nem vou ler, pelo menos não no momento. Li um desse gênero esses dias e acho eles todos muito parecidos, por isso procuro deixar bastante tempo entre um e outro.

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.