Resenha: Seres Incríveis

14/04/2014


Desde que foi atingida por um raio quando bebê, Mary Anning sempre foi uma pessoa diferente, destinada a grandes feitos. Ao descobrir fósseis de seres desconhecidos nas falésias de Lyme Regis, ela revoluciona o universo científico com ideias desafiadoras sobre a criação do mundo e estimula o debate sobre a origem da humanidade. Durante o processo de escavação, Mary encontra apoio na inteligente Elizabeth Philpot, uma solteirona de classe média, que também é obcecada por fósseis. O relacionamento delas desenvolve um delicado equilíbrio entre a fidelidade total e a inveja maldisfarçada.

Apesar das diferenças de idade e origem, Mary e Elizabeth descobrem que, na luta pelo reconhecimento, a amizade é a arma mais forte para elas. Neste encantador romance, duas mulheres farão descobertas que mudarão o mundo. Ao longo da história, Tracy Chevalier enriquece a trama através do detalhamento dos hábitos da época, assim como da paisagem, das roupas, da questão religiosa e, principalmente, da arqueologia.

'Tracy Chevalier revela mulheres cativantes e cheias de vida. Como uma caçadora de fósseis, a autora escava as praias da história e presenteia o leitor com uma narrativa envolvente.' (The Financial Times)

'Chevalier mergulha em um momento histórico fértil, examinando a forma como uma jovem inteligente, mas sem experiência, interage com os homens prepotentes e arrogantes de sua época.' (The Washington Post)

A narrativa do livro é feita em primeira pessoa e alternadamente pela Mary Anning e Elizabeth Philpot. O livro inicia com a Mary muito menina, mas já percebemos o seu amor pelos fósseis e a sua vontade de aprender e descobrir coisas. Por ser da classe trabalhadora e mulher, a ela é negado esse conhecimento e apenas quando conhece Elizabeth é que ela começa a entender os fósseis. A Elizabeth foi para Lyme Regis com as irmãs por serem solteironas e o único irmão ter casado. Não podendo mais ficar com ele, elas vão para a pequena cidade do litoral e a Elizabeth se apaixona pelos fósseis e passa a estudá-los. Mesmo tendo idades e classes diferentes, as duas se tornam amigas e passam a encontrar 'monstros' nas praias da cidade. Essas descobertas acabam abalando o meio cientifico e suas vidas para sempre.

Quando eu estava terminando de ler o livro e pensando que a leitura tinha sido muito boa, com uma escrita informativa, envolvente e mais um monte de elogios, me deparo com um pós-escrito da autora onde descubro que os personagens da estória são reais, assim como a maioria dos fatos. Foi um choque, e eu logo corri para a internet e fucei tudo o que eu podia sobre a Mary e Elizabeth. Elas existiram mesmo e, hoje, seu trabalho é reconhecido, principalmente o da Mary. Eu vi alguns vídeos sobre a vida da Mary, que é quem mais tem conteúdo na rede, e coloquei abaixo uma foto dela divulgada pela BBC. Ela e a família costumavam vender os curius (como os fósseis eram chamados) encontrados na praia e a imagem reproduz esse momento. Outro fato interessante que achei pesquisando sobre elas, é que a Jane Austen muito provavelmente conheceu as irmãs Philpot, já que a escritora frequentava Lyme Regis na época, 1804, e a cidade tinha apenas 2 mil habitantes e um único Salão de Festas, considerado o centro de encontro da classe média.

Ali no parágrafo anterior eu disse que hoje os feitos da Mary são reconhecidos, porque na época, séc. XIX, as mulheres não eram bem vistas no meio científico, em meio nenhum aliás que não fosse o envolvido com casa, marido e filhos. Talvez esse seja o principal ponto de discussão do livro, o quão importante para o entendimento da evolução das espécies os feitos da Mary foi, mas que a ela não foi dado esse reconhecimento na época. Os fósseis que ela encontrava eram vendidos e a fama da descoberta era dado a quem comprava, geralmente museus e homens muito ricos. A Elizabeth não foi tão citada assim, porque embora tenha sido a mentora da Mary, ela não descobriu nada de extraordinário e além disso, o que ela encontrava ficava com ela, de recordação. Aqui é onde está a principal diferença entre as duas, a Elizabeth era uma colecionadora, apreciadora dos curius, enquanto a Mary era uma caçadora. Por necessidade o que ela encontrava, estudava e vendia.

Outro ponto de reflexão. Se imaginem nesse século, onde o conhecimento além de ser pouco não era discutido e tudo era atribuído a Igreja, encontrando monstros fossilizados nas praias e com medo de que a grandeza de Deus fosse questionada. Todas as descobertas diferentes que a Mary fazia passavam por esse mesmo questionamento, que Deus não poderia ter extinguido uma espécie porque Ele nunca erra. Todo mundo da cidade, até a Mary e a Elizabeth, tinha curiosidade, mas ao mesmo tempo medo dessas descobertas, pois elas colocavam à prova a fé deles. A Elizabeth sempre foi a mais sensata das duas, acredito que pelo conhecimento maior que tivesse, e ela acreditava que Deus tinha sido sim, perfeito na sua criação, mas que ao longo dos anos as espécies foram mudando. Essa ideia foi começando a ser discutida entre os homens e textos científicos sobre o assunto feitos.

Seres Incríveis é um romance histórico, mas não no sentido romântico, e sim por discutir e fornecer informações históricas sobre os primeiros fósseis encontrados no litoral da Inglaterra. Isso ser um feito de uma mulher, na época que foi, deixa qualquer semelhante do gênero engrandecida. Pode ser algo besta, mas me deixou feliz saber desse fato. Se por um lado ele é bastante informativo, por outro vocês não vão encontrar nenhuma ação e outros temas que não as descobertas de fósseis e o que estiver ligado a isso. Não quero passa a impressão de que o livro é chato, porque não é. Foi muito interessante me aprofundar nesse assunto que eu não tinha conhecimento nenhum e que agora já posso dar alguns pitacos. Recomendo para qualquer pessoa que queira se deliciar com um livro inteligente, bem fundamentado e sobre mulheres que fizeram história na descoberta de fósseis. Deixo também registrado a minha vontade de ler mais coisas da Tracy.

Se alguém pensa muito no assunto, deve estranhar a ideia de ter nas mãos um corpo morto há anos. Além disso, eles não pertencem a este mundo, mas a um passado muito difícil de imaginar.

*Eu recebi da Bertrand a prova do livro, mas como demorei a ler, o livro finalizado chegou e foi ele que eu li. A edição está lindíssima, só que um alerta, o título que é vermelho metalizado saiu enquanto eu lia. Não sei se só com a minha edição acontecerá isso, mas recomendo que vocês usem uma capa para não correrem o risco.


Seres Incríveis
Tracy Chevalier
Editora Bertrand Brasil: Twitter/Facebook

8 comentários:

  1. Quando vi a capa imaginei que seria um livro sobrenatural. Agora me surpreendeu mais ainda!!
    Fósseis?? Adorei isso. Não conhecia essas moças, mas acredito que a leitura será incrível!!
    A resenha está perfeita ♥

    Vai pra lista já!!

    Bjkas

    Lelê
    http://topensandoemler.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Achei interessante as protagonistas serem personagens reais, mas o livro não faz muito o meu gênero então não sei se o leria.

    *bye*

    http://loucaporromances.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Achei esse livro tão interessante! É sempre bom ver mulheres fazendo coisas que não deviam fazer, pois a sociedade dizia que elas deviam ser donas de casa, e eu gosto de como isso foi acontecendo ao longo do tempo. O assunto do livro parece ser muito legal e ótimo para informação, acho que deve ser uma boa pedida pra quem quer ler sobre o assunto sem ir em livros didáticos e maçantes. Fiquei interessada, mas não sei muito se é meu gênero! :/ Quem sabe um dia, talvez? Enfim, ótima resenha!

    Bjs,

    Sarah Patrício
    http://www.paraisoempapel.com/

    ResponderExcluir
  4. Oi Dê, que bom que estão sendo lançados livros desse porte. Adorei seus comentários e o livro parece ser realmente muito bom. Fiquei curiosa quando você fala que ele é baseado em fatos reais. Quero tentar o ler este ano. Oremos!

    Beijos, http://porredelivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Nossa, adoro livros de época que narram as vestimentas e os hábitos. Fico me imaginando naquele momento. E isto é mais difíicl ao escrever um livro. Mas falar sobre fósseis tem que se ter uma pesquisa bem mais apurada. O livro deve ser fantástico.

    Beijos

    Greice Negrini

    Blogando Livros
    www.amigasemulheres.com

    ResponderExcluir
  6. Interessante o livro, gostei da resenha.
    Bjs
    http://eternamente-princesa.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Denise, que livro interessante! Me parece muito rico em detalhes e fatos, e bem escrito. Imagino sua surpresa ao descobrir que a história é real. Eu ficaria mega instigada a procurar por mais, também. :) Enfim, gostei bastante da premissa, e principalmente das personalidades femininas... elas parecem fortes, e eu gosto quando elas se destacam em uma narrativa por suas paixões e ocupações. Muito bom! Adorei saber sobre esse livro.

    Um abraço!
    http://universoliterario.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  8. Olá Denise,

    Não conhecia esse livro e gostei da sinopse, para ter uma história bem interessante, dica anotada....abraços.

    devoradordeletras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.