Resenha de Ouro: Peter Pan

04/04/2014



Esta é a primeira tradução integral de Peter Pan publicada no Brasil. O livro. De verdade. Sem mediações mesmo as mais simpáticas - como a de Lobato ou as da Disney, cada uma delas hoje um clássico á sua moda. Mas agora temos Peter Pan de Sir James Barrie. Primeiro e único, seria o caso de dizer. 

Originalmente Peter Pan foi escrito como parte de um romance para adultos (do próprio Barrie) intitulado "Pequeno Pássaro Branco" em 1902. Em 1904, no Teatro Duk of York em Londres foi encenada a primeira versão dramática da fantasia Peter Pan. Durante muito tempo, Barrie se recusou a escrever uma versão narrativa da peça, mas deu sua autorização a um número diferentes de versões alheias. Quando finalmente fez sua própria, Peter Pan e Wendy, em 1911, foi um fracasso considerado incompreensível. E os leitores desta tradução que se baseia nela logo perceberão por quê. 

O texto é ambíguo, coloca problemas interessantíssimos de enunciação, confunde fecundadamente no narrador as visões estereotipadas de linguagem de adulto e linguagem de criança, carrega alusões ao mundo adulto de seus problemas. A presente tradução procura ser fiel não apenas ao texto fascinante da versão de 1911 mas também ao terreno movediço e inseguro por onde vive Peter Pan, mantendo a confusão de tempos verbais do original e uma incurável saudade do primeiro encontro infantil com o personagem.   

Começando com um fato relevante, eu não sabia que um livro sobre o Peter Pan existia. Mesmo que ele seja uma adaptação de uma peça de teatro, nunca soube que existia um texto integral que retratasse as aventuras do menino que não queria crescer. Na minha santa ignorância eu achei que o filme da Disney era o original e qual não foi minha surpresa ao me deparar com o lançamento desta obra no ano passado? Quando o livro chegou eu fiquei pegando uma meia hora e toda besta, porque foi a minha primeira experiência com uma edição da Zahar e eu fiquei maravilhada com o acabamento e conteúdo, ainda fico diga-se de passagem. Só agora tive a oportunidade de ler e, com a apresentação da Flávia Lins, me aprofundar na obra.

Acredito que assim como Alice, a maioria já conheça o Peter Pan e as suas aventuras com os meninos perdidos na Terra do Nunca. O livro vai contar uma dessas estórias e a aventura em questão envolve um certo capitão que quer a cabeça de um menino que lhe arrancou a mão, mas bem antes disso, esse menino chegou na Terra do Nunca, uma ilha em algum lugar, trazendo três crianças novas que deixaram sua casa para trás voando. Ao chegar nessa ilha eles encontram meninos que moram debaixo da terra, sereias, fadas, peles-vermelhas e piratas. Com o último eles lutam para salvar a própria vida antes de voltarem para casa.


Antes de dar mais detalhes sobre a obra, vou ressaltar que li a apresentação da Flávia depois da narrativa para não pegar spoiler do enredo, então vou comentar sobre isso mais para frente. O que primeiro vai chamar a atenção dos leitores é a forma com que o autor narrou a sua estória. A gente pensa que é o próprio Barrie narrando, mas não, é um narrador onisciente e onipresente, ou seja, ele participa da estória contando tudo em terceira pessoa. O mais engraçado é que ele opina sobre tudo, toma partido dos personagens, adianta o que vai acontecer e por aí vai. É um ótimo jeito de narrar uma estória para crianças, que era para quem se destinava essas aventuras, porque é como se ele estivesse narrando só para você.

O personagem que da titulo ao livro é o protagonista e figura mais importante sem sombra de duvida. Pelo que eu me lembrava do desenho da Disney ele era um garotinho adorável e um pouco metido, mas o livro me deu uma nova percepção sobre isso. O Peter Pan é muito mais egoísta e sabichão e isso é comentado pelos outros personagens e narrador da estória. E embora ele seja assim, intragável em determinados momentos, ele tem um carisma que as personagens femininas não resistem e nem as crianças e adultos. O simbolismo desse personagem é muito mais conhecido e importante do que ele. Qual criança não tem aquela fase de não querer crescer nunca? Ou qual adulto não gostaria de voltar a ser criança em algum ponto da sua vida?


Além do Peter a gente tem a Wendy como personagem importante, a Sininho e O capitão Gancho, que são apresentados melhor ao leitor pela Flávia no começo do livro. A Wendy, e a sua mãe, são a representação da mãe ideal. O Peter, por ser órfão, está numa constante busca por uma mãe e a Wendy será isso na Terra do Nunca para ele e os meninos perdidos. Logo no começo percebemos que não é isso que a Wendy quer, ser a mãe do Peter, e esses sentimentos entraram em conflito com a Sininho, a fada que acompanha Peter aonde ele vai. A Sininho é uma fada bem malvada que não poupa artimanhas para fazer com que a Wendy vá embora e ela seja a única mulher na vida do Peter. As duas querem um sentimento que ele não sabe dar. A única coisa que ele 'deseja' é uma mãe, só que ao mesmo tempo ele nem sabe o que é isso.

Por fim temos o Gancho e o seu medo terrível de um crocodilo, mas que ao mesmo tempo quer matar uma criança. Controvérsias à parte, o personagem nos causa tanto medo quanto dó. Quando o crocodilo se aproxima dele você quer avisar, mas se ele está bolando planos para pegar o Peter a gente quer impedir isso. Em questão de personagem também é valido ressaltar os meninos perdidos, que são seis ao total, os irmãos da Wendy e seu pai. No caso do pai a gente vê claramente que o autor quis ridicularizar os papéis masculinos adultos, já que ele coloca uma figura sem autoridade nenhuma, por vezes covarde e que tem ideias absurdas como dormir na casinha de um cachorro para se punir. A cachorra que é dona dessa casinha é a Naná, a babá. Sim, a cahorra é a babá das crianças e isso é no sentido literal. Ela dá banho, coloca para dormir e pensa que é a melhor babá do mundo, o que eu acredito que seja mesmo.


O universo que o autor criou nesse livro é imaginário, mas é notável como elementos dele saem das páginas e veem para o nosso mundo. A fascinação que muitos tem por essa figura mágica, que consegue aprisionar o espirito juvenil é imenso, e não seria mentira dizer que alguns que nesse momento estão lendo a resenha sintam esse fascínio, eu sinto. Ao mesmo tempo que o enredo tem essa aura de encantamento ela é triste, isso porque o Peter, no fundo, se importa de não ter uma mãe e passa o livro todo querendo uma. Por mais forte que ele aparente ser, ou desinteressado, esse buraco de não ter o que a maioria das crianças tem e ele não, esta lá. Ele passa o livro todo pegando as figuras femininas do livro e colocando nesse lugar especial para ver como é e porque isso é tão importante para todo mundo. Até os piratas e o Gancho desejam isso.

Eu não estaria errada se dissesse que o livro é para mostrar, mais do que um menino que nunca quer crescer para não perder a leveza da vida, a importância do papel de uma mãe na vida de uma criança. A leveza e a juventude realmente se vão quando crescemos, pelo menos a maior parte dela, mas o amor de mãe, quando dedicado e presente, fica para sempre. As nuances desse livro um leitor mais velho vai conseguir entender, mas um clássico infantil não é apara ser totalmente entendido, então as crianças com certeza vão adorar e os adultos também. O interessante é que Peter Pan tem pouca coisa por trás dele e menos ainda mensagens que só alguns leitores mais atentos entenderiam. Ao contrário de outros livros onde existe uma estória dentro da estória, Peter Pan é direto e alcança como poucos o coração de crianças e adultos.

Para finalizar, a edição que eu li é a comentada e ilustrada e como disse acima, ele não possui um grande número de comentários ou ilustrações. As poucas que tem dão uma ideia completamente diferente do desenho da Disney, que claro, representou os personagens e visual de acordo com a sua época. No caso, esses desenhos são do começo de 1900. Uma coisa que me assustou foi saber que esse clássico foi escrito a pouco tempo, isso em comparação a outros bem mais antigos. Leitura recomendada e interessante, que te dá um ponto de vista diferente desse personagem imortal tão querido por todos.



*Me desculpem pelo fundo vermelho nas fotos, não sei como tirar isso. :/

Peter Pan
James Matthew Barrie
Editora Zahar: Twitter/Facebook

Essa resenha faz parte do Abril especial editora Zahar! Clique aqui e saiba como participar.

http://www.seja-cult.com/2014/04/abril-especial-editora-zahar.html

15 comentários:

  1. Eu sempre que entro em uma livraria fico namorando os livros da Zahar, são linos demais e são objetos de desejo para qualquer leitor muito além das histórias em si. Eu sabia que o Peter Pan da Disney não era o original e como sempre a versão deles é bem adocicada, tirando dos personagens uma boa parte da picardia original, o que é uma pena, como se as crianças não pudessem encarar personagens com defeitos e ainda assim se encantar com suas histórias e aprender junto com eles.

    ResponderExcluir
  2. Hey
    Ah que capa linda, fiquei apaixonada por tudo aqui.
    Já foi para a lista de desejados.

    Faz pouco tempo que eu descobri que Peter Pan tinha livro, também. Até fiquei imaginando que editora teria lançado por aqui.
    Parece ser bem diferente das adaptações, certo que deve ser HAHA
    Disney ameniza muita coisa

    beijos e um ótimo final de semana
    Nana - Obsession Valley

    ResponderExcluir
  3. Denise, primeiro deixa eu concordar com você sobre a estória de ter um livro no qual o filme da Disney foi baseado. Eu morria e não sabia. Santa Ignorancia! Rsrsrs
    Segundo, sempre achei realmente que o Peter Pan era um egoísta egocêntrico que só quer o que ele quer. Acho que se formos comprar isso tem muito a ver com a personalidade de alguns homens da vida contemporânea. Fiquei curiosa com o livro porque né... Clássicos Disney!
    Meu sonho é ter todas essas edições da Zarah... um dia quem sabe...

    Beijos, http://porredelivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Cometi o mesmo erro que você ao pensar que não tinha livro, mas a pouco tempo vi uma versão do Peter Pan linda da Barnes & Nobles e amei!
    Nunca tive nenhum livro da Zahar mas só pelas fotos já fiquei com vontade de adquirir, com todos esses detalhes e desenhos... Não tem como resistir. Pela sua resenha o livro parece ser muito mais profundo e abordar mais temas que no filme, deve ser uma ótima leitura.

    ResponderExcluir
  5. Estou louca por esse livro, amo essa coleção da Zahar, tudo muito caprichado, tenho 3 dos já lançados.
    Eis a questão, quase ninguém sabe, mas os filmes da Disney são adaptações para crianças poderem assistir. Os contos originais são terríveis de tão cruel, como o da Bela Adormecida por exemplo que é estrupada várias vezes pelo príncipe e tem filhos, tudo enquanto dorme. E por aí vai, eu gosto de ver o original, paguei até uma disciplina na universidade que falávamos sobre eles, me apaixonei rs.

    Beijos,
    Myris
    http://www.nacabeceiradacama.com.br

    ResponderExcluir
  6. Chorei. A mensagem por trás da história infantil é captada por mim como mantra. É tudo que importa. Assim como Deus. Fernando Deodato Da Silva, louco pelo livro aqui *-*

    ResponderExcluir
  7. Nossa Denise mais que resenha linda essa sua. Eu adorei, eu gostei tanto que eu queria que você fizesse um “vídeo resenha” para falar mais sobre o livro, do mesmo jeito que você fez com o livro de Alice que eu também adorei e quero muito um pra mim. A resenha sobre o Pan ficou ótima, e pelo o que você disse o Pan não é só um menino metido mas também um menino arrogante, e nossa não acreditei quando você disse que a Sininho era malvada kkkk.
    Denise uma coisa que eu queria saber, é que a editora Zahar só lança livros clássicos né ?

    ResponderExcluir
  8. Acho bem interessante conhecer os verdadeiros clássicos infantis. Este eu ainda não li, mas parece ser bem legal, além da editora ter feito um belo trabalho com a capa.
    Bjs, Rose

    ResponderExcluir
  9. Olá Denise,

    Não nada do Peter ainda, mas tenho vontade...essa edição esta muito bonita mesmo....parabéns pela sua resenha.....abraços.

    devoradordeletras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  10. Olá Denise! Eu sempre gostei muito da história do Peter Pan e desde que vi essa edição na livraria que quero um exemplar! A Editora Zahar ARRASOU! Eu não tinha folheado o livro mas pelo que pude ver nas fotos ele tem uma ótima diagramação também, sem contar essas belas ilustrações!

    Beijos
    Débora - Clube das 6
    http://www.clubedas6.com.br

    ResponderExcluir
  11. Aii, eu amo essa história <3 É o meu filme favorito da disney!
    Depois que ganhei Alice aqui no blog, me apaixonei pela edição dos clássicos e comprei esse livro. Ainda não tive tempo pra ler, mas fico admirando ele na minha estante *-* Acho o filme/livro inspiradores, deu até vontade de assistir de novo, hahaha
    Concordo com o que você disse, esse clássico toca o coração dos leitores como poucos!

    Bjss ^^

    ResponderExcluir
  12. Antes de qualquer coisa: de vez em quando também me pego surpreendida quando descubro que certos filmes são, na verdade, adaptações de livros rs
    E sobre Peter...tenho muita curiosidade de ler, porque desde pequena gosto da história e o livro permite conhecer algumas sutilezas deixadas de lado pelo filme/animação. Ou sutilezas que meus olhos de criança não viram por completo na época rs. Também por isso gostei de conhecer suas reflexões acerca da história.
    Essa edição da ZAHAR é amor! E a de bolso também (aliás, concordo com você que essa editora é bem caprichosa, sorte a nossa!).

    ResponderExcluir
  13. Passear por entre as estantes das livriarias e não ser fisgada por algum título da Zahar é quase impossível. As recentes publicações estão impecáveis e lendo as resenhas por aqui, o conteúdo é tão bom quanto a aparência! Com os contos de fada tão em alta, tenho muita vontade de ler tudo o que puder sobre esse universo!

    ResponderExcluir
  14. Muito bom seu texto, Denise! Também não sabia que tinha um livro sobre Peter Pan e fiquei com muita vontade de ler. Parece realmente ser muito interessante e instigante. E suas análises na resenhas só reforçaram isso.

    ResponderExcluir
  15. Eu amava Peter Pan quando era pequena, e depois que descobri que era um livro, estou doida para ler!! Tinha um DVD do filme Em Busca da Terra do Nunca, que conta uma versão de como o Barrie se inspirou para escrevê-la, o Johnny Depp fazia o papel dele. Sua resenha me deixou com mais vontade de ter o livro *-*

    litteraturamundi.blogspot.com

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.