Resenha de Banca: Sobre aquele Homem

09/04/2014



Como pode a filha de um dos patriarcas de Trinity Harbor acolher um menor transgressor pego ao tentar fazer uma ligação direta em seu carro? Daisy não se importa com o alvoroço da cidade. Cuidar desse órfão de 10 anos é uma tarefa fácil, além de ser uma forma de passar menos tempo se lembrando de seu passado trágico. Difícil é ter que lidar com… aquele homem. Aquele homem, o tio do menino, é Walker Ames, um policial para quemo sobrinho recém-descoberto é a chance de redenção.Walker passa a frequentar Trinity, e todos acham que ele está seduzindo Daisy! Afinal, a professora da escola dominical é uma combinação perturbadora de inocência e atrevimento, em um lugar menos pacato do que parece… 

Desde que viu o pequeno Tommy, Daisy sentiu algo diferente pelo garoto. Ele não tem pais e vive pelas ruas da cidadezinha chamada Trinity Harbor sem ter quem tome conta dele. Não aguentando mais a situação e sendo uma mulher solteira e sem perspectivas de se casar, ela decide adotar o garoto, mas seu pai, irmãos e moradores da cidade são contra. Eles argumentam que o garoto é um delinquente e que sua vida acabará se fizer isso. Walker não sabia que tinha um sobrinho, então quando uma assistente social liga para comunicar que ele é o único parente vivo de uma criança, seu mundo vira de cabeça para baixo. Ele vai até a pequena Trinity Harbor e se encanta não só pelo garotinho que lembra sua irmã falecida, mas pela responsável temporária dele também.

O livro é narrado em terceira pessoa e a personagem Daisy foi a que eu mais gostei. A atitude dela de não só ficar vendo uma coisa errada acontecendo, mas tomar partido, agir de fato, foi muito bonita. Não é qualquer pessoa que tem coragem de colocar dentro de casa uma criança estranha e se responsabilizar por ela. Ela é decidida e firme no que quer, mesmo que às vezes, no íntimo, estremeça um pouco. Quando o Walker titubeia entre ficar com o sobrinho ou não, eu não gostei muito dele. A atitude se mostrou egoísta, já que ele não queria alterar a vida por causa do garoto. O sentimento entre tio e sobrinho se solidifica com o decorrer da narrativa e alguns aspectos da vida do Walker mudam, e quando essa mudança acontece, gostei mais dele. O Tommy é um garoto esperto que só quer a segurança de uma família. Oo final feliz que ele teve me agradou.

Vocês sabem, se não ficam sabendo agora, que eu adoro romances que envolvam crianças e quando tem adoção no meio ai que eu fico louca para ler. E foi por causa da sinopse que eu quis ler algo da Sherryl Woods, que até então eu não conhecia. A capa não me agradou muito por não me fazer ver semelhanças com a narrativa, mas como a sinopse me pegou decidi arriscar. A narrativa é calma até o meio do livro mais ou menos quando outros casais são inseridos no enredo e uma estória secundária envolvendo uma investigação do Walker em Trinity Harbor começa a se desenvolver. O que eu mais gostei nesse livro foi que ele tem um ar de real que salta das páginas. Acredito que qualquer um que ler vai conseguir visualizar essa narrativa acontecendo com si, um amigo e por aí vai.

A autora não se aprofundou muito na questão da adoção, mas as cenas do Tommy não deixam de ser emotivas. O menino está largado a própria sorte, sem perspectiva de família, lar ou tudo que envolve isso, então mesmo que autora fique só na superfície, ainda mexeu comigo. A química entre o Walker e a Daisy é boa, mas muito é prejudicado por aquele joguinho que estamos acostumadas 'quero você, mas não posso te ter'. No caso o Walker não mora na cidade e gosta da vida de solteiro e a Daisy já teve desilusões antes. Esse tipo de jogo é comum para crescer a tensão sexual do casal e nos deixar mais empolgadas para quando tudo acontecer. O que acontece é que a autora pulou essa parte, ou melhor, não foi detalhista nessa questão. Acontece, mas não lemos os detalhes.

Sobre aquele Homem é um livro simples de ler e com uma narrativa fofa e amarrada. Pode não ser o melhor livro que vocês vão ler na vida, mas vai proporcionar momentos gostosos e de leitura que alivia a mente. Recomendo ainda mais se você for o tipo de leitora que não gosta de cenas eróticas, mas que também não quer deixar de ler livros assim. Não julguem o livro pela editora, sempre aviso isso para vocês. A Harlequin não publica somente livros com fundo erótico ou sensual, tem muitos romances de banca, ou de livraria mesmo, sem uma cena de sexo se quer. Já li livros deles que o casal mal se beija, mas dai você vai indicar e os leitores ficam dizendo que não leem esse tipo de livro por causa do erotismo. Enfim, recomendado o livro e indico que antes de vocês descartarem um livro da editora, lerem as recomendações para não perderem um bom livro.


-Bisbilhotar coisas que não são da sua conta não vai fazer você ganhar pontos.
-Vou ganhar meus pontos à maneira antiga.
-Como?
-Charme.




*O livro faz parte de uma trilogia, mas não tenho informações se os outros serão lançados por aqui. Independente disso, a estória não precisa de uma continuação, tem o seu final quando o livro se encerra.

Sobre aquele Homem
Sherryl Woods
Editora Harlequin: Twitter/Facebook

Um comentário:

  1. ainda não li esse livro, mas estou muito a fim , pois recentemente conheci a escrita da autora e me encantei!
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.