Resenha Hot: Desejo à Meia-Noite

14/05/2014


Após sofrer uma decepção amorosa, Amelia Hathaway perdeu as esperanças de se casar. Desde a morte dos pais, ela se dedica exclusivamente a cuidar dos quatro irmãos – uma tarefa nada fácil, sobretudo porque Leo, o mais velho, anda desperdiçando dinheiro com mulheres, jogos e bebida. Certa noite, quando sai em busca de Leo pelos redutos boêmios de Londres, Amelia conhece Cam Rohan.

Meio cigano, meio irlandês, Rohan é um homem difícil de se definir e, embora tenha ficado muito rico, nunca se acostumou com a vida na sociedade londrina. Apesar de não conseguirem esconder a imediata atração que sentem, Rohan e Amelia ficam aliviados com a perspectiva de nunca mais se encontrarem. Mas parece que o destino já traçou outros planos.

Quando se muda com a família para a propriedade recém-herdada em Hampshire, Amelia acredita que esse pode ser o início de uma vida melhor para os Hathaways. Mas não faz ideia de quantas dificuldades estão a sua espera. E a maior delas é o reencontro com o sedutor Rohan, que parece determinado a ajudá-la a resolver seus problemas.

Agora a independente Amelia se verá dividida entre o orgulho e seus sentimentos. Será que Rohan, um cigano que preza sua liberdade acima de tudo, estará disposto a abrir mão de suas raízes e se curvar à maior instituição de todos os tempos: o casamento?

Amelia Hathaway é a mais velha das irmãs Hathaway, só não mais que Leo, e desde que seus pais morreram é ela quem toma conta dos irmãos. Tudo estaria perfeito se Leo não estivesse passando por um momento complicado, gastando o pouco dinheiro que eles tem em jogos e bebidas. Em uma noite quando sai para procurá-lo, Amelia conhece  Cam Roham, o gerente de um bar somente para homens. Eles sentem atração um pelo outro, mas além do fato de Amelia não acreditar mais que vai encontrar uma pessoa depois da decepção que passou com um antigo pretendente, ele é cigano. O fato de ser cigano causa desconfiança em todos e para a sociedade, o certo seria que ela se afastasse dele. Só que quando ela se muda com a família para o interior e Cam passa a frequentar a casa dos vizinhos de Amelia, a atração será cada vez mais difícil de resistir.

A Amelia é uma personagem ótima, muito espirituosa e com um senso de humor sarcástico em determinados momentos e engraçados em outro. É ela quem da os toques de comédia que a narrativa possui, mesmo que pequenos. Gostei da força dela em assumir a missão de cuidar dos irmãos sozinha, mostrou que ela os ama e eles são o que mais importa para ela, além de não fugir quando as dificuldades aparecem. O protagonista Cam não tem o porte físico que estamos acostumadas com esse tipo de livro. Ele não é engomadinho e certinho, pelo contrário, o ar que ele passa é de selvagem e misterioso. Só que o jeito com que ele trata a Amelia é perfeito, com cuidado, amor e tentando preservá-la das coisas ruins que possam acontecer, e a pessoa que vos escreve neste momento ficou encantada. Quando ele pensa na reputação da Amelia e no que ela pode passar casada com um cigano foi um momento 'ahhhhh, que fofo!'.

Os romances num modo geral são sempre a mesma coisa, casal que se conhece e não gosta um do outro, mas sente atração e as coisas se desenrolam a partir dai. Alguns não seguem esse padrão, claro, só que na maioria temos essa estrutura. Lemos procurando algo de diferente e até novo, e no caso desse eu encontrei algo que me agradou muito, a cultura dos ciganos. Eu tinha impressão que a autora colocaria um cigano em cada livro da série, mas já me avisaram que não é bem assim, o que é uma pena, pois ela soube encaixar bem o universo cigano com o histórico sem que parecesse mentira. Então você lê e acredita naquela estória, no que a autora esta te propondo. O mocinho do livro é um cigano como disse e naquela época essa raça era descriminada por não ser compreendida, por sua cultura não ser conhecida.

Isso é algo comum sempre e acredito que vai ser por muito tempo ainda. O que a autora fez? Pegou o mocinho cigano e envolveu ele com uma moça de classe média da sociedade do final do séc. XIX. Ela é considerada uma solteirona por ter mais de 20 anos e ser solteira, então ela já sofre um torcer de boca por isso e quando se envolve com um cigano as coisas ficam ainda piores. Temos também um toque de sobrenatural, que não é comum para romances históricos. Não é nada de vampiros, anjos (não seria nada mal um romance histórico com anjos, hmm...) ou coisas assim, e não é nada que te faça acreditar menos no enredo. Foi um toque envolvendo o irmão da Amelia, que eu acredito que ganhará um livro só para ele, que deixou as coisas mais interessantes e diferentes. O romance hot com ciganos e um toque de sobrenatural é o que temos de diferente no enredo.

Esta era a última série de romances históricos da Arqueiro que faltava eu começar e olha, das três, esta para mim esta bem juntinha com a da Julia Quinn. Não sei se eu estava no momento, mas eu adorei tudo. Desde os personagens, até o gancho que a autora deixou para o segundo ligando este livro ao próximo. A escrita é muito gostosa e o toque sobrenatural foi algo a mais. A parte hot é quente na medida que tem que ser, não são muitas, mas quando tem são detalhistas. O bom é que já temos um vislumbre aqui de quem serão os protagonistas do outro livro, e mais ou menos como as coisas vão iniciar. Estou me segurando para não ler, porque a próxima protagonista e com quem ela se envolve, também da a impressão de que teremos novidades diferentes em relação a este primeiro livro. Se você já leu os outros e gostou, vai gostar desse. E se ainda não conhece as séries da Arqueiro, pode começar por esse sem medo.

Acho que você é total e profundamente interessante. Quero abri-la como se fosse um livro e ler cada página. Inclusive as notas de rodapé. Quero você. Quero me deitar com você sob as constelações, as nuvens e a sombra das árvores.

Desejo à Meia-Noite - The Hathaways - Livro 01
Lisa Kleypas
Editora Arqueiro: Twitter/Facebook

5 comentários:

  1. Esta é uma série que vem me chamando atenção. É engraçado, mas os romances são assim mesmo, com esta receita de bolo, são alguns detalhes que nos fazem gostar ou não. Que bom que no seu caso valeu,
    Bjs, Rose.

    ResponderExcluir
  2. Olá Denise,

    Sempre leio resenha positivas dessa série e desse livro, mais não gosto de livros hot, mais gostaria de ler algum livro que tenham ciganos, acho interessante....abraços.

    devoradordeletras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Oi Denise, tudo bem?

    Sou suspeita para falar porque adoro os romances de época da arqueiro. Ainda não li essa série, mas sou doida para conhecer. Não sabia que havia esse toque sobrenatural. Deve ser bem interessante.

    beijos
    Kel
    www.porumaboaleitura.com.br

    ResponderExcluir
  4. Oi Denise!
    A sua é a primeira resenha do livro que fala desse toque sobrenatural, fiquei bem curiosa para saber o que pode ser... Acho bem interessante a autora explorar um cultura tão diferente como a dos ciganos.
    Agora estou aqui pensando em como seria um romance histórico com anjos...
    Beijos!
    http://sobrelivrosesonhos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Oie, tudo bom?
    Estou louca para ler essas séries de época da Arqueiro e recentemente ganhei os 3 livros dessa série em uma promoção. Amo essas capas e preciso encaixar esses livros na minha meta de leitura. Nunca li nenhum livro que falasse sobre a cultura dos ciganos e essa história será a primeira.
    Beijos!
    http://livrosyviagens.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.